FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Polo cafeeiro no norte de Minas se fortalece com novas variedades

POR JOSÉ BRAZ MATIELLO

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO

EM 21/06/2018

0
0

Nos últimos anos, um novo polo cafeeiro vem se estruturando na região norte de Minas Gerais, quase divisa com a Bahia. Nessa área, a cultura do café está sendo explorada em projetos grandes e com bons níveis tecnológicos, incluindo irrigação sistemática, mecanização intensiva e introdução de novas variedades de café, as quais vêm apresentando características vantajosas, tornando as lavouras mais produtivas e econômicas.

A nova região cafeeira está compreendida em áreas com altitudes entre 700 e 900 m, situadas nos municípios de Águas Vermelhas, Ninheiras, Berizal, até Taiobeiras. Os solos tem bom nível de argila, a vegetação é de mata seca, as terras são plano-onduladas com facilidade de mecanização, mas o clima é seco, chovendo normalmente entre 600 e 900 mm ao ano. A temperatura média anual fica na faixa dos 21-22,5º C, sendo que em boa parte da área não fica abaixo de 19º C em nenhum mês do ano, resultando em crescimento dos cafeeiros praticamente o ano todo (ver climograma de águas Vermelhas, a 746 m de altitude- fig 1).

Nesses últimos anos o clima tem sido mais seco, com alguns tendo um índice de chuva menor que 400 mm. A condição climática, ajustada com o suprimento de água e combinada com o uso de tratos racionais, tem resultado em altos níveis de produtividade nas lavouras, sendo comum encontrar áreas de cafezais que alcançam produtividade ao redor de 70 scs/há, na média de 10 safras colhidas.

Nessas condições de clima mais seco e quente, a irrigação deve ser a nível tecnológico, tendo sido instalada nas lavouras cafeeiras nos sistemas de pivô-lepa com plantio circular e em gotejo. Algumas lavouras vêm recebendo também arborização com mogno africano, com plantio a 4 m entre plantas, cada 4-6 linhas de cafeeiros.

Em anos mais secos e quentes tem-se observado que, apesar de haver concorrência significativa das árvores com os cafeeiros na linha plantada, o ambiente sombreado fica mais propício, com os cafeeiros sempre mais verdes nas áreas arborizadas. Nesse aspecto, tratando-se de região mais quente, a escaldadura provoca o efeito de face de exposição dos cafeeiros de forma mais diferencial. O lado das linhas mais exposto ao sol da tarde mostra folhas mais amareladas, menor produtividade e maior ataque de cercosporiose (ver foto). Outro aspecto fisiológico observado é o efeito dreno, bem pronunciado nos cafeeiros nessas áreas. Os ramos de cafeeiros praticamente paralisam seu crescimento na fase de granação dos frutos (ver foto).

Nas variedades plantadas ainda predomina a cultivar Catuai vermelho, porém os dados de campos de observação e os plantios em maior escala vêm demonstrando bom desempenho de cultivares novos (tabela 1), como de Catucai amarelo 2SL e 24/137 e, especialmente, da cultivar Arara. Esta última, além de muito produtiva, tem demonstrado a característica de boa bebida, alcançando, mesmo nessa região um pouco mais quente, mais de 86 pontos na escala SCAA. O emprego de variedades tolerantes à ferrugem e de maturação mais precoce ou tardia favorece, também o controle da doença e a programação da colheita.






0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.