FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Retirada de cipós - nova prática em cafezais

POR JOSÉ BRAZ MATIELLO

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO

EM 03/07/2018

2
1

Problemas com aumento de ervas trepadeiras em lavouras de café fizeram surgir uma nova prática de manejo de cafezais: a retirada dessas plantas de cima dos cafeeiros, conhecida como retirada de cipós.

As ervas daninhas que infestam os cafezais são classificadas de acordo com seu hábito de desenvolvimento, podendo ser rasteiras, erectas ou trepadeiras.

As trepadeiras, como o nome indica, tem hábito de subir em suportes próximos onde encontram sustentação. No caso do cafezal, nascem e crescem no solo e logo sobem nos pés de café, sendo duplamente prejudiciais. Concorrem com o cafeeiro em água e nutrientes retirados do solo pelo seu sistema radicular, além de concorrerem em luz, pela cobertura que fazem sobre a copa das plantas de café.

A principal erva trepadeira que ocorre em cafezais é a corda de viola (Ipomea sp.) verificando-se numa mesma área diferentes espécies. Umas com folhas maiores, outras menores, umas com flores pequenas ou grandes e de variadas cores, brancas, roxas, azuis e vermelhas, todas com hábitos semelhantes. Outras trepadeiras podem ocorrer em menor escala, como o cipó de São João, soja perene e outras.

No caso da corda de viola, sua expansão observada nos cafezais se dá pelo grande número de sementes produzidas e pela sua distribuição pelo maquinário, transitando nos tratos e colheita das lavouras. A dificuldade de controle ocorre devido ao fato de que muitas plantas nascem sob a saia ou entre os cafeeiros, na linha onde os herbicidas ou as roçadeiras usados para controle do mato não tem atuação.

A estratégia de controle da corda de viola consiste em iniciar a aplicação dos herbicidas mais cedo, pegando a maioria delas jovens, ainda no chão. As que escapam, só através de trabalhos manuais, com a retirada por arranquio dos pés com enxadas lá onde nasceram junto aos cafeeiros. Essa prática, conhecida como retirada de cipós, na realidade não os retira, apenas arranca-os do chão, fazendo com que murchem e sequem sobre os cafeeiros. Se retirados, além do maior trabalho necessário, poderiam causar danos mecânicos à folhagem, derrubando algumas folhas e frutos dos cafeeiros, na época de frutificação.

Normalmente, são necessárias duas passadas dos trabalhadores para retirada de cipós num ciclo, pois muitas ervas escapam da retirada inicial ou crescem novas depois da primeira passada. O uso de mão-de-obra varia em cada talhão, obviamente dependente do nível de infestação. Pode-se prever o emprego de até dois homens no dia por ha de cafezal na execução dessa prática, entrando, é um novo componente de despesas, do custo de produção do café.


2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSÉ BRAZ MATIELLO

MACAPA - AMAPÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 12/07/2018

Em qualquer roçadeira pode soldar um ferrinho lateralmente. De fato ajuda mas só pega aqueles que nasceram mais fora da saia, aqueles que saem lá no meio, entre pés não pega. Matiello
ADONIS CERRI

SÃO SEBASTIÃO DA GRAMA - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 10/07/2018

Boa noite ouvi dizer que a roçadeira das motos adaptadas, colocam um ferrinho na lateral da roçadeira que entra no chão e vai rebentando as cordas de viola que estão subindo na planta, será que da certo?