FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Cuidados com a sua produção cafeeira

POR EQUIPE CAFÉPOINT

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO

EM 18/06/2018

1
2

O mercado cafeeiro vem crescendo cada vez mais ao longo dos últimos anos. Algumas pessoas passaram a investir na produção e dúvidas surgiram como: pouca chuva nos últimos meses, como isso implicaria diretamente na produção do café; qual a melhor irrigação; problemas como o bicho-mineiro; agrotóxicos; orçamento; entre outros. Por isso, conversamos com o Pesquisador de Transferência de Tecnologia da Embrapa Café, Anísio José Diniz, que esclareceu estas questões.

Como a falta de chuva pode atrapalhar a produção cafeeira neste mês?
O cafeeiro tem durante o seu ciclo quatro fases fenológicas:

1- Florada e expansão dos frutos – outubro a dezembro;

2- Granação dos frutos - janeiro a maio;

3- Maturação e início da colheita – abril a junho;

4- Colheita e dormência das gemas reprodutivas – junho a setembro.

Neste mês de junho, a maioria das lavouras de cafés das principais regiões produtoras Brasil estão no terceiro ciclo fenológico – maturação dos frutos e início da colheita.

Os frutos de café no estádio cereja (maduros) encontram-se no ponto ideal de colheita, pois já acumularam maior quantidade de matéria seca e, ainda, não sofreram influências negativas de fermentações indesejáveis durante a evolução desse estádio de café cereja para café seco.

A ocorrência de chuvas ou de irrigação e, consequentemente, o aumento da umidade no solo durante o final da fase de granação e do início da maturação, conduz ao retardamento no processo de maturação dos frutos de cafés e, também, compromete a secagem desses frutos/grãos em terreiros de cafés a pleno sol, que influencia a qualidade da bebida.

Como o produtor pode realizar uma colheita sem que consuma boa parte do seu orçamento?
Toda atividade agrícola requer a presença de um profissional qualificado (Agrônomo) para fazer o planejamento e, também, do acompanhamento “in loco” das etapas definidas para a implementação, tratos culturais, manejo, colheita entre outras. Geralmente, as instituições de assistência técnica e extensão rural desempenham, por meio dos seus profissionais, essas atribuições.

Algumas práticas usadas na implantação e no manejo dos cafezais podem facilitar e melhorar o rendimento da colheita do café e, consequentemente, amortizar os impactos dessa etapa do processo produtivo no orçamento. Dentre essas práticas podemos citar a escolha das áreas (relevo, fertilidade do solo), cultivares adaptadas às diferentes condições edafoclimáticas e tolerância ao ataque de pragas e doenças, sistema de plantio (espaçamento, densidade de plantas por área), podas e arruações.

Qual o melhor método de irrigação para o plantio de café?
Para pensar na irrigação, é necessário conhecer a região em que está sendo produzido o café, pois ela pode sofrer adaptações por conta do solo, mão-de-obra, tamanho da lavoura. Recomenda-se a procura por um técnico que irá observar o dimensionamento do sistema de irrigação, ou até mesmo ao melhor método a ser utilizado (gotejamento ou aspersão), registrando informações mais precisas relacionadas às características físico-hídricas dos solos, a demanda climática histórico dos locais, ao relevo das áreas em questão.

A quantidade de água disponível na região que está inserida na lavoura de café pode estar relacionada às características de déficit hídrico prolongado e aos veranicos frequentes, determinando assim a necessidade de irrigação das plantas. Nesse caso, para suplementar esses períodos será necessária uma lâmina anual de 600 a 900 mm, a depender da extensão do período seco e da intensidade dos veranicos. Deve-se considerar ainda que com as tecnologias para irrigação disponíveis, hoje, é possível usar parte desse período seco para uniformizar a florada dos cafeeiros a partir da tecnologia do “Estresse Hídrico Controlado”, que consiste na suspensão temporária da irrigação. Essa tecnologia é fundamental para redução do tempo de colheita, obtenção de frutos de qualidade e aumento de produção.

Tecnologia de irrigação desenvolvida pela Embrapa
A Embrapa Cerrados, no âmbito do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café, desenvolveu uma tecnologia que visa o uso racional da água na agricultura denominada Estresse Hídrico Controlado. Essa tecnologia contribui para a produção de café cereja descascado na região do Cerrado, onde a distribuição irregular de chuvas impõe a necessidade de irrigação para viabilizar o cultivo de café. O estresse hídrico controlado, que dispensa investimento inicial, garante economia de água, aumento da produtividade (em torno de 15%), mais qualidade e menor custo para o produtor.

A técnica consiste em suspender a irrigação na estação seca do ano durante um período de 72 dias (sendo o período ideal entre 24 de junho e 4 de setembro) para sincronizar, uniformizar o desenvolvimento dos botões florais e, consequentemente, dos frutos, o que garante café de melhor qualidade. Esse processo tecnológico permite a obtenção de 85% a 95% de frutos cerejas no momento da colheita, maximizando a produção de cafés especiais, de maior valor agregado no mercado.

Em decorrência dessa uniformização, o número de passadas de colheitadeiras diminui, reduzindo a operação de máquinas (em torno de 40%). Além disso, a tecnologia garante a redução de grãos malformados (em torno de 20%) e dos custos de produção com água e energia (em média de 35%). O manejo adequado das aplicações da água de irrigação associado ao estresse hídrico controlado representa a melhor opção para evitar perdas de nutrientes por lixiviação e fornece condições propícias de umidade do solo, para que as raízes possam respirar adequadamente e atender à demanda hídrica e nutricional da planta.

Sobre o bicho mineiro, qual a melhor forma de combatê-lo?
O bicho-mineiro adulto é uma pequena mariposa branca-prateada, que durante o dia, fica escondida na folhagem e, ao entardecer, aparece voando junto ao cafeeiro, quando as fêmeas fazem a postura, na face superior das folhas. Após a eclosão dos ovos, as lagartas penetram no limbo foliar, onde se alimentam do tecido entre as epidermes, deixando um vazio, que vai crescendo na medida em que a lagarta se desenvolve. Essa área destruída seca aos poucos e forma lesões ou manchas de cor marrom, conhecidas como minas, dando o nome a praga “bicho-mineiro” ou “minador das folhas”. Essas minas ou lesões, em regiões mais úmidas, podem servir de entrada para o desenvolvimento de fungos, ampliando e as tornando escuras.

A intensidade do ataque depende de muitas causas: Chuva e ar úmido reduzem o ataque da praga. Lavouras mais arejadas e sujeitas a vento são atacadas com mais facilidade. Inimigos naturais reduzem o ataque da praga. Conforme resultados de pesquisa, esses inimigos, em condições favoráveis, podem reduzir o ataque da praga em mais de 70%.

O ataque da praga é maior nos períodos secos do ano, aumentando a partir de junho e atingindo o máximo em outubro. O ataque também pode aumentar nos meses de março ou abril, quando se verificam veranicos em janeiro ou fevereiro.

Nível de controle: 30% de folhas com minas intactas (lagartas vivas)

O controle integrado que utiliza de diferentes meios de controle (variedades e cultivares resistentes, controle cultural, químico, biológico, entre outros) é sempre o mais sustentável.

Informações sobre os ingredientes ativos e produtos comerciais utilizados no tratamento fitossanitário do café estão disponíveis no Portal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – Mapa no Sistema de Agrotóxicos Fitossanitários (AGROFIT) que consiste num banco de dados para consulta pública sobre controle pragas (biológico, cultural e químico), ingredientes ativos, produtos formulados, relatórios e componentes de fórmulas registrados no Ministério da Agricultura, com informações dos ministérios da Saúde e do Meio Ambiente.

É importante a presença de um profissional qualificado (Agrônomo) para fazer o planejamento e, também, do acompanhamento “in loco” das etapas definidas para a implementação, manejo da lavoura e dos tratos culturais necessários, nesse caso específico, para a identificação e controle do bicho mineiro, bem como de outros problemas de origem biótica e abiótica.

Como evitar o uso de agrotóxicos no café?
A partir do fornecimento equilibrado de nutrientes às plantas, essas terão crescimento e desenvolvimento suficientes para a produção de frutos e, consequentemente, grãos de cafés.  Contudo, devem ser considerados, além da nutrição equilibrada das plantas de café, outros fatores como a disponibilidade de água para que, por meio dela, haja absorção, distribuição e translocação dos nutrientes pela planta.

Plantas com nutrição equilibrada e, também, providas de outros fatores de crescimento e desenvolvimento em níveis adequados como água, luz, CO2, O2 e calor, por meio da adoção de boas práticas agrícolas e de gestão da cultura constituirão lavouras sustentáveis e os efeitos dos fatores abióticos (altas temperaturas, seca entre outros) e bióticos (ataque de pragas e doenças, entre outros) ao longo do ciclo da cultura serão mitigados.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FRANCISCO DE ASSIS LAMAR

SÃO LUÍS - MARANHÃO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 21/06/2018

Estas fases fenológicas, de acordo com o período do ano, é igual para todas as regiões do Brasil? Por ex. a Florada e expansão dos frutos que acontece entre os meses de outubro a dezembro, vai acontecer tanto na região sul quanto na centro oeste, ou seja quando o café estiver florindo la na região sul, vai estar florindo tb na centro oeste?