ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O mercado continua soberano

ESPAÇO ABERTO

EM 14/12/2021

8 MIN DE LEITURA

0
0

Por Marcelo Fraga Moreira*

A semana, de 06 a 10 de dezembro, começou animada com o março/2022 chegando a subir mais de 1.000 pontos nos dois primeiros dias da semana. Após atingir a máxima dos últimos 10 anos com 252,35 centavos de dólar por libra peso, ordens de venda foram acionadas e o mercado chegou a cair -1.200 pontos já na própria terça-feira (07/12). Infelizmente, março/2022 terminou a semana em 232,60 centavos de dólar por libra-peso (praticamente uma queda de -2.000 pontos entre a máxima da semana/últimos 10 anos na terça-feira e -1.000 pontos com base no fechamento da semana anterior).

Mais uma oportunidade para a compra de proteção contra a safra 2022/2023 e 2023/2024 passou e poucos produtores souberam tirar proveito. Produtor com disciplina, com políticas de hedge claras não quebra (tanto comprando seguro contra alta para os que já fizeram “travas” para as próximas safras quanto seguro contra a baixa para os que preferem ter “o direito mas não a obrigação” para vender no preço do seguro contratado e seguir aguardando por preços mais elevados)!

Na terça-feira, enquanto março/2022 trabalhava acima dos +250 centavos de dólar por libra-peso e setembro/2022 estava acima dos +245 centavos de dólar por libra-peso foi possível realizar a compra do seguro contra baixa para entrega do café entre junho-setembro/2022.

O contrato do setembro/2022 em Nova York, o mercado deu oportunidade para o produtor comprar a “Put-Spread*”, strike +240 /-200 pagando aproximadamente 24 US$/saca (aproximadamente +130 R$/saca) e garantindo um preço mínimo próximo dos 270 US$/saca (aproximadamente +1.500 R$/saca).

Foi o melhor momento do ano até agora! A compra desse seguro permitia o produtor seguir participando na alta, e garantindo o preço mínimo acima (desde que o setembro/2022 termine acima dos +200 centavos de dólar por libra-peso no dia do vencimento das opções). Apesar de seguirmos positivos para o médio prazo (com nosso objetivo acima dos +280 centavos de dólar por libra-peso) o mercado continua soberano e precifica “coisas” que não enxergamos. A queda da semana foi apenas “liquidação dos fundos” e “realização de lucros / rebalanceamento das posições”? Será que já tem gente apostando em uma queda/estagnação no consumo em função dos aumentos dos preços na ponta consumidora?

Como falamos aqui, apenas uma eventual redução no consumo mundial durante os próximos 24 meses levará a uma recuperação no índice “estoque x consumo” para “níveis aceitáveis” acima dos +15% (podendo dessa forma evitar novas altas nas cotações). Com a inflação global e redução no poder de compra do consumidor acreditamos que o consumo mundial no mercado de café também será impactado e o crescimento estimado pela OIC* em +2,00% ao ano não ocorrerá. Os preços já começaram a ser repassados para o consumidor final praticamente em todos os mercados.

Se o consumo ficar estável durante o ano safra 2021/2022 e 2022/2023 em +170 milhões de sacas o índice acima só voltará a trabalhar acima dos 10% a partir da safra 2023/2024 (salvo se as safras brasileiras projetadas pelas “grandes casas” em +56,00 milhões de sacas para a safra 2021/2022 e +64 milhões de sacas para a safra 22/23 estiveram corretas).

Do lado fundamental nada mudou! O Brasil teve sim uma safra 2021/2022 reduzida (números oficiais ainda guardados a sete-chaves). A safra 2022/2023 será uma surpresa. As exportações brasileiras na safra 2021/2022 deverão ficar abaixo dos 25 milhões de sacas.

Mesmos com as chuvas torrenciais que castigaram o sul do estado da Bahia e as regiões do nordeste do estado de Minas Gerais e o norte do estado do Espírito Santo durante a semana o mercado realizou (algumas regiões chegaram a receber mais de 300 mm de chuvas em 24 hrs).

Os estados da Bahia e Espírito Santo são os principais estados produtores do café canéfora (robusta) no Brasil, e muitas lavouras foram afetadas. Nas últimas semanas algumas regiões foram castigadas por chuvas de granizo e agora o excesso de águas! Os danos continuam sendo levantados e só saberemos dados mais concretos referente aos prejuízos nas próximas semanas.

O Real voltou a oscilar entre 5,54 e 5,67 R$/US$ terminando a semana 5,6140 R$/US$. O medo da inflação voltou a atacar os mercados com o Banco Central do Brasil elevando a taxa interna de redesconto para 9,25% ao ano e previsões para novo aumento na próxima reunião em fev-22 podendo atingir os 10,75% ao ano. Alguns analistas já estimam que em 2022 a taxa Selic poderá atingir 14%.

Nos EUA o índice de preços ao consumidor aumentou no mês de novembro-22 e durante os últimos 12 meses atingiu +6,8% – a maior alta desde 1982! Com receio do FED* ser obrigado a aumentar os juros já no início do próximo ano os mercados financeiros já começaram a precificar o provável aumento dos juros americanos. O US$ já começou a valorizar frente às demais moedas mundiais. Nos últimos 12 meses, nos EUA, a gasolina subiu +58,10%, carros usados +31,40%, gás natural +25,1-0%, carne/pescados e ovos +12,80%, ou seja, os aumentos estão ocorrendo em todos os mercados e em praticamente em todos os setores da economia.

As exportações do Brasil durante o mês de novembro foram finalizadas em 2.930.124 sacas x 4.770.226 sacas em novembro-20 (segundo dados do Cecafe*). Uma redução em -38,47%. Entre julho-21 até novembro-21 o Brasil exportou apenas 15.261.575 sacas x 20.322.278 sacas em igual período de 2020. Praticamente o Brasil deixou de exportar -5,0 milhões de sacas!

Dependendo do tamanho da safra 2021/2022 (a última previsão da Conab* indicava uma safra em +46,90 milhões de sacas) e do consumo interno brasileiro para o ano safra julho-21/junho-22 o mês de dezembro-21 deverá ser o último mês com exportações brasileiras acima dos 2,0 milhões de sacas. Segundo nossas projeções, o Brasil ainda tem disponível para exportar apenas 8,90 milhões de sacas entre dez-21/junho-22. Mais do que isso, apenas se começar a “brota café escondido / não contabilizado” nos estoques oficiais! O tempo dirá quem está certo e quais estatísticas são/serão confiáveis daqui para frente.

Infelizmente a Conab* até agora não publicou os estoques de passagem referente a safra 20/21 para a safra 21/22. O consumo interno brasileiro continua sendo desconhecido. Alguns falam em consumo interno ao redor dos +23,50 milhões de sacas e outros em +21,50 milhões de sacas. Independente do consumo interno, qualquer saldo adicional deverá ser exportado com as exportações podendo então ultrapassar os 10 milhões de sacas (afinal são vasos comunicantes). O Brasil deverá terminar a safra 21/22 com estoque de passagem novamente bem reduzido (estoques suficientes apenas para abastecer sua necessidade interna por 2-3 meses e 1-2 meses apenas referente aos compromissos de exportação – entre 5-8 milhões de sacas).

Com os problemas da seca prolongada, das geadas ocorridas no inverno 21, e com as chuvas recentes a Associação dos Produtores do Brasil – Sincal – publicou sua primeira estimativa para a safra 22/23 entre 36,30 a 39 milhões de sacas (sendo 15,00 milhões de sacas para o café tipo robusta e entre 21,30-24,00 milhões de sacas para o café tipo arábica). A Sincal* possui membros em todas as regiões produtoras e o levantamento foi realizado com base nos números e projeções apontadas por seus associados.

Para a safra 2022/2023 essa foi a pior previsão já apontada no mercado até então. Por enquanto, segundo nossos controles, as estimativas para a próxima safra brasileira estão oscilando entre +39,00 / + 66,15 milhões de sacas!

Segundo os levantamentos, não só da Sincal* mas também de muitos produtores com quem conversamos, a florada realmente não vingou e a próxima safra 2022/2023 vai decepcionar muita gente. Se a Sincal* estiver correta, os preços vão explodir. Se o Rabobank estiver correto (e o consumo mundial crescer menos que o esperado) então os preços deverão cair – e muito (segundo a previsão do próprio Rabobank, os preços para o segundo semestre de 2022 deverão ficar na média ao redor dos 1,66 centavos de dólar por libra-peso).

Nossa visão com relação ao índice “estoque x consumo” para os próximos 2 anos não mudou. Continua abaixo dos 15% para o final da safra 21/22 e abaixo dos 10% para a safra 2022/2023 (salvo se ocorrer uma redução drástica no consumo mundial em aproximadamente -5 milhões de sacas por ano nos 2 próximos anos e/ou uma explosão na produção global, principalmente no Brasil – o que consideramos pouco provável).

Segundo a última publicação do CFTC*, a posição dos “fundos+especuladores” teve uma redução em -865 lotes e seguem comprados em +49,945 lotes!

Seguimos positivos para o médio prazo com os preços podendo ultrapassar os +280 centavos de dólar por libra-peso!

Como esperado o mercado voltou a realizar (movimento saudável – afinal nenhum mercado sobe apenas em linha reta). O indicador “Estocástico” segue indicando “venda” mas já está entrando em território “sobre-vendido”.

Próximos suportes no Março-22 @ 230/228/225/217 centavos de dólar por libra-peso e resistências @ 245/247/252,50 centavos de dólar por libra-peso.

Recomendações:

– para as safras 22/23, 23/24 e 24/25: Vendas novas contra a tela do Set-22, Set-23 e Set-24 negociando um desconto máximo contra a tela de NY em -35/-40 pontos e procurando travar os preços em US$/saca.

- Se forem travar em R$/saca cotem antes o valor futuro do câmbio com seus bancos para não serem lesados nas cotações e deixarem “gordura” na mesa.

– Travando em R$/saca comprem proteção, as opções de compra “CALL*” para terem o seguro contra novas altas, eventual quebra de safra com ou sem geadas contra os respectivos vencimentos durante os próximos 3 anos!

*Marcelo Fraga Moreira atua há mais de 30 anos no mercado de commodities agrícolas e escreve este relatório sobre café semanalmente como colaborador da Archer Consulting.

___________

** “Call” = opção de Compra

** “Put” = opção de Venda

** “Compra Call-Spread” = compra e venda simultânea de 2 Opções de Compra comprando a Opção com preço de exercício mais baixo vendendo a Opção com preço de exercício mais alto);

** “Venda Call-Spread” = venda e compra simultânea 2 Opções de Compra vendendo a Opção com preço de exercício mais baixa e comprando a Opção com preço de exercício mais alto);

** “Compra Put-Spread” = compra e venda simultânea 2 Opções de Venda comprando a Opção com preço de exercício mais alto e vendendo a Opção com preço de exercício mais baixo);

** “Venda Put-Spread” = venda e compra simultânea 2 Opções de Venda vendendo a Opção com preço de exercício mais alto e comprando a Opção com preço de exercício mais baixo);

** “CFTC” = Commodity Futures Trading Commission – agência independente do governo dos Estados Unidos que regula os mercados de futuros e opções das commodities;

** “IBGE” = Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

** “Cecafé” = Conselho dos Exportadores de Café do Brasil

** “USDA” = Departamento da Agricultura dos Estados Unidos

** “OIC” = Organização Internacional do Café

** “ABIC” = Associação Brasileira da Indústria de Café

** “Sincal” = Associação dos Produtores do Brasil

As informações são da Archer Consulting – Assessoria em Mercados de Futuros, Opções e Derivativos Ltda.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint