ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

45 anos com a ferrugem do cafeeiro

POR JOSÉ BRAZ MATIELLO

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO

EM 14/01/2015

3 MIN DE LEITURA

2
0
Por José Braz Matiello e Saulo R.de Almeida, engenheiros agrônomos da Fundação Procafé

Neste 17 de janeiro estamos completando 45 anos desde a constatação da ferrugem do cafeeiro no Brasil, identificada, pela primeira vez, em 1970, em Aurelino Leal, município do Sul Baiano.

Naquela época, pouco sabíamos sobre a doença e tentamos, a princípio, erradicá-la, depois procuramos confiná-la mais ao norte, através de uma faixa de segurança, mas logo, devido à facilidade de disseminação da ferrugem, ela escapou para as regiões cafeeiras mais ao Sul, sendo que em junho de 1970 já se encontrava o primeiro foco no Sul de Minas, em janeiro de 1971 em São Paulo e em outubro de 1971 no Paraná.

Assim, rapidamente foi preciso partir para uma estratégia de convivência com a ferrugem em nossos cafezais, com base em um programa de controle, que passou a dar ênfase a 3 setores – a pesquisa, a assistência técnica e o crédito. A pesquisa desenvolveu os métodos de controle, a assistência levou as tecnologias até aos produtores e o crédito deu suporte para a execução das práticas de controle.

O objetivo principal foi o de preparar os cafezais para o controle, através de novos plantios, em áreas zoneadas, com espaçamentos mais abertos na rua, visando facilidade no trânsito de maquinário pulverizador e adaptar, por podas e tratos adequados, as lavouras existentes. A melhoria da produtividade foi um ponto básico na política de convivência com a ferrugem, sendo essencial para gerar receita necessária para cobrir gastos adicionais com o controle químico, na época atingindo cerca de 20% do custo de produção do café.

Surgiu, assim, com a ferrugem, uma nova cafeicultura brasileira, ao contrário do que nos contava na época a história, que dizia que a ferrugem poderia acabar com o café, como havia acontecido no Ceilão. Também a literatura apontava a necessidade de usar um elevado número de pulverizações ao ano e com altas doses de cobre (7,5 kg por ha, a cada 21 dias).

A estrutura montada pelo IBC, na época, com 15 centros regionais de pesquisa, com uma equipe de Assistência de mais de 600 técnicos e com o crédito do Plano de Renovação e Revigoramento de Cafezais, resultou na renovação, de 1970 a 1979, de 1,4 milhão de hectares de novos cafezais. Chegou-se, em 1980, com uma safra de 25 milhões de sacas, apesar da geada arrasadora de 1975 e em 1983 com safras de 35 milhões e recorde, na época, de 42,7 milhões de sacas em 1987, quando em 1970, antes da ferrugem, produzia-se, apenas, 20 milhões. A base foi montada para que agora pudéssemos atingir, com novas melhorias, safras na faixa de 45-50 milhões de sacas/ano.

Parece que tudo foi fácil, porém houve muito esforço e mudanças fundamentais tiveram que ser feitas. Hoje, o custo de controle da ferrugem é de apenas cerca de 5% do custeio anual da lavoura e o próprio controle pode resultar em ganhos adicionais de produtividade, por efeito tônico dos produtos.

Vemos que a cafeicultura brasileira sobreviveu e melhorou com a ferrugem. Mas não foi assim em países cafeeiros vizinhos, aqui no continente americano. A Colômbia teve que trocar quase toda sua cafeicultura, substituindo a variedade caturra por variedade resistente e sua safra caiu de 12-13 milhões de sacas ano para 8 milhões e só agora começa a se recuperar. Países da América Central, como Guatemala, Honduras, El Salvador e Nicarágua, e, em escala menor, também a Costa Rica, estão tendo perdas importantes de safra com a ferrugem. Peru e Equador estão tendo problemas graves. A República Dominicana passou de exportadora para importadora de café com a ferrugem.

Disso tudo tiramos uma lição. Para enfrentarmos um problema grave precisamos investir com seriedade. Uma estrutura de trabalho ativa e integrada é importante. Conhecimentos, tecnologias e formas para fazê-los chegar aos produtores são a chave. Lavouras com bons níveis de produtividade são a base. Tudo isso com o apoio em preços de café remuneradores.

Evoluímos muito no controle químico da ferrugem. Precisamos evoluir mais na utilização do controle genético. Existe bom material disponível. É preciso maior difusão, para uma melhor aceitação das novas variedades pelos produtores. Afinal, os 45 anos de convivência com a ferrugem, com sucesso, nos trouxeram boas experiências, úteis para nossa luta contínua na tecnologia cafeeira.

Cafeeiro Acaiá, sem controle, desfolhado pela ferrugem. Varginha-MG

 
Cafeeiros Asabranca, resistentes à ferrugem. Coromandel-MG

Na Colômbia o prejuízo da ferrugem sobre a variedade Caturra

 
Planta de variedade resistente, na Colômbia

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

PAULO CESAR SANTOS SCALLI.

SÃO JOSÉ DO RIO PARDO - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 19/01/2015

Tomará que a pesquisa na cafeicultura tenha novos estudiosos e interessados, com José Brás Matiello, estamos ainda sem chão a respeito de broca e pseudomonas.

Parabéns DOUTOR.
ADELBER VILHENA BRAGA

CAMPESTRE - MINAS GERAIS

EM 15/01/2015

Agradecemos toda essa evolução a profissionais como Dr. José Braz Matiello!
CaféPoint AgriPoint