ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Música, café e turismo: Conheça a produção da Cafezal em Flor

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 04/06/2021

6 MIN DE LEITURA

0
0

Meu cafezal em flor, quanta flor meu cafezal; Meu cafezal em flor, quanta flor meu cafezal; Ai menina, meu amor, minha flor do cafezal... esse é o trecho da música Flor do Cafezal, de Luiz Carlos Paraná, lançada em 1967, que, na voz de Inezita Barroso, foi a inspiração para o nome da Pousada Cafezal em Flor. 


Foto: Agência Ophelia

Por causa da pandemia de Covid-19, nossa última viagem a uma fazenda havia sido no comecinho de fevereiro, à Barra do Choça, na Bahia. Já estávamos tristes por não poder acompanhar as produções de todo o Brasil neste ano. 

O mês de outubro chegou e com ele a notícia de que São Paulo, segundo o governo, estava na fase verde, e as coisas começaram a ser liberadas. Foi aí que recebemos o convite da organização do Global Coffee Festival para produzir um vídeo sobre uma produção cafeeira próxima à capital. Logo pensamos na Pousada Cafezal em Flor, que tem como ponto forte o turismo alinhado com o café, para que o público internacional pudesse conhecer. Aqui trazemos um pouquinho do que vimos por lá! 

Estrutura

A Cafezal em Flor fica na Serra da Mantiqueira, no Circuito das Águas Paulista, em Monte Alegre do Sul, a mais ou menos duas horas de São Paulo, e conta com chalés que levam os nomes das variedades do grão, além de apresentar o funcionamento da produção, ou seja, é uma oportunidade de conhecer cada etapa por que o café passa e se hospedar, o que eles chamam de agroturismo. 

Quem nos recepcionou nessa jornada foi o arquiteto Mateus Poli Bichara e sua mãe, Marcia Regina Poli Bichara, que é uma das precursoras desse projeto, ao lado do seu marido, Tuffi Bichara. A história começou há vinte anos. “Foi um sonho dos meus pais essa ideia de agroturismo. Minha mãe é formada em História e meu pai é da área de Agronomia. Eles juntaram o amor dos dois até surgir este lugar”, exclama Mateus. 


Mateus Poli Bichara é arquiteto e une a paixão da profissão com o turismo e a produção cafeeira - Foto: Agência Ophelia

“Eu sou historiadora, sempre gostei da história do café. Meu marido é especialista em produção de alimentos e se apaixonou pelo cultivo do grão. Sonhamos com o lugar, em que as pessoas pudessem acompanhar a produção, e assim começamos o projeto”, explica Marcia. 

Ela conta que, quando chegaram ali, havia um cafezal muito antigo e um terreno cheio de pedras que muitos desvalorizavam. “Nós enxergamos este lugar, com uma vista linda para o Rio Tamanducaia, como uma possibilidade de manter a tradição arquitetônica da região, com o uso de pedra, construção com material recuperado, seguindo o estilo de uma casa de colônia, de chalezinho, com pintura a cal e também com uma produção de café que não fosse aquela convencional.” 

“Na época, muita gente achava estranho como trabalhávamos aqui, colhendo no pano, secando direitinho no terreiro, mexendo o café no terreiro. Então a gente já entrou no mundo do café com uma ideia de um café de melhor qualidade, que a gente nem chamava de especial e sim de café gourmet”, comenta Marcia.

A professora de História conta que existem registros de café produzido no Circuito das Águas Paulista desde a primeira metade do século XIX, e um documento que comprova que no local já havia cafezal, em 1840.


"Nós sonhamos com este lugar, em que as pessoas pudessem acompanhar a produção de café", conta Marcia Bichara - Foto: Agência Ophelia

A propriedade conta com 20 mil pés de café e, em 2005, o café já despontou ganhando como um dos melhores do estado de São Paulo, e ficou em oitavo lugar em 2015 no Coffee of the Year, concurso realizado na Semana Internacional do Café (SIC). 

Em relação à pousada temática, a família buscou um arquiteto que deu a ideia de fazer algo diferente e preservar a parte ecológica. Nenhuma árvore foi derrubada, as madeiras foram recuperadas. “Seguimos o modelo arquitetônico procurando a sensação de ruralidade para o lugar e ensinando ao visitante que é possível viver com menos, ter as coisas sem derrubar floresta, sem queimar mato, apenas recuperando o que já existe”, relata Marcia.  

Caminho

Os chalés estão propositalmente localizados próximos aos pés de café, assim o visitante tem a oportunidade de se hospedar, conhecer cada detalhe da produção e, como diz Mateus, entrar no clima. “Esse contato com o fruto é muito revelador, porque a pessoa sente na pele a dificuldade de puxar, de tirar o grão do pé”, completa. 

As visitas são guiadas e, na época da colheita, os hóspedes participam do processo. “É bem interativo e informativo, as pessoas têm uma pincelada geral, do cafezal à xícara”, conta Mateus. Ali eles fazem também a parte da torra do café.


Foto: Agência Ophelia

O local tem cinco variedades de café arábica e, para chegar a elas, a Cafezal em Flor recebeu acompanhamento agronômico da Cooxupé. Mateus conta que, desde o início, seu pai buscou apoio e procurou entender sobre qual espaçamento seria o melhor para o local, onde plantar cada variedade, como otimizar o terreiro. Assim, foram investindo na produção. 

“Meu marido buscou uma produção de qualidade desde o começo, investindo em terreiro e maquinário. A pousada é pequena, fomos investindo aos poucos”, explica Marcia. Segundo ela, a terra local é muito boa, o clima ajuda na produção. “Quem toma nosso café percebe algo diferente, próprio da região, uma suavidade maior, acidez málica, frutas amarelas”, completa. 

Todo o processo, segundo Marcia, busca perceber o que é necessário melhorar na xícara. “Conseguimos mostrar tudo isso a quem visita a gente. Mostramos o pé de café, o grão, e depois como ele se apresenta na xícara. Assim o consumidor passa a ter uma proximidade com o produtor e entender cada vez mais o que está tomando, ele sabe de onde vem a explosão de sabores”, completa. 

Marcia explica que antigamente o consumidor reclamava muito do preço do café, e isso acontecia justamente por ele não saber como é o processo. “Temos que tirar todas as sujeiras, defeitos, até chegarmos a uma xícara limpa. Tudo isso tem um custo alto e hoje o consumidor valoriza muito mais o que o produtor faz. Nós, como promotores do turismo do café, conseguimos cada vez mais nos aproximar do consumidor para que ele entenda quão trabalhoso é. Um trabalho do ano inteiro.” 

Para a produtora e historiadora, é muito desanimador fazer um trabalho durante o ano todo e não ter o reconhecimento. Com a pousada isso mudou e a possibilidade de o produtor ser cada vez mais reconhecido aumentou. 


Foto: Agência Ophelia

Experimentos

A Semana Internacional do Café (SIC) ajudou muito a família a, inclusive, degustar o próprio café. Marcia lembra que, quando inscreveu o café no COY, uma moça falou que sentiu o sabor de frutas amarelas, damasco. “Fiquei pensando: como assim? E começamos a estudar. O Instituto Agronômico (IAC) é pertinho daqui, então pudemos contar com muita pesquisa. É importante que o produtor saiba o que está produzindo, conheça o seu café para, assim, consertar os defeitos”, completa Marcia. 

A família aposta hoje no café fermentado. Inspirados também na SIC, eles começaram a acompanhar os cursos para entender o processo. “Durante um evento de colheita, pegamos os grãos cerejas e colocamos em um tambor com válvula de ar e adicionamos a levedura da cachaça premiada aqui da região, do Neno Campanari, e passamos a anotar as quantidades, variáveis e aprimorar a receita. O café leva o nome de Marvada, remetendo à moda Marvada Pinga (que também fez sucesso na voz de Inezita Barroso)”, explica Mateus. 

Café na vida 

Mateus harmoniza bem o lado arquiteto com o do café e acredita que o consumidor tem buscado hoje entender mais sobre o processo. “Cada vez mais eles querem saber como é produzido o alimento.” 

Marcia se emociona ao falar sobre o café. “Ele abre muitas portas, tanto para mim, como produtora, quanto para pessoas que possam receber conhecimento e aprender mais sobre esse mundo maravilhoso.” 

(Texto originalmente publicado na edição impressa da Revista Espresso referente aos meses dezembro, janeiro e fevereiro de 2021– única publicação brasileira especializada em café. Receba em casa. Para saber como assinar, clique aqui).

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint