FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Deserto de ideias

Por Bruno Varella

Produto das profundezas do “baixo clero” de Brasília – com todas as suas complexas relações com a sociedade brasileira – e da superficialidade das redes sociais, Jair Bolsonaro oferecia um lema simples para a sua administração: “vamos mudar tudo isso aí”. Passados oito meses de administração, a mudança tem ares de desconstrução. Em meio a debates frívolos e lapsos de atenção, a falta de ideias é a regra. Para piorar, cometemos o erro de assumir a existência de normalidade em uma engrenagem essencialmente disfuncional.

Vejamos o exemplo da recente controvérsia sobre as queimadas na Amazônia. Desde a vitória nas eleições presidenciais, Jair Bolsonaro fez o possível para polemizar sobre a questão. De saída, questionou o Acordo de Paris sobre Mudança do Clima. Posteriormente, criticou a legislação vigente, a fiscalização, a existência de reservas ambientais, a qualidade dos dados, as intenções dos países que se comprometeram a contribuir com a preservação da floresta e das organizações que lá trabalham. Em resumo, sugeriu que desconstruiria cada um dos pilares que sustentam a política ambiental do Brasil – diga-se de passagem, sem oferecer quaisquer políticas alternativas.

Ainda assim, é provável que a decisão de cortar o cabelo – e expor o ato em uma rede social – ao invés de dialogar com um importante representante do governo da França tenha feito mais para criar indignação sobre a situação da Amazônia do que meses de polêmicas. Nunca é demais frisar, boa parte das discussões sobre as mudanças climáticas é movida pela hipocrisia. O próprio Emmanuel Macron, lidando com persistentes protestos nas principais cidades francesas, foi obrigado a abandonar iniciativas ligadas a uma incipiente agenda de descarbonização da economia do país. Dado que a maioria dos governos não está cumprindo com o prometido, criticar o próximo é uma conveniente estratégia de desvio de atenções. Pois bem: ao optar pelo confronto aberto, Bolsonaro transforma o Brasil em uma espécie de alvo perfeito.    

Talvez haja método em toda essa gritaria. Ao melhor estilo “Donald Trump”, Bolsonaro pode acreditar que o ultraje seja a melhor forma de resistir no poder. Em meio a um cansativo tiroteio, porém, corremos o risco de normalizar o anormal. Algo que chama atenção na atual controvérsia é a recorrência com que a ênfase na solidez institucional do Brasil foi utilizada como instrumento de defesa. O próprio presidente, em seus raros momentos de comedimento, utilizou tal estratégia. Sendo um governo pautado pelos projetos de “desconstrução”, entretanto, é evidente que a administração de Bolsonaro poderá criar vácuos regulatórios em uma série de dimensões da vida em sociedade. Apenas para ficar em um desafio óbvio, o que seria de um país sem dados de qualidade – ou ainda, em que o chefe de Estado questiona constantemente os dados disponíveis?

O aspecto mais trágico dessa agenda de ruído constante é a impossibilidade de refletirmos sobre estratégias para o longo prazo. Afinal, a sucessão de polêmicas nos impede de consolidar um debate mais produtivo sobre a natureza de nossas potencialidades e mazelas. Enquanto esperneamos para vencer a última polêmica nas redes sociais, talvez esqueçamos que, fundamentalmente, o sucesso de nosso agronegócio é resultado de um processo de adaptação progressiva às condições únicas do território brasileiro. Conforme diversos livros narram com riqueza de detalhes, a liderança do Brasil no setor deriva de nossa habilidade ímpar de atingir altos níveis de produtividade em um cenário tropical.

A ironia é que as mudanças climáticas abalariam esse equilíbrio nas próximas décadas, a ponto de forçar a readaptação a uma nova realidade. Nesse sentido, seria lógico encaminhar o debate utilizando perguntas como: quem pagou o custo da adaptação ao clima tropical desde os anos 1970? Como essa divisão dos custos ajuda a explicar os ganhos subsequentes dos agricultores? Quando nos guiamos por tais perguntas, sublinhamos o protagonismo do investimento público e do excepcional trabalho da Embrapa na ascensão do agronegócio brasileiro. E nas próximas décadas, quem o fará? O que ocorrerá se o Estado se demonstrar incapaz de realizar os investimentos em pesquisa que serão necessários para reestabelecer o equilíbrio entre as condições do território brasileiro e a atividade agrícola? Dependeremos exclusivamente de tecnologias geradas por empresas multinacionais privadas? Como isso afetará nosso poder de negociação com tais empresas? Ou ainda, como tal cenário moldará a distribuição dos ganhos ao longo das cadeias agroindustriais?

É possível que uma análise cuidadosa das perguntas acima nos leve à conclusão de que a liderança na agenda ambiental é uma excelente estratégia para o agronegócio brasileiro. Para continuarmos a fazer aquilo que já fazemos bem, precisamos manter o atual equilíbrio climático. Logo, preservar é fundamental. Ao mesmo tempo, a adoção de postura proativa nos daria maior poder de barganha para exigir que outros países – e a população urbana do Brasil – ajudem a pagar a conta da preservação. Não nos enganemos: boa parte da polêmica sobre a cooperação em matéria de política climática é de natureza distributiva. Em outras palavras, cada parte quer empurrar a conta para o outro lado da mesa. Se queremos a ajuda alheia, precisamos nos munir de argumentos mais sólidos. Se bem executada, a consolidação de uma agenda ambiental madura poderia fornecer ainda um sólido pilar para uma estratégia de construção da imagem do país no mercado internacional.

Para tanto, porém, precisamos refletir sobre a natureza das nossas vantagens competitivas e objetivos de longo prazo. Igualmente, deveríamos abandonar os discursos “frentistas”, evitando a criação de grupos artificiais – agronegócio contra ambientalistas, grandes contra pequenos produtores, etc. – e formando coalizões que não tenham medo da heterogeneidade de interesses e visões de mundo. Dá muito mais trabalho, mas certamente trará mais frutos que a verborragia inconsequente que parece predominar nos dias atuais.

BRUNO VARELLA MIRANDA

Professor Assistente do Insper e Doutor em Economia Aplicada pela Universidade de Missouri

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.