FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Mês de julho encerra com recorde nas exportações do café brasileiro

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 12/08/2020

3 MIN DE LEITURA

0
0

O Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé) divulga mensalmente um relatório sobre as exportações do café. No mês de julho, foram registradas 3 milhões de sacas de café exportadas, somando verde, solúvel e torrado & moído. O volume é considerado um recorde histórico para o mês, mesmo em tempos de pandemia de Covid-19 (coronavírus).

A receita cambial gerada pelos embarques foi de US$ 356,8 milhões, equivalente a R$ 1,9 bilhão, o que representa um aumento de 22,3% em reais em relação ao mesmo período de 2019. Já o preço médio da saca de café foi de US$ 117,4.

Em relação às variedades embarcadas no mês, o café arábica correspondeu a 74,4% do volume total das exportações, equivalente a 2,3 milhões de sacas. O canéfora (conilon e robusta) atingiu a participação de 14,7%, com o embarque de 446,4 mil sacas. Já o solúvel representou 10,9% das exportações, com 331,8 mil sacas exportadas.

"Os volumes de exportação registrados em julho mostram que iniciamos bem o ano cafeeiro, com uma boa entrada do café brasileiro no mercado e bons resultados em reais. Apesar do cenário de crise gerado pela pandemia, os resultados indicam que o agronegócio café irá se consolidar nos próximos meses com qualidade e sustentabilidade e, principalmente, tomando os cuidados necessários em relação aos protocolos privados, desde a colheita, passando pelos armazéns, transporte e chegando com segurança ao consumidor. Temos informações dos Estados produtores de que a colheita está em um ritmo muito bom, tanto em volume quanto em qualidade, o que sinaliza uma boa performance para o ano cafeeiro”, relata Nelson Carvalhaes, presidente do Cecafé.

De janeiro a julho

Neste período, considerado o ano civil, as exportações de café atingiram 22,9 milhões de sacas. Neste caso, o Cecafé explica que o volume exportado também representa o segundo recorde histórico de exportações brasileiras de café para o mundo no período.

A receita cambial foi de US$ 3 bilhões, equivalente a R$ 14,7 bilhões, crescimento de 29% em reais em relação ao período anterior. Já o preço médio foi de US$ 128,9/saca, registrando alta de 3,2%.

Entre as variedades embarcadas de janeiro a julho, o café arábica representou 78,4% do volume total exportado, equivalente a 18 milhões de sacas, enquanto o canéfora atingiu 11,2%, com o embarque de 2,6 milhões de sacas, e o solúvel representou 10,3%, com 2,4 milhões de sacas. Entre as variedades, as exportações de canéfora se destacaram no período ao registrarem crescimento de 15% em relação a janeiro a julho de 2019.

Quem compra o café brasileiro?

Seguindo o relatório, entre janeiro e julho, os dez principais destinos de café brasileiro foram: Estados Unidos, que importaram 4,3 milhões de sacas de café (18,6% do total embarcado no período); Alemanha, com 3,9 milhões de sacas importadas (17,1% da participação total no período); Itália, com 1,8 milhão de sacas (8,1%); Bélgica, com 1,7 milhão (7,2%); Japão, com 1,2 milhão de sacas (5,1%); Federação Russa, com 755,8 mil sacas (3,3%); Turquia, com 736,4 mil sacas (3,2%); Espanha, com 568 mil sacas (2,5%); México, com 537,4 mil sacas (2,3%); e Canadá, com 482,5 mil sacas (2,1%).

Entre os principais destinos, o México e a Federação Russa registraram os maiores crescimentos no consumo de café brasileiro no ano civil, com aumento de 31,3% e 22,2%, respectivamente.

Cafés especiais

Foram 3,8 milhões de sacas de cafés com qualidade superior ou algum tipo de certificado de práticas sustentáveis exportados entre janeiro e julho. O volume, que foi o segundo maior embarcado para o período nos últimos cinco anos, corresponde a 16,6% do total de café exportado neste período.

A receita cambial gerada com a exportação dos cafés especiais foi de US$ 625,6 milhões, representando 21,1% do total gerado pelo Brasil em receita com as exportações no ano civil até agora.

Os principais destinos dos especiais foram: Estados Unidos, que importaram 660,7 mil sacas (17,3% do volume total); Alemanha, com 551,2 mil sacas (14,4%); Bélgica, com 486 mil sacas (12,7%); Japão, com 326 mil sacas (8,5%); Itália, com 271,6 mil sacas (7,1%); Espanha, com 176,4 mil sacas (4,6%); Reino Unido, com 140,7 mil sacas (3,7%); Suécia, com 127,6 mil sacas (3,3%); Canadá, com 112,5 mil sacas (2,9%); e Países Baixos, com 100,7 mil sacas (2,6%).

Portos

Santos segue na liderança da maior parte das exportações no ano civil de 2020, com 79,9% do volume total exportado a partir dele (equivalente a 18,3 milhões de sacas). Em segundo lugar estão os portos do Rio de Janeiro, com 12,6% dos embarques (2,9 milhões de sacas).

O relatório completo das exportações de café em julho de 2020 está disponível no site do Cecafé.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint