ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
FAÇA SEU LOGIN E ACESSE CONTEÚDOS EXCLUSIVOS

Acesso a matérias, novidades por newsletter, interação com as notícias e muito mais.

ENTRAR SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Resistência à ferrugem também é importante em cafeeiros robustas

POR JOSÉ BRAZ MATIELLO

FOLHA PROCAFÉ

EM 05/05/2022

3 MIN DE LEITURA

0
0

O desenvolvimento de variedades clonais com resistência à ferrugem em cafeeiros robusta/conilon deve ter maior importância, da mesma forma como tem tido os trabalhos realizados para cafeeiros arábica. 

A ferrugem é a principal doença do cafeeiro devido às elevadas perdas que causa na produtividade das lavouras e pela sua ampla distribuição no parque cafeeiro, ocorrendo em todas as regiões e propriedades. O controle da doença pode ser feito através do uso de fungicidas (controle químico) ou mediante o uso de variedades resistentes (controle genético). 

No melhoramento genético do cafeeiro, buscando variedades resistentes à ferrugem, as pesquisas focaram a incorporação da resistência em cafeeiros arábica, muitas vezes usando fontes do próprio robusta, de Coffea canephora. Assim foi ao longo de muitos anos, nos trabalhos a nível do CIFC-Portugal e no Brasil, tendo como exemplo os materiais oriundos de catimores, sarchimores e icatus. Esse direcionamento se deveu, em parte, pela maior participação de variedades arábicas no parque cafeeiro. Em outra parte, porque as variedades de café robusta/conilon se mostravam, inicialmente, menos afetadas pela ferrugem. 

Na cafeicultura brasileira, voltada ao café robusta, a variedade amplamente dominante é a conilon. Só ultimamente estão sendo plantados clones da variedade robusta. A variedade conilon é considerada como pertencente ao grupo fisiológico e é susceptível à grande maioria das raças de ferrugem. No entanto, desde a década de 1970, os técnicos do ex-IBC verificaram que os cafeeiros conilon possuem diferentes níveis de resistência nas plantas das lavouras. Existem plantas bem susceptíveis e, em menor escala, plantas tolerantes, onde a infecção pela ferrugem se mantém baixa, e ainda se observa um número bem pequeno de plantas que se mostram imunes à doença. 

Com o desenvolvimento da tecnologia de mudas clonais de cafeeiros robusta, a partir dos trabalhos pioneiros realizados na Fazenda Experimental de Marilandia (ES) no início da década de 1980, por técnicos do IBC da época, ficou mais fácil multiplicar plantas de conilon resistentes selecionadas nas lavouras. Como na variedade robusta existem mais exemplos de resistência à ferrugem, o ideal é também aproveitar híbridos entre conilon e robusta para compor clones resistentes e, ao mesmo tempo, com boas características agronômicas. O uso de clones de robustas puros traz as desvantagens de menor rendimento nos frutos, na relação café coco/beneficiado, pelo fato dos frutos de robusta apresentarem mais mucilagem e, ainda, a menor tolerância à seca observada nos robustas, em relação ao conilon. 

Os clones de robusta-conilon disponíveis comercialmente, seja os desenvolvidos por Instituições de Pesquisa, seja os de origem privada (de produtores ou viveiristas), em sua quase totalidade, não focaram em resistência à ferrugem. A seleção se baseou em produtividade, maturação dos frutos, tamanho de grãos, etc. A Fundação Procafé, com base no trabalho de Técnicos do ex-IBC, lançou e registrou uma variedade clonal com alta resistência à doença. Essa variedade recebeu o nome e foi registrada no MAPA como Colatina PR6, sendo composta de 6 sub-clones oriundos de plantas matrizes imunes à ferrugem. 

A necessidade de disponibilizar clones de robusta-conilon resistentes à ferrugem se deve a que a ferrugem tem se mostrado, ultimamente, mais prejudicial nessas variedades de cafeeiros, devido a - espaçamentos mais adensados nas novas plantações e condução de várias hastes/planta; o uso de irrigação; e uma maior produtividade das lavouras - todos fatores que facilitam o ataque da doença. Além disso, o controle químico é dificultado, pois como as lavouras fecham rapidamente, fica difícil pulverizar. Por sua vez, o tratamento exclusivo com produtos via solo, de uso mais fácil, tem tido pouca eficiência.  


Infecção pela ferrugem em folhas de cafeeiro arábica (esq.) e de robusta/conilon (dir.)


Em lavouras de conilon por semente, cafeeiros com diferentes níveis de resistência à ferrugem. À esquerda, planta completamente resistente ao lado de planta suscetível, podendo-se ver também, na foto à direita, o detalhe da infecção nas poucas folhas que restaram na planta suscetível


Detalhe dos ramos de planta conilon suscetível (esq.) e de ramos de matriz resistente, selecionada para clonagem (dir.)


Contraste entre ramos de plantas de conilon, com e sem resistência à ferrugem


Na foto da esquerda, pode-se observar uma linha da variedade clonal Colatina PR6 (dir.) ao lado de uma linha do clone 2, este bem suscetível à ferrugem. Na foto da direita, a boa produtividade e a sanidade da folhagem do clone Colatina PR6

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint