FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Ácaro no cafezal

POR EQUIPE CAFÉPOINT

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO

EM 26/10/2018

0
0

Na cultura do café existem três espécies de ácaros que causam prejuízos econômicos, considerados como pragas. Conheça suas características abaixo:

Ácaro Vermelho – é de tamanho bem reduzido, mas ainda visível a olho nu. Para ser examinado melhor, necessita de auxílio de uma lente de aumento de 10 vezes. Apresenta coloração avermelhada e se movimenta rapidamente.


Ácaro vermelho (foto aumentada)

Ataca a parte superior das folhas do cafeeiro, especialmente nos ponteiros, onde raspam a epiderme foliar, perfurando as células e se alimentando do conteúdo celular, causando a perda do brilho natural das folhas, daí o nome de ácaro do bronzeamento. As folhas atacadas ficam com aspecto sujo, provocado pelo acúmulo de poeira, detritos e cascas da ecdise (troca de “pele”) na sua superfície, ficando retidos por finas teias produzidas pela praga.

O ataque do ácaro vermelho tem início em reboleiras, podendo evoluir para toda a lavoura, limitando o crescimento das folhas e causando a desfolha, resultando no atraso do desenvolvimento de cafeeiros jovens. Os fatores predisponentes ao ataque do ácaro vermelho são a estiagem prolongada, uso de fungicidas cúpricos e de alguns inseticidas piretróides.


Sinais do ataque pelo ácaro vermelho

Além disso, tem-se notado recentemente que o uso de inseticidas via solo utilizado para o controle simultâneo da cigarra e do bicho mineiro, como os neonicotinóides, pode provocar aumento populacional do ácaro vermelho, mas a pesquisa ainda não tem uma resposta conclusiva da causa deste aumento populacional.

O controle deve se iniciar aos primeiros sinais do ataque, com pulverizações que sejam dirigidas para as reboleiras, evitando-se a eliminação de inimigos naturais que atuam no controle do crescimento populacional. Recomenda-se o emprego de produtos dos grupos avermectinas, antranilamida, cetoenol e enxofre.


Da mesma forma que o BMC, infestações por ácaros em cafeeiros novos devem ser evitadas, pelos prejuízos de uma desfolha intensa.

Ácaro Branco - conhecido também como ácaro do chapéu do mamoeiro, ácaro das rasgaduras e ácaro tropical, é visível somente com auxílio de lentes de aumento e sua importância como praga do cafeeiro é bem menor se comparado ao ácaro vermelho.

Se abriga em tecidos jovens, na parte inferior da folha, protegido dos raios solares. Sua presença só é percebida por conta de alguns sintomas, como redução de tamanho, enrolamento, encurvamento, deformação, rasgadura e seca das folhas.

Seu prejuízo tem sido mais frequente em plantas jovens. Normalmente, o controle natural mantém reduzida sua infestação, dispensando controle químico.

Ácaro da Mancha Anular - conhecido também como ácaro da leprose dos citrus ou ácaro plano, sua importância está mais relacionada em ser o vetor responsável pela transmissão da mancha anular do cafeeiro. Essa doença viral, dependendo das condições favoráveis, como estiagem prolongada, pode causar grande desfolha às plantas.


Ácaro da mancha anular na folha

Maiores prejuízos com a mancha anular no cafeeiro têm sido relatados entre os meses de abril e setembro em regiões com invernos mais secos, sendo essas condições propícias ao seu aparecimento. Nas folhas aparecem manchas cloróticas, anelares, principalmente no sentido da nervura principal, as quais podem se juntar formando uma mancha alongada. Nas nervuras da área atacada aparecem, posteriormente, manchas necrosadas. Nos frutos verdes, durante a granação, aparecem manchas arredondadas e com tonalidades amarronzadas. Nos frutos maduros aparecem manchas arredondadas, cloróticas e amareladas, que aceleram sua maturação e prejudicam a qualidade da bebida.


Ácaro da mancha anular em frutos

Recomenda-se fazer o controle preventivo no ano seguinte ao do aparecimento da doença na lavoura, com acaricidas seletivos aos inimigos naturais do ácaro plano, em duas aplicações em alto volume. Fazer a primeira após a colheita, com as plantas ainda pouco enfolhadas para uma boa dispersão do acaricida em seu interior, e a segunda na fase de chumbinho (novembro/dezembro), de forma mais dirigida aos frutos para atingir a coroa e o pedúnculo, local de maior concentração da praga. Os principais grupos de acaricidas recomendados para o controle do ácaro da leprose são as avermectinas e cetoenol.

As informações são do Manual do Café – Distúrbios fisiológicos, pragas e doenças do cafeeiro – Emater (MG).

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.