ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

É viável a colheita mecanizada de cafezais de 1ª safra

POR JOSÉ BRAZ MATIELLO

FOLHA PROCAFÉ

EM 02/08/2021

4 MIN DE LEITURA

0
0

As lavouras de café de 1ª safra oferecem algumas dificuldades para a colheita mecanizada, porém, com adaptações, pode ser bem viável.

Muitos produtores tem evitado colher mecanicamente os cafeeiros na 1ª safra. Essa preocupação até certo ponto procede, pois os cafeeiros, ainda novos, ficam mais sujeitos aos danos nos ponteiros, onde existe uma grande área de ramos em crescimento, aptos para produzirem no ano seguinte. Também existe a ponderação de que a colheita manual, nesses cafeeiros de porte pequeno, é fácil e tem bom rendimento.

As características dos cafeeiros de 1ª safra que dificultam a colheita mecanizada são, principalmente: a produção de frutos se dá na parte dos ramos bem perto do tronco, onde as varetas tem dificuldade de alcançar; os ramos produtivos se encontram bem rente ao chão e a plataforma da esteira da máquina fica mais alta; e esses ramos baixos dificultam o fechamento dos gomos da esteira recolhedora. Nesse aspecto, cafeeiros de variedades de porte alto se adaptam melhor à colheita mecanizada em sua safra inicial.

O grande número de lavouras renovadas, em extensas áreas, requer a viabilização da colheita mecanizada também na safra inicial dos cafeeiros. Para isso, duas alternativas se apresentam: a primeira é utilizar máquina mais adequada, como a TDI mini, e a segunda é o uso de máquinas maiores, porém adaptadas para esse tipo de colheita. As duas principais adaptações realizadas consistem no rebaixamento da máquina e a colocação de hastes mais longas, e, ainda, deve-se retirar hastes mais altas, deixando somente aquelas que coincidem na altura correspondente àquela dos ramos produtivos das lavouras novas. Como as hastes longas causam danos severos ao tronco ainda tenro das plantas jovens, surgiu um terceiro tipo de adaptação, constando da colocação de mangueiras plásticas ou pontas protetora emborrachadas na ponta das hastes, para maior alcance dos frutos que ficam junto ao tronco e para menores danos ao tronco. Testes feitos mostraram um acréscimo de 17% para o uso dos extensores, com seu maior efeito nas colhedeiras convencionais (Santinato F. et alli, In- Anais do 41º CBPC, Fund. Procafé, 2015, p. 93). Atualmente, existem no mercado protetores de ponteiras das varetas, de silicone e de borracha, como os da figura 1.

Outras indicações com vistas a tornar mais eficiente a colheita mecânica de cafeeiros de primeira safra, nos quais os frutos são mais “agarrados” e as plantas ainda não apresentam uma massa suficiente para fazer atrito e segurar os rolos derriçadores, são as seguintes: usar rolos com mais varetas e apertar o freio, com a regulagem em cerca de 7-10 Kgf; a máquina deve ter possibilidade de abrir ou fechar a distância entre rolos; e, como já citado anteriormente, a máquina deve ter boa capacidade de rebaixamento, pois boa parte dos frutos se encontra nos ramos da parte baixa das plantas, da saia. Por essa última razão, no caso de colheita em áreas mais declivosas, é preciso avaliar se vale a pena, pois, ao nivelar a máquina, ela vai colher apenas pequena porção, a mais alta da planta. Por fim, destaca-se que, mesmo que restem frutos de café na passada da máquina, ainda assim compensa, pois o repasse, manual fica bem rápido.

Nas Fazendas Sertãozinho, em Botelhos, Sul de MG, nesses dois últimos anos vem sendo colhidos diversos talhões de cafeeiros nas primeiras safras. Na figura 2 podem ser observadas as imagens referentes à colheita recente (julho/21) de uma área com cafeeiros catuaí 62. A colhedeira usada foi a Matão compacta, tracionada, operando a velocidades entre 0,7 a 1,2 km/h, vibrações de 900 ciclos/min. e freio de 7 kgf. Pode ser vista a retirada dos colares com varetas centrais, correspondentes à parte alta dos cafeeiros, onde os ramos laterais, mais novos, ainda não produziram frutos, assim, evitando injurias neles. Este procedimento deve ser adotado, inclusive, em lavouras pouco mais velhas, porém ainda nas primeiras safras, onde a área de ramos laterais superiores (mais junto ao ponteiro) é maior e precisa ser preservada. A parcela de frutos remanescente nas plantas, em boa parte composta por frutos ainda verdes, será colhida, por repasse manual, após um período necessário para completa maturação. Na mesma ocasião serão recolhidos aqueles frutos caídos no chão.

Na figura 3 pode ser observada a colheita de primeira safra em um talhão de cafeeiro mundo novo, usando a colhedeira da Maqreis.


Figura 1 – Pontas de varetas de colhedeira protegidas por ponteiras de silicone ou borracha dura. Elas reduzem danos sobre o tronco e ramos de cafeeiros na colheita de pés mais novos, especialmente na 1ª safra


Figura 2 - Colhedeira mecânica de arrasto, adaptada com pontas das hastes protegidas e com a retirada dos colares de varetas, situados em posição intermediária, deixando aquelas coincidindo na altura dos ramos com frutos, evitando danos na parte alta de cafeeiros jovens. Lavoura de catuaí A 62, Fazendas Sertãozinho – Botelhos (MG), julho/21


Figura 3 – Colhendo cafeeiros da cultivar MN 376-4, na 1ª safra, com a colhedeira elétrica tracionada da Maqreis - Eloy Mendes, Sul de MG

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint