carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Notícias > Produção

ES: clima adverso faz com que produtores pratiquem o consórcio de culturas

postado em 23/11/2017

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Da redação

Em decorrência de um longo período de estiagem e déficit hídrico, a cafeicultura e a fruticultura capixaba têm enfrentado muitas dificuldades nos últimos anos. Pressionados pelas adversidades climáticas, cafeicultores do Espírito Santo estão cultivando mamão em suas propriedades, processo chamado de consórcio de culturas, visando  um melhor aproveitamento a longo prazo do solo.

Foto: Divulgação
                                                 Foto: Divulgação

Segundo o diretor de marketing da Brandt do Brasil, Antonio Coutinho, os problemas decorrentes da baixa precipitação atingiram, inclusive, as propriedades irrigadas, pois a baixa vazão dos rios impede ou limita o uso da água na irrigação: "as principais atividades agrícolas da região, como a cafeicultura e a fruticultura, foram enormemente prejudicadas com amplo reflexo na comercialização de insumos agrícolas. Por esse motivo, o cuidado com a nutrição vegetal ganha muita relevância. Em alguns casos, está ligada à própria sobrevivência do projeto”, diz.
O consórcio de culturas tem crescido muito no estado do Espírito Santo porque proporciona benefício duplo ao produtor, uma vez que o mamão cresce antes do café, sombreando o pé de café nas etapas inicias do ciclo, além de ajudar a viabilizar economicamente a propriedade. De acordo com Coutinho, a fruta é cada vez mais utilizada em consoricação com o café no período de implementação da cultura.
"Produtivo em temperaturas mais elevadas, o café conilon ganhou espaço no estado, segundo maior produtor de café do Brasil, com cerca de 25% da colheita nacional. O ES também é o segundo maior exportador de mamão, fruta que ocupa 6 mil hectares cultivados, a maior parte da área destinada ao mercado externo", explica o especialista. 

A Brandt do Brasil, uma das maiores fornecedoras de fertilizantes do mundo, com ampla linha de insumos para a cafeicultura, pretende agora aumentar ainda mais o portfólio, "focando na inovação a fim de ofertar soluções mais eficientes aos produtores rurais”, concluiu Coutinho. 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade