FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Universidade Federal de Viçosa desenvolve colheitadeira de café para áreas montanhosas

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 25/06/2020

1 MIN DE LEITURA

3
0

A Universidade Federal de Viçosa (UFV) recebeu este ano uma patente de um equipamento com potencial para proporcionar avanços na cafeicultura. A máquina derriçadora articulada tratorizada de frutos de café e similares possibilita a colheita em áreas de plantio cuja declividade seja superior a 10% – limitação que impede a utilização, em regiões montanhosas, dos modelos atualmente disponíveis. A invenção permite a realização desse procedimento em espaços com inclinação de até 50%.

A derriçadora foi desenvolvida no Laboratório de Mecanização Agrícola, vinculado ao Departamento de Engenharia Agrícola (DEA) da UFV, pelos pesquisadores Mauri Martins Teixeira e Raphael Magalhães Gomes Moreira, na época, professor e estudante de doutorado no DEA, respectivamente. Além de permitir a colheita e, consequentemente, o plantio em terrenos antes impróprios, o maquinário contribui para minimizar a falta de mão de obra disponível, problema recorrente no setor.

Outra vantagem da colhedora de café é possuir um chassi que permite a articulação da sua estrutura superior, já que os equipamentos convencionais têm um sistema hidráulico de compensação da inclinação. Mas um dos maiores destaques está no alto da máquina, onde fica o mecanismo de articulação que permite a colheita em terrenos com declividade em torno de 50%, mantendo os derriçadores sempre a uma mesma altura do solo. Com isso, a colheita é feita em toda a planta, independentemente da inclinação.

Comparada à colheita manual, a invenção proporciona outras vantagens além da eficiência. Permite, por exemplo, que se realize trabalho em períodos noturnos e também que haja liberação da planta em menor tempo, criando melhores condições de recuperação para uma nova safra. Há, ainda, a possibilidade de utilizá-la em outras culturas, como a da azeitona e da uva, com benefícios similares.

O depósito do pedido de patente havia ocorrido no final de 2013, sendo que no mês passado a mesma foi concedida à Universidade pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). A concessão confere a seu titular – no caso, a UFV – o direito de impedir terceiros de produzir, usar, vender ou importar o objeto patenteado sem consentimento do detentor.

Atualmente, a UFV possui 245 depósitos de pedidos de patentes, tendo obtido concessão para 49 delas, segundo a Comissão Permanente de Propriedade Intelectual (CPPI).

As informações são da Universidade Federal de Viçosa.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSE LUIZ GRISOTTO RIBEIRO

ALTO RIO NOVO - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 30/06/2020

PARABÉNS!!! A PRODUÇÃO ARÁBICA, DE TERRAS QUASE SEMPRE MONTANHOSAS, NECESSITAM MUITO DESSE EQUIPAMENTO. É SÓ AGUARDAR E VÊ-LA FUNCIONANDO.
ENG. AGR. ME. THALES AUGUSTO DUARTE DANIEL

JI-PARANÁ - RONDÔNIA - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 26/06/2020

Parabéns à UFV, pesquisadores, estagiários, empresas privadas entre outros colaboradores por mais esse protagonismo no contexto cafeeiro, sobretudo o de montanha, das Matas de Minas. Saudações agronômicas à Caratinga, Distrito de Santa Luzia em Minas Gerais.
MOISES DIAS RASPANTE

BOM JESUS DO GALHO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 26/06/2020

Top dimais