ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Pesquisadores de Moçambique visitam fazendas de café no ES

PRODUÇÃO

EM 11/12/2017

1
0
Da redação

Com a intenção de aprender técnicas de produção de café, pesquisadores de Moçambique e Portugal visitaram fazendas do Espírito Santo. A iniciativa é uma parceria do governo de Moçambique com a Universidade de Lisboa e a Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e visa reflorestar áreas e proporcionar ganho econômico aos países. 

Foto: Ivan Padovani/Café Editora
                                   Foto: Ivan Padovani/Café Editora

De acordo com o pesquisador de Moçambique, Sional Moiane, como não é produzido café em sua região e não tem nenhuma instituição que trabalha com o grão, ele veio ao Brasil ganhar experiência, já que o país é potente na produção. "Estamos com um projeto piloto de produção de café em Moçambique. Então, precisamos aprender o que é a produção, desde a semente até o processamento. Estamos aqui para ver se podemos introduzir os ensinamentos no nosso parque", disse.
Segundo o professor da Ufes, Fábio Partelli, a parceria entre os países envolve tanto a parte de produção quanto de pesquisa e a federal do Espírito Santo entra como instituição executora do projeto, que prevê orientações técnicas e o recebimento de pessoas para aprender. Conforme ele, há uma semelhança de clima entre o estado e Moçambique e o solo do país africano é propício para a plantação tanto de café arábica como conilon.

“Nós estivemos na área de café conilon, que são propriedades de Pinheiros, Nova Venécia e Vila Valério. Principalmente café arborizado. Também estivemos na região de arábica, em Domingos Martins, Marechal Floriano e Venda Nova do Imigrante”, comentou Partelli em entrevista ao programa "Bom dia ES". 
O professor explicou ainda que, em Moçambique, a proposta é plantar o café numa área onde fica localizado um parque sem habitantes, só com animais. No território existe uma região com 700 m a 1,2 mil metros de altitude, que é onde chove: "apesar dessa área legalmente pertencer ao parque nacional, moram duas mil famílias que vivem da subsistência. Como virou parque, a ideia é de que aquilo seja recuperado".

Segundo Partelli, o governo de Moçambique enxergou que teria que plantar árvores para recuperar o ambiente e viram que o café, ali de baixo, num espaçamento correto, poderia juntar o útil ao agradável, ou seja, dar um reflorestada e, ao mesmo tempo, "trazer uma cultura que desse ganho econômico, já que a região é muito pobre". 

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

GIANNETTO GUERRINI

EM 12/12/2017

otro pais que va a produr COFFEE = ainda mais producto no MERCADO INTERNACIONAL