ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Pesquisadores colombianos descobrem novas variantes agressivas da ferrugem da folha do café

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 04/05/2021

1 MIN DE LEITURA

0
0

Os líderes cafeeiros colombianos estão pedindo aos cafeicultores que adotem variedades de café resistentes a doenças, ao descobrirem novas variantes mais agressivas do fungo da ferrugem do café (CLR).

As descobertas preocupantes vêm do Cenicafé, instituição nacional colombiana de pesquisa cafeeira da Federação Colombiana de Cafeicultores (FNC). O grupo afirma ter identificado seis novas raças (também conhecidas como subespécies) de ferrugem da folha no país, além de nove novas variantes do fungo destrutivo.

A FNC estima que aproximadamente 84% da área plantada de café na Colômbia já compreende variedades de café resistentes a doenças, embora o grupo esteja lembrando aos cafeicultores que resistência não é o mesmo que imunidade.

“O fungo Hemileia vastatrix que causa a ferrugem, como qualquer outro microrganismo vivo em ambientes adversos e diversos, pode mudar e sofrer mutações tanto em variedades suscetíveis quanto resistentes de café, seu único hospedeiro”, disse Carlos Ariel Ángel, pesquisador da Disciplina de Fitopatologia do Cenicafé, em um anúncio da FNC. “Essa pressão de seleção e reação é um processo biológico dinâmico normal do fungo, tentando se adaptar para sobreviver. Portanto, pouco mais de 50 corridas foram identificadas no mundo e as variantes continuam sendo identificadas em diferentes países”, completou.

Dada a prevalência de novas raças e variantes, a FNC está encorajando os produtores a plantarem ou replantarem variedades comprovadamente resistentes a doenças, como Castillo, Cenicafé 1, Castillo zonales ou Tabi - todos os quais, não por coincidência, foram desenvolvidos e disseminados em diferentes momentos pela FNC e Cenicafé.

O grupo está caracterizando a seleção de variedades resistentes a doenças como uma defesa de linha de frente para prevenir a propagação da ferrugem da folha - antes da aplicação de fungicidas - que tem causado um impacto devastador em plantações em toda a Colômbia e praticamente toda a América Latina desde 2012, quando começou a pandemia de ferrugem da folha.

Se não for controlada, a doença destrói cerca de 30% a 80% das safras de café, de acordo com estimativas da FNC. A ferrugem da folha foi descoberta recentemente pela primeira vez no Havaí e, apesar dos grandes avanços em pesquisa e adaptação de variedades na última década, o fungo continua representando uma ameaça direta aos meios de subsistência dos agricultores e aos suprimentos de café arábica.

As informações são do Daily Coffee News / Tradução Juliana Santin

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint