ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Acordo Internacional do Café 2022 abraça participação do setor privado

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 14/06/2022

2 MIN DE LEITURA

0
0

A Organização Internacional do Café (OIC) anunciou o histórico Acordo Internacional do Café 2022. Estabelecido pela primeira vez para regular as cotas de exportação de café em 1962, a fim de ajudar a estabilizar os preços globais do café, o Acordo Internacional do Café tem sido historicamente um acordo multilateral entre governos que representam países produtores e consumidores de café.

Embora a participação do governo permaneça central para o novo acordo, a iteração de 2022, pela primeira vez, dá as boas-vindas ao setor privado – incluindo o que a OIC descreveu como “os maiores varejistas, torrefadores e fabricantes do mundo” – como membros afiliados iguais.

A nova diretora-executiva da OIC, a brasileira Vanusia Nogueira, sugeriu que o acordo facilitará uma “frente mais unificada” para abordar a ampla gama de questões enfrentadas pelo setor cafeeiro global. “Estamos entrando em uma nova era de cooperação com o setor privado graças ao histórico Acordo Internacional do Café 2022”, disse Nogueira em um anúncio da OIC hoje. “A chegada dos maiores nomes e fabricantes de rua do mundo, bem como pequenos produtores, significa que toda a cadeia de valor do café pode agora enfrentar os maiores desafios que o setor global enfrenta de maneira justa para todos”, disse.

O novo mandato do acordo para absorver a participação do setor privado ocorre em um momento em que, apesar das amplas reivindicações de sustentabilidade econômica e social entre a maioria das maiores empresas de café do setor privado do mundo, a pobreza, a insegurança alimentar, a degradação ambiental e uma série de outros fatores continuam afetando cafeicultores de todo o mundo.

Também ocorre, aproximadamente, uma década após o relatório da própria OIC sobre tendências macroeconômicas no período de livre mercado que começou em 1989, quando as cotas de exportação não faziam mais parte do Acordo Internacional do Café. O período de mercado, que continua até hoje e é impulsionado principalmente por atores privados, tem sido caracterizado por extrema volatilidade de preços, preços FOB baixos sustentados em geral e repetidos choques de preços para os produtores de café ao longo das décadas.

De acordo com a edição de 2020 do Barômetro do Café, quase metade do café mundial é exportado por apenas cinco empresas, enquanto as 10 empresas que torraram aproximadamente 35% do café mundial geraram receita de aproximadamente US$ 55 bilhões em 2019. Enquanto isso, os países produtores recebem menos de 10% desse valor na exportação, de acordo com o documento, com uma porcentagem muito menor indo para os cerca de 12,5 milhões de pequenos agricultores do mundo.

O novo Acordo Internacional do Café segue o trabalho da “Força-Tarefa Público-Privada” previamente estabelecida da OIC, que delineou uma “visão compartilhada” e um “roteiro” pré-competitivos em meio à mais recente crise de preços de 2018-19.

No anúncio de hoje, Nogueira afirmou: “O novo Acordo é um instrumento eficaz para abrir caminho para uma frente mais unificada, estabelecendo um consenso e uma visão compartilhada sobre a melhor forma de implementar e promover as ações dos governos e do setor privado, além de envolver todos os principais instituições relacionadas ao café, ONGs, instituições internacionais e financeiras, além de outros parceiros de desenvolvimento, órgãos de pesquisa e academia”.

Atualmente, os governos membros do Acordo Internacional do Café representam 93% da produção mundial de café e 63% do consumo mundial.

Mudanças notáveis nos membros do governo nos últimos anos foram a retirada dos Estados Unidos em 2018, seguindo a agenda “America First” do governo Trump, a retirada de 2020 do principal produtor da América Central, Guatemala, e a retirada de 2022 do principal produtor da África Oriental, Uganda.

As informações são do Daily Coffee News / Tradução Juliana Santin

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint