ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Brexit: quando a propaganda encontra a realidade

Por Bruno Varella

Analogias e metáforas costumam ser mais poderosas do que a exposição cuidadosa de um argumento. Veja-se um exemplo recente sobre o Brexit: ao votar pela ruptura com a União Europeia (UE), milhões de cidadãos do Reino Unido pareciam acreditar que encontrariam um menu repleto de opções mais interessantes. Nesse sentido, o Brexit ofereceria a possibilidade de voltar a sentar à mesa e escolher o prato a ser servido. Após meses de árduas negociações e sucessivos desencontros, pode-se dizer que o sonho de um “Brexit a la carte” somente cabia na propaganda política de seus promotores.

De fato, os planos de contingência desenhados pelo governo britânico mostram que, no momento, predomina a preocupação com cenários de escassez de produtos básicos. As projeções do Banco da Inglaterra tampouco entusiasmam: independentemente do desfecho das negociações entre Theresa May e os comissários da UE, a previsão é de empobrecimento do Reino Unido (https://www.politico.eu/article/best-case-brexit-scenario-means-2-5-percent-hit-to-uk-growth-over-15-years/). Nem mesmo o Executivo britânico – em teoria, promotor da medida – parece seguro sobre os passos a serem tomados. Ao menos isso é o que sugere a recusa de May a discutir o que ocorreria caso a atual proposta de saída da UE não seja aprovada pelo Legislativo do país.  

A interdependência limita escolhas, mas também cria oportunidades. É evidente, o país seguiria sendo relativamente próspero. Entretanto, o Brexit aprofundaria a corrosão do poder de influência britânico no cenário global. Por outro lado, chama a atenção a esperança posta pelo governo britânico na negociação de tratados comerciais capazes de reverter os malefícios do Brexit. Confiar na possibilidade de chegar a um acordo com uma personalidade tão instável como Donald Trump é, no mínimo, uma aposta arriscada. Diga-se de passagem, o próprio presidente dos Estados Unidos faz o possível para sublinhar os riscos de tal estratégia: ao conhecer os termos das tratativas entre o Reino Unido e a UE, fez questão de expressar seu ceticismo com o desfecho. Segundo Trump, qualquer mostra de concessão é interpretada como um sinal de fraqueza. Como tal visão de mundo se traduziria em ganhos palpáveis para parceiros dos Estados Unidos, eis aí uma pergunta sem resposta até o momento.

Estando nublada a via de diálogo com os Estados Unidos, é pouco claro de onde o Reino Unido obteria a energia para acelerar o seu crescimento econômico. Durante décadas, tanto a estrutura institucional quanto a produtiva do país se moldaram para aproveitar as oportunidades da associação com a Europa continental. Embora não seja perfeita, a UE favoreceu o florescimento de diversos setores da economia britânica. Ao romper tal equilíbrio, virá a necessidade de uma reinvenção que levará tempo. Estarão os cidadãos de uma nação desenvolvida dispostos a pagar o preço que virá com esse período transitório? Como reagirão caso os dividendos demorarem a chegar?

São perguntas importantes. O estabelecimento e a consolidação de qualquer estrutura produtiva complexa demanda tempo e a construção progressiva de regras de convivência. Nesse sentido, a negociação de um tratado de livre comércio costuma ser um passo importante, mas não o único. Em tempos de ansiedade e busca por resultados rápidos, uma dúvida fundamental diz respeito à resiliência da opinião pública às turbulências naturais derivadas de uma ruptura. Ainda que o resultado final fosse potencialmente positivo, aceitarão esperar anos até colher os frutos – incertos – dessa nova estratégia? Ou serão incentivados a apoiar estratégias erráticas, focadas em mitigar as inconveniências do curto prazo?  

O Brexit nos faz refletir sobre outros chamados por ruptura ao redor do mundo. Reconstruir a relação entre os países exige realismo na análise de cenários. A imagem de um sistema internacional “a la carte”, repleto de opções a serem escolhidas, é ilusória. Afinal, o sistema que estrutura as relações entre Estados limita as opções disponíveis. Os argumentos que impulsionam iniciativas como o Brexit – ou, mais amplamente, a intenção de desmontar uma visão “globalista” do sistema internacional – parecem enxergar limitações apenas nas instituições. Tendem a esquecer, porém, que um das funções centrais de uma instituição é a de transformar incerteza em risco. Seja pela força ou pelas regras, concessões fazem parte do jogo.   

Muito do clamor por ruptura parece se esquecer disso. Ou, ao menos, tende a mensurar equivocadamente o poder detido para impor as suas vontades aos outros. Quem sonha com um mundo “a la carte” sem os meios para torná-lo realidade acabará tendo que comer aquilo que sobrar do banquete alheio. Quando desenhadas de forma adequada, instituições ajudam a proteger os mais fracos – e aqui me refiro a um estado de debilidade não apenas em termos absolutos, mas em termos relativos. Da mesma forma, instituições podem auxiliar potências a amplificar o espaço de atuação em um mundo repleto de restrições. Seria o exemplo do Reino Unido, não fosse a falta de visão de longo prazo que tem contaminado o debate sobre o Brexit desde o princípio. Não é o único caso de miopia estratégica, infelizmente.  

BRUNO VARELLA MIRANDA

Doutor em Economia Aplicada pela Universidade de Missouri - Columbia.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.