ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Café: custos de produção no Brasil sobem até 8,4% entre 2016 e 2017

PRODUÇÃO

EM 04/08/2017

0
0
Da redação

No Brasil, os custos operacionais na produção de café arábica entre abril de 2016 e maio de 2017 tiveram aumento de até 8,43%, totalizando mais de R$ 400,00 a saca. Ainda assim, de acordo com levantamento do Projeto Campo Futuro divulgado na semana passada, a margem líquida ficou positiva aos produtores. No Sul de Minas Gerais, principal região produtora do grão no país, o aumento dos custos chegou a quase R$ 40,00 a saca. 

Foto: Felipe Pagani/Café Editora
                                     Foto: Felipe Pagani/ Café Editora

De acordo com a Companhia Brasileira de Abastecimento (Conab), na safra passada o país produziu 43,38 milhões de sacas de 60 kg do tipo arábica. Na média brasileira, o Custo Operacional Efetivo (COE) teve aumento nas áreas onde a produção é manual, com 8,43% em relação ao período anterior, de abril de 2015 e maio de 2016, e de 6,83% no Custo Operacional Total (COT), que leva em consideração todos os gastos da safra abrangidos pelo COE mais depreciações e despesas, como mão-de-obra, fertilizantes, produtos fitossanitários, manutenção de máquinas e etc. 

Apesar do resultado, o relatório indica que a margem líquida foi positiva para todas as formas de produção (manual, mecanizada e semimecanizada). Em abril de 2016, por exemplo, os municípios com produção manual apresentaram um COT de R$ 402,18 a saca e Receita Bruta de R$ 452,75 a saca, resultando em uma margem líquida positiva de R$ 50,57 a saca. Em maio de 2017 aconteceu a mesma coisa, porém com uma margem líquida menor em 44,85%. "Isto ocorreu devido ao aumento no COT, que ficou em R$ 429,65 a saca", informou o projeto. 
Segundo o estudo, especificamente no Sul de Minas Gerais, os aumentos nos custos de produção foram próximos de R$ 40,00 a saca de um ano para o outro. Em Santa Rita do Sapucaí (MG), o COT que era de R$ 440,00 a saca em 2016 foi para R$ 462,93 em 2017, resultando em um aumento de 5%. Já em Guaxupé (MG), o custo que era de R$ 421,03 a saca em 2016 foi calculado em R$ 459,17 neste ano, com um aumento de 9% entre os dois períodos analisados.

"Na maioria das cidades verificadas as mudanças nos custos de produção não foram tão drásticas em relação ao ano anterior, mas ocorreram", disse o assessor técnico da Comissão Nacional do Café, da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Maciel Silva.

Em relação a margem líquida, foi verificado redução nos dois municípios. Em 2016, ela era positiva em R$ 7,55 a saca em Guaxupé e passou a ser negativa em R$ 22,96, no levantamento de 2017. Em Santa Rita do Sapucaí, a margem líquida que era de R$17,97 a saca passou a ser de menos R$10,17 a saca. "Além do efeito do aumento no custo de produção, a redução da margem líquida em Guaxupé foi resultado da redução em 1,8% na receita bruta obtida pelos produtores da região".

O Campo Futuro, que é um Projeto da Universidade Federal de Lavras (UFLA) e da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), é realizado mensalmente em fazendas 'modais' de 12 cidades produtoras de café dos estados da Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Rondônia, Roraima e São Paulo

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.