ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Eduardo Carvalhaes destaca que produtores devem acompanhar oscilações do mercado

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 15/09/2021

2 MIN DE LEITURA

0
0

A última terça-feira (14) encerrou com desvalorização nas cotações do café arábica nos principais contratos na Bolsa de Nova York (ICE Future US). Dezembro/2021 tinha queda de 135 pontos, valendo 185,45 cents/lbp; março/2022 teve queda de 135 pontos, cotado a 188,20 cents/lbp; e maio/2022 teve baixa de 130 pontos, valendo 189,35 cents/lbp.

Segundo o analista Eduardo Carvalhaes, os preços na Bolsa de Nova York (ICE Future US) não refletem a atual realidade do Brasil como maior produtor de café do mundo. Ainda na terça-feira, o Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé) divulgou que os embarques de agosto registraram queda de 25,2% em comparação com o mesmo período no ano passado e, ainda assim, as cotações finalizaram com desvalorização.

O cenário segue sendo de preços firmes para o café, considerando, principalmente, as condições do parque cafeeiro no Brasil, que sofre com secas e geadas, e já tem dado como certo a redução na produção do ano que vem, que na teoria voltaria a ser de ciclo alto para o país.

O setor cafeeiro aguarda pelo retorno das chuvas no início do mês que vem. Eduardo Carvalhaes destaca ainda que os problemas logísticos devem seguir impactando diretamente nas cotações. Com muitas variáveis e problemas no longo prazo, o analista afirma que apesar dos fundamentos sólidos, produtores e exportadores devem continuar observando esse cenário de incerteza para o mercado até, pelo menos, o final deste ano.

Na Bolsa de Londres, o canéfora encerrou com estabilidade. Novembro/2021 teve alta de US$ 6 por tonelada, valendo US$ 2063; janeiro/2022 teve valorização de US$ 5 por tonelada, valendo US$ 2047; março/2021 subiu US$ 1 por tonelada, valendo US$ 1994; e maio/2022 encerrou valendo US$ 1973, sem variações.

De acordo com análise do site internacional Barchart, a falta de contêineres para embarcar o café do Vietnã prejudicará as exportações no futuro próximo e os preços aumentam. Além disso, as infecções por covid-19 no Vietnã levou o primeiro-ministro a aumentar as restrições à pandemia e enviar soldados para as ruas da cidade de Ho Chi Minh e de outras províncias vizinhas para impor restrições à pandemia que exigem que as pessoas não saiam de casa.

Já na manhã desta quarta-feira (15), o mercado futuro do café arábica voltou a subir. Esse é o primeiro pregão na semana que o café abre com valorização no mercado futuro. No Brasil, com as baixas em Nova York, o cenário tem sido de calmaria no mercado físico.

Por volta das 08h27 (horário de Brasília), dezembro/2021 tinha alta de 140 pontos, negociado por 186,85 cents/lbp; março/2022 tinha alta de 130 pontos, cotado a 189,50 cents/lbp; maio/2022 tinha alta de 125 pontos, valendo 190,60 cents/lbp; e julho/2022 tinha alta de 115 pontos, valendo 191,30 cents/lbp.

Na Bolsa de Londres, o canéfora também opera com valorização. Novembro/2021 tinha alta de US$ 13 por tonelada, valendo US$ 2076; janeiro/2022 tinha alta de US$ 13 por tonelada, valendo US$ 2060; março/2022 tinha alta de US$ 10 por tonelada, valendo US$ 2004; e maio/2022 tinha valorização de US$ 11 por tonelada, cotado a US$ 1984.

As informações são do Notícias Agrícolas.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint