carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Notícias > Produção

Em MG, fertirrigação por gotejamento aumenta a produção dos cafeicultores

postado em 24/07/2017

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Da redação 

Em Machado, município localizado no Sul de Minas Gerais, produtores de café que investem no manejo adequado e no uso de tecnologia estão conseguindo produtividade bem acima da média. De acordo com o cafeicultor Arthur Moscofian Junior, em entrevista ao portal Canal Rural, cerca de 90 sacas de café serão colhidas por hectare na Fazenda Santa Mônica mesmo com o clima não ajudando muito.

Foto: Alexia Santi/Agência Ophelia
                                Foto: Alexia Santi/Agência Ophelia

A técnica da fertirrigação por gotejamento, onde a planta recebe, a todo momento, os nutrientes que precisa para crescer e dar uma boa florada, vem trazendo otimismo ao agricultor. O solo também é algo que contribui bastante. "O sul de Minas teve um dos maiores derramamentos de larvas no continente sul-americano.É uma terra que tem muito ferro e muitos minerais. O pé de café adora isso. Estamos aproveitando para fazer café doce também", disse. 
Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo e Bahia são os maiores produtores de café arábica, cuja produção nacional está projetada para 36,7 milhões de sacas de 60 kg. Na cooperativa de Machado, 155 mil sacas já foram comercializadas e outras 60 mil estão estocadas, à espera de preços melhores.

Segundo o supervisor de café David Rodrigues Soares, em época de colheita o mercado tende a se retrair, mas a situação deve melhorar. "Devido à pouca chuva que tivemos no início do ano, e por ser uma safra menor, pode ser que o preço volte a subir", explicou ao Canal Rural. Prevendo o cenário, produtores estão apostando, cada vez mais, na fabricação de cafés especiais, devido ao valor agregado. 
Na fazenda do Junior, caixas especiais para a secagem do grão também estão contribuindo com o rendimento da colheita, já que ajudam a diminuir o período que o grão fica exposto ao tempo. Cinco máquinas a laser separam o grão cereja usado para o café de qualidade. Para o produtor, o esqueletamento da planta é o segredo para o aumento da produção. "O cafeicultor é um fabricante de ramos. Quanto mais ramos ele tiver, mais café ele vai ter no ano que vem", explica. O cafeicultor também fica um ano sem colher, só jogando adubo. No ano seguinte, diminui o Nitrogênio e aumenta o Cloreto de Potássio, com a intenção de encher os grãos, deixando-os equilibrados e doces.

Avalie esse conteúdo: (4 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade