ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Maior tolerância ao frio em cafeeiros da cultivar araraçu

POR JOSÉ BRAZ MATIELLO

FOLHA PROCAFÉ

EM 30/09/2021

3 MIN DE LEITURA

0
0

Observações de campo efetuadas em diversas áreas de cafeeiros atingidos pelas geadas recentes mostram que plantas da cultivar araraçu foram mais tolerantes ao efeito do frio.

As geadas que ocorreram nas regiões cafeeiras neste inverno de 2021, especialmente a do final de julho, causaram danos graves, com queimas nas plantas de café, pelo efeito das baixas temperaturas registradas. Esse fenômeno climático adverso aconteceu principalmente no modo de geada típica ou de irradiação, assim sendo mais severo nas partes baixas dos terrenos e, também, em cafeeiros mais jovens.

Na região Sul de Minas, principal área cafeeira do País, a geada foi bem ampla e atingiu um grande número de lavouras de diversas idades e variedades, incluindo as tradicionais – mundo novo e catuaí – e outras introduzidas mais recentemente. Isso trouxe a oportunidade da observação do efeito do frio em diferentes materiais genéticos de cafeeiros. Nessa verificação sobre o comportamento de diversas cultivares, ficou bastante evidente um desempenho superior de plantas da cultivar araraçu, as quais sempre foram menos afetadas pelo frio, com esse comportamento constante em seis diferentes regiões onde lavouras foram avaliadas.

A cultivar araraçu foi desenvolvida pela Fundação Procafé. Ela se originou da segregação para porte (alto) dentro do material da cultivar arara, essa com plantas de porte baixo. As características de boa resistência à ferrugem, os frutos de cor amarela e de favas graúdas, além da produtividade, se mantiveram na araraçu de forma semelhante às da arara.

É conhecido que a influência da variedade, quanto ao efeito do frio, varia de forma ligeira devido ao porte das plantas e, provavelmente, pela arquitetura das plantas. Também os materiais mais sensíveis ao stress hídrico são mais tolerantes ao frio e, no mesmo sentido, uma adubação potássica adequada, de forma equilibrada, também tende a minimizar o efeito do frio, devido à maior concentração de sais na seiva das plantas.

No caso da cultivar araraçu, ainda não se conhece bem a razão de sua tolerância ao frio. Na questão do porte, apesar de serem plantas com a característica de porte alto, o fato da maioria das observações de tolerância ter ocorrido em plantas jovens, com menos de dois anos, indica que havia pouco diferencial de porte. As plantas, tanto da cultivar araraçu como as de outras cultivares mais atingidas pelo frio, por serem ainda jovens, vegetavam próximas ao solo, em altura bem semelhante entre elas. Também esse diferencial de dano foi observado mesmo em linhas de cafeeiros da cultivar araraçu localizadas um pouco abaixo, no terreno, em relação às linhas de outros materiais genéticos. Numa observação de tolerância em plantas mais velhas, de quatro anos de idade, mesmo nas suas partes baixas (saia), a queima por geada foi menor.

Outra característica que poderia estar relacionada à maior tolerância ao frio é a capacidade das plantas, por efeito direto ou indireto, de concentrarem mais a sua seiva em sais, principalmente em potássio. As análises foliares feitas com plantas do araraçu e outras vizinhas, de outras cultivares de porte baixo, mostraram que em nenhum dos nutrientes (macro e mico) foram observadas diferenças significativas. Pode, evidentemente, haver diferenças em substâncias orgânicas não analisadas.

Por fim, é necessário ponderar que, em condições onde houve danos leve e moderado pelo frio, as plantas de araraçu sempre se mostraram menos afetadas, portanto, mais tolerantes, embora ainda não se conheça a razão desse comportamento. As ilustrações em seguida mostram esse diferencial de dano. Essa tolerância, no entanto, não é absoluta, sendo que em áreas muito baixas de terrenos, onde as temperaturas do ar podem chegar a níveis também muito baixos, elas podem ser afetadas. Ficam, então, as observações aqui expostas, demandando novas verificações e estudos para melhor compreensão dessa tolerância.


Observações de maior tolerância em plantas jovens da cultivar araraçu, que aparecem com folhagem verde, junto a outras plantas afetadas. Poços de Caldas (MG), a cerca de 1400 m altitude


Pode-se ver o detalhe de planta de araraçu sem queima por geada, no meio de lavoura afetada - São Gonçalo do Sapucaí (MG)


À esquerda, linha de cafeeiros de cultivar atingido por geada. Mais no fundo, pedaço de linha de plantas da cultivar araraçu bem verdes, apesar de estarem em situação mais baixa no terreno. À direita de talhe da linha de cafeeiros araraçu – Varginha (MG), ago/21 ???????

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint