FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Ásia se une em prol do café arábica!

ESPAÇO ABERTO

EM 22/02/2019

0
0

Por Flávia Maria de Mello Bliska e Antonio Bliska Júnior

Entre 11 e 12 de novembro de 2018 ocorreu na cidade de Mangshi, província de Yunnan, sudoeste da República Popular da China, a terceira Conferência da Associação Asiática do Café (sigla em inglês, ACA). Prestigiaram a Conferência representantes de outros países asiáticos, tais como Vietnã, Índia, Indonésia, Mianmar, Tibete, Nepal, Sri Lanka e Tailândia, alguns representantes da África e Américas, e representantes da Associação para Ciência e Informação sobre o Café (em inglês, ASIC).

Sob a égide chinesa, além da demonstração de união continental em prol do desenvolvimento de uma cafeicultura moderna, da produção agrícola à industrialização, a Conferência de 2018 exteriorizou o forte empenho político dos países asiáticos, bem como seus estratagemas e o entusiasmo que tem permeado a cafeicultura regional, demonstrados por meio dos diversos acordos de cooperação assinados durante a Conferência.

A expressividade e o sucesso da Conferência atingiram o ápice com o lançamento da certificação asiática para o café arábica verde de altitude, denominada certificação ABODY, e com a realização do concurso de qualidade de cafés arábica asiáticos, seguindo o sistema ABODY, do qual participaram juízes com experiência internacional.

A Associação Asiática do Café
A ACA é uma organização voluntária social sem fins lucrativos (ONG), composta por empresas, associações, instituições empresariais, instituições de pesquisa científica, fundações e outras organizações sociais da indústria cafeeira. Foi lançada em 2015 e registrada em 2017, como associação de café da região asiática, em Colombo, Sri Lanka. A Associação pretende manter apenas um escritório de representação, em Kunming, província de Yunnan, China. Os membros fundadores da ACA são China, Sri Lanka e Nepal. A associação tem cinco representantes para o comitê governante permanente, dois da China, dois do Sri Lanka e um do Nepal. Ela é gerida por um conselho de 13 países asiáticos, eleito pela assembleia geral. Seu conselho é o órgão com o mais alto nível de decisão e implementa o sistema de responsabilidades do presidente da Associação. Ela é considerada de fundamental importância ao desenvolvimento cafeeiro na Ásia, pois permite compartir informações e recursos entre o setor cafeeiro e as empresas e avalia os conhecimentos científicos e técnicos existentes sobre o café, para construir uma base de conhecimentos práticos e científicos. Foi criada levando-se em conta dois fatores principais:

1. Com as expectativas de mudanças climáticas, especialistas asiáticos estimam que a Ásia possa concentrar áreas de produção de café; consequentemente, no futuro, o setor cafeeiro asiático poderá aproveitar as vantagens geográficas e climáticas regionais;

2. As taxas de crescimento do consumo mundial de café indicam que, no futuro, a Ásia será capaz de liderar o consumo mundial, especialmente na China e na Índia, onde o consumo de café começou a crescer recentemente.

O principal objetivo da ACA, por meio da instituição de um padrão para o café asiático, é desenvolver negócios relacionados ao café na Ásia e em todo o mundo, para modernizar e o desenvolver a indústria asiática de café, aumentar a renda dos cafeicultores, construir estruturas apropriadas de preços do café, apoiar a marca de café asiática, desenvolver a cooperação internacional para a redução da pobreza e promover a cultura do café asiático. Seus objetivos específicos são:

1. Facilitar o desenvolvimento da cadeia da indústria do café na Ásia, na criação de variedades, cultivo, processamento, intercâmbios técnicos, pesquisa científica e tecnológica, industrialização, resultados de pesquisas, mercado, etc.

2. Estabelecer um sistema padrão para a indústria de café na Ásia.

3. Promover o intercâmbio e a cooperação regional entre os setores cafeeiros da Ásia.

4. Fornecer garantia organizacional e assistência técnica a todos os setores cafeeiros (particularmente para a cooperação regional em termos de lei e regulamentação).

5. Promover o intercâmbio e divulgação de informações relacionadas à prática, legislação e regulamentação, etc., nos setores cafeeiros.

6. Publicar revistas ou boletins para promover os objetivos acima.

7. Organizar colóquio, simpósio, exposições, feiras de negócio e fóruns para promover os objetivos acima.

8. Realizar atividades e projetos com outras organizações cafeeiras internacionais ou regionais para impulsionar a implementação dos objetivos acima.

9. Construir uma plataforma inter-regional de cooperação, tendo cooperação win-win (“ganha-ganha”) como meta, vantagens complementares como base, mercado como orientação, indústria como diretriz e ativos como conexão, políticas de apoio para promover cooperação regional entre os setores industrial, financeiro, científico, tecnológico e cultural, para garantir o desenvolvimento da indústria do café na Ásia.

10. Respeitar rigorosamente a constituição, a lei e a regulamentação de todos os países, bem como a ética comercial internacional.

Conferência Asiática Anual do Café de 2018
Semelhante às conferências anuais de 2016 e 2017, a Conferência da ACA de 2018 (ACAC) foi realizada na cidade de Mangshi, que deverá ser a anfitriã permanente de suas reuniões anuais. A Conferência se concentrou em: a) promover o sistema padronizado de café verde asiático; b) assinar acordos de cooperação; c) oferecer um Fórum Acadêmico sobre Inovação e Tecnologia para o Desenvolvimento da Indústria do Café, compartilhando descobertas científicas atualizadas; e d) expor produtos de café dos países asiáticos.

Acordos de cooperação assinados durante a Conferência da ACA em 2018:

1. MOU* de cooperação em “Promoção do Desenvolvimento da Indústria Cafeeira do Sri Lanka”, entre os departamentos governamentais do Sri Lanka e a ACA;

2. “Acordo de Cooperação em Importação e Exportação de Produtos de Café” entre empresas membros da ACA, do Sri Lanka, Nepal, Mianmar e outros países signatários com Dehonh Hogood Coffee Co., Ltd. e Yunnan Gongle Business Co., Ltd .

3. MOU no estabelecimento do Centro de Comércio Internacional de café em Dehong, entre Beijing JD 360degree Electronic Commerce Co. Ltd., Yunnan Asia-Pacific Demonstration Electronic Port Network Operation Center, Shangai Doudian Technology Co. Ltd e Associação Asiática do Café.

4. MOU de cooperação estratégica entre Associação Asiática do Café e o Grupo Kamelu.

5. MOU de cooperação em ciência e tecnologia entre Dehong Hogood Coffee Co., Ltd. Centro de Investigação do Café da China e representantes dos projetos de pesquisa.

6. MOU de “Co-criação da Cultura Mundial de Origem do Café” entre a Associação Asiática do Café e a Sociedade Etíope de Ciência do Café.

Os principais tópicos discutidos durante a conferência foram: 1) A Realidade Virtual da Indústria do Café; 2) O desenvolvimento do moderno Parque Industrial da Agricultura do Café; 3) Tecnologia Inovadora da Indústria do Café; 4) Café e Saúde e 5) Visão Geral do Desenvolvimento da Indústria Asiática de Café.

 

*MOU – Memorando de Entendimento: acordo não vinculativo entre duas ou mais partes, descrevendo os termos e detalhes de um entendimento, incluindo os requisitos e responsabilidades de cada parte.

Flávia Maria de Mello Bliska, do Centro de Café, Instituto Agronômico (IAC). Antonio Bliska Júnior, da Faculdade de Engenharia Agrícola, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

 

 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.