ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Situação difícil para o café em 2019?

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 11/01/2019

1
0

As empresas que vendem café tiveram um ótimo ano, mas não foram tão boas para os produtores que as fornecem. Isso pode começar a mudar em 2019.

Os preços historicamente baixos dos grãos de café em 2018 provavelmente reduzirão os incentivos para os produtores aumentarem a oferta, disse Rodrigo Costa, diretor de café nos Estados Unidos da Comexim.

Isso pode significar um aumento súbito, dizem os analistas, já que grandes movimentos dentro da indústria prometem impulsionar o consumo em todo o mundo.

A Coca-Cola, por exemplo, gastou US$ 5 bilhões em 2018 para entrar no espaço de café. Enquanto isso, a Nestlé realizou sua terceira transação em magnitude em 152 anos quando concordou em pagar US$ 7,15 bilhões pelo direito de comercializar produtos da Starbucks, que agora está expandindo na China a uma nova loja a cada 15 horas, conforme a demanda na segunda maior economia do mundo está crescendo.

"Nem todo mundo que compõe a rede pode ganhar ao mesmo tempo", disse Lucio Días, diretor comercial da Cooxupé, a maior cooperativa de produtores de café do mundo, em uma entrevista por telefone de Guaxupé, no Brasil.

"Agora é a hora para a indústria." Este ano, ele e outros dizem que os produtores poderiam obter uma fatia maior do bolo. A previsão é de que os futuros de café fiquem em média US $ 1,24 por libra (453 gramas) em 2019, de acordo com a estimativa média de oito analistas consultados pela Bloomberg.

Esse valor supera US$ 1,15 por libra no ano passado, o que está abaixo do preço médio das últimas cinco décadas. Isso ocorrerá porque o consumo aumentou uma média de 3,6 milhões de sacas por ano desde a temporada 2014-15, segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA).

A situação foi difícil para os produtores em 2018. Os preços dos grãos de café arábica, do tipo que a Starbucks prefere, caíram cerca de 20% em 2018 em Nova York, atingindo o nível mais baixo desde 2006.

O preço médio anual pago aos produtores no Brasil foi o menor em quatro anos em moeda local. Isso se deveu ao fato de que o aumento da demanda foi mais do que compensado por um aumento na oferta de café liderado pelo país sul-americano após uma onda de investimentos em plantas, fertilizantes e melhorias nas técnicas de cultivo nos últimos cinco anos. Acrescentou a condições meteorológicas quase perfeitas em 2018.

Estima-se que a produção mundial de café na safra atual chegue a um recorde de 174,5 milhões de sacas, 15,6 milhões a mais que no ano anterior, o que também reflete o aumento da produção na Colômbia e no Vietnã, disse o USDA em 14 de dezembro.

Espera-se que as ações de fim de temporada aumentem em um quarto, atingindo o nível mais alto em quatro anos.

O excesso de oferta favoreceu o extremo do consumidor do setor mais do que os produtores. Em 2018, os preços de varejo do café torrado nos EUA eles aumentaram para uma média de 3,8 vezes o preço dos futuros de commodities em Nova York, o nível mais alto desde 2013. 

As informações são da Bloomberg / Tradução Juliana Santin
 

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JAIME DE SOUZA

ITUETA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 14/01/2019

A historia e sempre a mesma a industria continua ganhando e os produtores se ferrando