FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Cultivo de café sombreado: Incaper apresenta resultados de pesquisa através de vídeos

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 12/01/2021

5 MIN DE LEITURA

0
0

O Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) apresentará os resultados da pesquisa sobre cultivo de café sombreado através de uma série de quatro vídeos. A pesquisa foi desenvolvida pelo Incaper e por parceiros que compõem a Rede de Estudos Ambientais e Socioeconômicos em Sistemas de Produção Agroecológicos.

Os estudos foram realizados ao longo de três anos na Fazenda Experimental de Bananal do Norte, do Incaper, em Cachoeiro de Itapemirim. A pesquisa consistiu na avaliação de diversos aspectos da plantação de café consorciada com gliricídia, banana, ingá e pupunha, sendo composta por quatro projetos que avaliaram: a dinâmica da água; a produtividade e análise econômica; análise de qualidade; e as árvores com potencial econômico. A comparação do cultivo de café sombreado foi feita entre as quatro culturas e o café sozinho, plantado a pleno sol de modo tradicional.

A pesquisa foi realizada em rede, com parceria entre o Incaper, a Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), o Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) e a Universidade Vila Velha (UVV), com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes) e da Secretaria da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag), por meio do Edital Fapes/Seag PPE Agro 06/2015.

O principal objetivo da divulgação dos resultados pelos vídeos é simplificar a linguagem técnico-científica, principalmente para o cafeicultor, de acordo com a pesquisadora do Incaper e coordenadora de um dos projetos da pesquisa, Penha Padovan. “A equipe da pesquisa avaliou que as informações integradas dos quatro projetos seriam de maior utilidade para o público em geral pelo formato em vídeo, especialmente, para os agricultores interessados na adoção do sistema agroflorestal”, frisou.

O biólogo do Incaper e responsável pela produção dos vídeos, Almir Bressan, destacou que um dos principais objetivos é divulgar os resultados, de maneira que o conteúdo chegue ao cafeicultor com uma linguagem acessível. “Era um desafio para nós divulgar o resultado de uma pesquisa ao público final que são os agricultores. Por isso, pensamos em estratégias para apresentar o conteúdo científico de maneira simplificada e objetiva. Encontramos nos vídeos essa solução que pode ser compartilhada nos canais digitais com maior facilidade”, explicou.

O primeiro vídeo da série trata da dinâmica da água em café sombreado, seguido pelo resultado sobre a produtividade e análise econômica do sistema agroflorestal. O terceiro vídeo aborda a qualidade do café cultivado com as culturas em análise. A série é finalizada com o vídeo que destaca a potencialidade econômica das árvores utilizadas no sombreamento do café.

Dinâmica da água

Em cafés cultivados com árvores, a dinâmica da água é influenciada tanto pelos cafeeiros quanto pelas outras culturas. Os estudos das condições ambientais em sistemas agroflorestais estimaram a quantidade de chuva interceptada pela copa das árvores de gliricídia, ingá e bananeira, utilizadas no sombreamento do café.

Foram identificados diferentes aspectos relacionados à distribuição da água da chuva, de acordo com as espécies de árvores, conforme descreveu Penha Padovan, que é doutora em Sistemas Agroflorestais. “A pesquisa mostrou que a arquitetura das plantas, as características das folhas e o manejo podem influenciar nos sistemas de sombreamento do café. Vimos que a água da chuva pode tomar diferentes caminhos e o que queremos é diminuir as perdas nesse processo, deixando mais água disponível para o café”, explicou.

De acordo com o pesquisador do Incaper, Renato Taques, o estudo comparativo do teor de umidade do solo no sistema de café sombreado com as árvores de gliricídia, bananeira, ingá e a pleno sol demonstrou uma diferença significativa entre os cultivos.

“Observamos que o teor de umidade varia de acordo com a espécie utilizada no sombreamento. No estudo, a gliricídia apresentou a maior conservação de água no solo, seguida do ingá e da banana. A pesquisa indica também que o café sombreado pode conservar mais água no solo. Em uma situação de estiagem, o desempenho do café sombreado seria melhor do que o café em pleno sol, uma vez que o teor de umidade do solo é um fator fundamental para a qualidade e produtividade do café”, afirmou Renato Taques.

A pesquisa avaliou a produtividade e analisou economicamente o cultivo agroflorestal dos cafés sombreados com gliricídia, banana, ingá e pupunha. Foi indicado que a produtividade do café pode ser influenciada pela espécie de árvore utilizada no sombreamento, como explicou o coordenador do projeto e pesquisador do Incaper, João Araújo.

“Os cafés com bananeira e gliricídia não se diferenciam do café solteiro e apresentaram produtividades iguais. Já o café com pupunha e com ingá produziram 32% a mais que o café solteiro, indicando que a pupunha e a árvore de ingá são plantas companheiras para o café nessa situação de cultivo do cafeeiro conilon não irrigado”, descreveu João.

O cultivo de café sombreado ajuda a diversificar a produção nas propriedades agrícolas. Além disso, as sombras das árvores associadas a café ajudam a diminuir o mato nas entrelinhas, reduzindo a necessidade de mão de obra para capina e minimizando, assim, os custos de produção. Outro ponto relevante destacado na pesquisa é que as sombras das árvores oferecem maior conforto térmico para o produtor rural.

Análise de qualidade

Um dos projetos da pesquisa, coordenado pelo professor do Ifes, Wanderson Romão, realizou a análise da qualidade do café cultivado a pleno sol, comparado ao cultivo sombreado. A pesquisa utilizou equipamentos de ponta para análise dos cafés, cujos resultados foram comparados com a metodologia de análise sensorial padrão, realizada por degustadores de café.

As amostras de café consorciadas com gliricídia obtiveram as notas mais elevadas e os melhores resultados. Todas as amostras foram caracterizadas quimicamente pelas técnicas analíticas utilizadas. Os cafés cultivados a pleno sol, de modo tradicional, foram os que obtiveram as menores notas de qualidade. A incidência direta da radiação solar faz com que haja uma maior temperatura no ambiente, o que afeta tanto a maturação quanto a frutificação dos grãos, além da qualidade.

Árvores com potencial econômico

As culturas associadas no plantio de café sombreado podem contribuir economicamente, gerando uma alternativa de renda para o agricultor, como indicou um dos projetos da pesquisa. O cultivo de café sombreado também apresenta uma alternativa para diminuir as perdas na produção em tempos de secas prolongadas e altas temperaturas.

A produção de café consorciada gera madeira, frutos, óleos, resinas e outros produtos que oferecem maior valor agregado e podem ser comercializados. A pesquisa sobre espécies arbóreas para composição de café sombreado, coordenada pela professora da UVV, Denise Endringer, avaliou, ainda, a gliricídia como fonte de produtos bioativos, que podem ser utilizados na composição de cosméticos.

A série de vídeos sobre café sombreado será divulgada ao longo do mês de janeiro e fevereiro nos canais do Incaper no Instagram, Facebook e YouTube.

As informações são da Assessoria de Comunicação do Incaper.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint