FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Nacionalismo e comércio agrícola

Por Bruno Varella

Que me perdoem os otimistas, mas os desdobramentos da pandemia da covid-19 dificilmente incluirão um aumento da cooperação entre os Estados. É provável que o mundo que emergirá da atual crise seja ainda mais vulnerável aos apelos nacionalistas. Nas democracias liberais do Ocidente, a pressão exercida pelos milhões de indivíduos afetados economicamente pela pandemia deverá se traduzir em medidas protecionistas. A agricultura não é uma exceção: assistiremos a um crescimento considerável da difusão de mensagens como “buy local” – na tradução, compre alimentos produzidos localmente – no mundo desenvolvido. Aumentará também a preocupação com a segurança alimentar.

Ambas as pressões não nos levam necessariamente a um mesmo equilíbrio. Comecemos com a ideia de que “aquilo que é produzido localmente é melhor”. Na verdade, a covid-19 forneceria apenas uma espécie de sentido de urgência a tais apelos. Parcela importante do discurso ambientalista já é baseada em ideias semelhantes – mesmo que, não raramente, uma comparação entre os custos e benefícios do “buy local” seja vaga. Para além do protecionismo, há também quem se preocupe com a proteção do conhecimento acumulado em sistemas de produção com décadas – ou mesmo séculos – de tradição ou enfatize a qualidade dos produtos ali produzidos. Independentemente da necessidade escolhida para justificar o “buy local”, a tendência deve ganhar espaço.

A União Europeia é um excelente exemplo. Refletindo o humor nas sociedades dos seus membros, termos como “cadeias curtas de suprimento” são parte integrante da retórica da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen. Obviamente, resta saber a capacidade de tradução desses anseios em realidade. De qualquer maneira, o simples fato de líderes políticos pertencentes ao establishment – Ursula von der Leyen é uma política alemã conservadora aliada de Angela Merkel – ecoarem a mensagem de que o “local é melhor” deveria ativar os alertas entre os principais exportadores agrícolas do planeta. Se abrir mercados já era difícil em tempos de defesa do multilateralismo comercial, o que ocorrerá na era do “buy local”?

Ao mesmo tempo, é crescente a preocupação com a segurança alimentar. Não que tal preocupação fosse inexistente no passado, mas chama a atenção à ênfase dada ao “nós” e aos “outros” nesse debate. Mesmo países desenvolvidos poderão abraçar uma retórica que, acreditava-se, era típica de países em desenvolvimento preocupados com a fome.  Com a crise da covid-19 e o fechamento parcial das fronteiras, não são poucas as pessoas que se perguntam: e se desastres ainda piores ocorrerem no futuro? Garantir o acesso a alimentos parece um objetivo pertinente em momentos de incerteza. A grande questão é como garantir tal acesso. É interessante perceber que a preocupação com a segurança alimentar não necessariamente reforça o discurso do “buy local”. Pode ser o caso em países europeus como a Alemanha e a França, acostumados a associar ambas as discussões desde o século XIX. Porém, muitos Estados do mundo seriam incapazes de garantir a segurança alimentar de seus habitantes sem recorrer ao mercado internacional.

Daí a complexidade do cenário adiante. O atual momento de recrudescimento do nacionalismo oferece riscos e oportunidades a países exportadores agrícolas como o Brasil. No curto prazo, é possível que as oportunidades sejam até maiores que os riscos. Afinal, a materialização de objetivos como o “buy local” podem depender da reorganização das cadeias de suprimento, algo que demanda tempo e recursos. Diga-se de passagem, muitos dos que exortam o “buy local” se esquecem de verificar se as sociedades onde vivem “produzem localmente”. Ao mesmo tempo, a ansiedade pela busca de segurança alimentar pode levar muitos países a reduzir as barreiras à importação de produtos agrícolas – em um impulso que dependerá, obviamente, do nível de desorganização dos sistemas produtivos ao redor do mundo.

No longo prazo, é difícil saber como o recrudescimento do nacionalismo afetará o equilíbrio entre os anseios por “buy local” e segurança alimentar. Se a crise da covid-19 abre certa margem de manobra para os países exportadores agrícolas, não é certeza que o futuro reserve oportunidades similares. É provável que os instrumentos de governança multilateral do comércio internacional percam ainda mais força, tornando a abertura de mercados o resultado de um complexo cálculo de interesses geopolíticos. Ao menos nos países desenvolvidos, pode-se dizer que a imagem de cada um dos exportadores agrícolas será um fator que poderá impulsionar ou frear os apelos pelo “buy local”. Qualquer deslize poderá ser usado como desculpa para medidas voltadas a substituir importações.

De fato, a era dos nacionalismos será também marcada pela busca constante por bodes expiatórios para justificar medidas unilaterais. Trata-se de uma realidade que nos revela enormes riscos. Afinal, o Brasil, com sua política negacionista em temas como a saúde e o meio ambiente, vem se esforçando bastante para ocupar esse papel de alvo preferencial das críticas da comunidade internacional. A situação pode piorar: uma vitória do Partido Democrata nas próximas eleições presidenciais nos Estados Unidos aumentaria ainda mais o nosso isolamento.

Portanto, a menos que acreditemos que mercados como a Hungria e a Polônia são complementares ao nosso, precisamos recalibrar a imagem que estamos projetando. Caso contrário, correremos o risco de vermos portas fechadas no futuro aos nossos produtos. Em outras palavras, precisamos pensar sobre como lidaremos com o desafio de convencer o mundo de que o caminho da segurança alimentar passa pela aquisição de produtos “made in Brazil”. Tanto os nossos concorrentes quanto os promotores do “buy local” querem nos substituir. Se o objetivo do agronegócio brasileiro é manter a sua trajetória de crescimento, refletir sobre tal desafio é um passo fundamental.           

BRUNO VARELLA MIRANDA

Professor Assistente do Insper e Doutor em Economia Aplicada pela Universidade de Missouri

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.