FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Especialista afirma que produtores devem ficar atentos para garantir preços mínimos na próxima safra

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 13/07/2020

2 MIN DE LEITURA

0
0

Por Marcelo Fraga Moreira*

A semana de 6 a 10 de julho começou surpreendendo com o contrato setembro/2020 já com queda de 5% logo na segunda-feira (não suportou a média móvel dos 50 e tampouco a média móvel dos 9 dias).

Terminamos a semana abaixo dos 97 c/lb. Agora, temos a primeira resistência importante nos 100,30 c/lb** e depois nos 102,50 c/lb, e um suporte bem importante nos 92,20 c/lb. O câmbio fechou a semana @ 5,3218 R$/usd, praticamente no “zero a zero” desvalorizando na semana 0,22% e oscilando entre a máximo @ 5,4007 e a mínima @ 5,2472.

Os fundos terminaram a semana vendidos em -23.843 lotes (esse número deve ser maior pois tivemos novas quedas nos pregões da quinta e sexta-feira).

As condições climáticas ao redor do mundo continuaram no radar, principalmente no Brasil, porém as previsões meteorológicas frustraram os altistas. Geadas no Brasil seguem descartadas pelos próximos 15 dias. As chuvas e o bom tempo seguem favoráveis nos principais países produtores com safras previstas para começar já para novembro/dezembro.

A safra brasileira segue avançando, com aproximadamente 50% já colhida, com bons rendimentos e maior disponibilidade de produto no mercado. Mesmo com o avanço da pandemia nos Estados Unidos e com o receio de novas medidas de isolamento social e restrições em viagens, as economias globais seguem firmes e fortes no rumo da recuperação. Bolsas ao redor do mundo voltaram a subir e a Ibovespa fechou a semana acima dos 100.000 pontos pela primeira vez desde 6 de março de 2020 (após atingir a mínima em 61.690 pontos dia 19 de março de 2020).

Com o clima favorável não só no Brasil, mas também nos demais países produtores, e com o avanço da colheita no Brasil (estimativas acima dos 65 milhões de sacas), temos e teremos café a vontade para saciar a demanda mundial para os próximos 2 anos. Conforme falamos em relatórios anteriores, o USDA prevê um superávit de 8 milhões de sacas para safra 2021/2022.

Com os fundos vendidos em “apenas” 23-25.000 lotes, e com o mercado trabalhando com pouca liquidez, se os fundos decidirem vender mais 5-10 mil lotes o mercado tem tudo para cair mais 500-1000 pontos, e vir a negociar abaixo dos 90 c/lb no setembro/2020. E nos demais vencimentos abaixo dos 100 c/lb!

Nossa recomendação continua a mesma: produtores fiquem atentos e aproveitem as oportunidades para garantir preços mínimos para safra 2021/2022 e 2022/2023. Cuidado com as operações alavancadas, com os acumuladores, tanto para café quanto para câmbio.

Boa semana a todos!

*Marcelo Fraga Moreira atua há mais de 30 anos no mercado de commodities agrícolas e escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting.

** c/lb = centavos de dólar por libra-peso

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.