FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Antecipação do Funcafé ajudará produtores a não venderem grãos de imediato durante colheita

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 01/06/2020

2 MIN DE LEITURA

1
0

O Conselho Nacional do Café (CNC) acredita que os recursos recordes de R$ 5,71 bilhões do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) deverão ser liberados nesta semana.  “Normalmente, o capital do Funcafé é liberado entre julho e agosto a cada ano, período em que os produtores estão na reta final ou já finalizaram a colheita. Neste ano de exceção, devido à pandemia do coronavírus, realizamos esforços para antecipar a liberação, o que, ao ser confirmado, permitirá que os cafeicultores honrem seus pagamentos semanais aos trabalhadores da ‘panha’, assim não terão que vender seu café no auge da colheita, quando geralmente os preços tendem a estar aviltados”, explica o presidente do CNC, Silas Brasileiro.

Conforme Silas, nesta época do ano é comum surgirem especulações a respeito do tamanho da colheita 2020 de café no Brasil. “O mercado, normalmente, é muito especulativo. Quando se fala em estimativa de safra, confiamos nos dados oficiais da Conab, que apresenta um volume médio de 60 milhões de sacas para este ano. É normal surgirem números superiores por especuladores para ver se conseguem preços menores e pressionem os produtores a vender”, relata.

Ele completa que a antecipação dos recursos do Funcafé ajudará os cafeicultores a estocarem o produto e não venderem de imediato, no auge da colheita, sob possíveis reflexos da especulação. “O volume recorde de recursos do Fundo sinaliza para o mundo e ao mercado consumidor que o Brasil é o único país que pode bancar de 10 milhões a 13 milhões de sacas com estocagem. Além disso, entre 30% e 35% dos cafés da safra atual já foram comercializados antecipadamente, com os produtores aproveitando os bons momentos de preços que se apresentaram. Isso significa que temos estrutura para armazenamento, temos recursos e não precisaremos vender de imediato, o que não nos torna reféns do mercado especulativo”, analisa.

O presidente do CNC reforça que o primeiro levantamento da Conab é condizente com a realidade das lavouras no País e que a cadeia produtiva da cafeicultura brasileira tem gestão profissional e competente para trabalhar de forma rentável com essas 60 milhões de sacas.

“Além de uma estimativa oficial correta para nossa safra, contamos com recursos substantivos para garantir que esse café seja, em grande parte, internalizado, já que consumimos 21 milhões de sacas no Brasil. Aliado a isso, temos o recurso que possibilita a estocagem de 10 a 13 milhões de sacas, então o mercado exportador trabalhará com muita tranquilidade, não gerando excesso de oferta e, consequentemente, não aviltando os preços aos cafeicultores”, finaliza.

As informações são do CNC.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ULYMAR MAIA

CONSELHEIRO PENA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 02/06/2020

Como faria para guardar o café c segurança ? O q deveria fazer se n tenho nenhum galpão? Ficarei no aguardo!!