FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Preços, safras recordes e consumo em casa salvaram o café durante pandemia

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 22/02/2021

3 MIN DE LEITURA

0
1

Com o fechamento de cafés e escritórios em todo o mundo devido à pandemia, o mercado global de grãos temia um 2020 especialmente complicado. Mas os grandes produtores salvaram o ano com uma receita de blend: combinação de preços, safras recordes e consumo alternativo nas famílias.

“2020 foi particularmente bom para o Brasil, mas não tão bom para os outros países em termos de produção”, explicou Carlos Mera, analista do RaboBank em Londres. O maior produtor mundial comemorou safra recorde no ano passado: 63,08 milhões de sacas de 60 kg, 27% a mais que em 2019, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Cerca de 77% do café brasileiro é da variedade arábica, por outro lado, o Vietnã, maior produtor de canéfora (robusta), colherá 7% a menos do que a inédita safra do período anterior.

O tempo seco reduziu a produção para 29 milhões de sacas, de acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos. A Colômbia também diminuiu sua produção em 6% em 2020, com 13,9 milhões de sacas, segundo a Federação Nacional dos Cafeicultores.

Com a Etiópia no topo de uma série de países, a África passou o ano sem altos e baixos. O continente “é muito estável porque há muita distância entre os países, climas diferentes, eles não sofrem tanto com os preços porque a produção é mais extensa e os custos dos fertilizantes são menores”, descreve o analista. O mundo produziu 0,9% menos café em 2019/2020 em relação ao período anterior.

Melhor preço

Com as restrições que se seguiram à pandemia, o consumo e as exportações foram abalados. A renda dos cafeicultores variava em cada país de acordo com a estabilidade de suas moedas em relação ao dólar, bem como com a qualidade e a quantidade de suas safras. Embora o preço internacional tenha dado uma pausa.

O café arábica foi negociado na Bolsa de Valores de Nova York a uma média de US $ 1,10 a libra, uma recuperação em relação a 2019, quando atingiu baixas de menos de um dólar. O Brasil levantou a taça alto. Soma-se à sua produção volumosa a desvalorização de 29% do Real em relação ao dólar.

Na Colômbia, cerca de 540 mil famílias cafeeiras sentiram alívio graças também à desvalorização de sua moeda (4,7%). O valor da safra ficou em torno de 2,6 bilhões de dólares, "o maior dos últimos 20 anos" levando-se em conta a inflação, disse um funcionário da federação.

As Bolsas de Valores de Nova York e Londres negociam contratos "futuros", com estimativas do preço do café, para proteger comprador e vendedor de oscilações, assim que a carga chegar ao seu destino ou encontrar um cliente. Mas eles também são negociados na conveniência de um corretor. De acordo com Fernando Morales-De La Cruz, da organização Café for Change, o preço de 2020 em termos reais foi quase 70% menor que o preço do café de 1983, quando era de US $ 1,40.

Em termos de preço, o Vietnã não esteve tão bem. “O preço em dólares do robusta foi bastante decepcionante para os produtores vietnamitas, a safra está abaixo do esperado e o preço, por ter uma moeda fortemente controlada pelo Estado, não desvalorizou apesar da pandemia”, explica Carlos Mera. Além disso, "o preço do frete marítimo do Vietnã quase triplicou", acrescentou.

Consumo e perspectivas

O café também teve que ser confinado pelo coronavírus. O consumo saiu das lojas para as residências. Embora as restrições afetassem a movimentação nos portos, o consumo sofreu menos do que o esperado (-2,4%), apesar de ter ficado abaixo da produção pelo terceiro ano consecutivo.

Segundo a Organização Internacional do Café (OIC), o mundo arrecadou 168,68 milhões de sacas no período 2019/2020, enquanto o consumo foi de 164,53 milhões. Embora a demanda deva se recuperar, um aumento de 1,9% na produção mundial causará um superávit de 5,27 milhões de sacas em 2020/2021, acrescentou a entidade.

O consumo da bebida quente tende a aumentar durante o inverno. Mas o fechamento de cafeterias e restrições em países europeus afetados pelo vírus podem alterar a tendência. Em 2021, o Brasil poderia marcar a sorte do mercado.

Os especialistas preveem uma queda na produção de arábica de cerca de 30% devido a uma forte seca, que pode beneficiar países como Colômbia, Etiópia ou América Central.

As informações são da AFP / Tradução Juliana Santin

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint