FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Selo de Pureza ABIC completa 30 anos

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 02/09/2019

1
0

Em 30 de agosto de 1989, a Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC) lançou o Selo de Pureza ABIC, atualmente um case de sucesso e exemplo para diversos países produtores. Ele foi responsável pela redução da fraude e adulteração do café no País, além de ter impulsionado o aumento do consumo interno.

Custeado pelas indústrias, o programa de autorregulamentação realiza aproximadamente cinco mil análises por ano, monitorando mais de 1.100 marcas de café em todo o território nacional.

Estampado nas embalagens das marcas que comprovadamente, após análise laboratorial, são produzidas 100% com grãos de café, o Selo de Pureza é um divisor de águas na história da indústria de café no Brasil.

Histórico
O cenário nos anos 1970 e 1980 era ruim. O consumo per capita, que em 1965 era de 4,72 quilos de café torrado e moído por habitante/ano, caiu para 2,27 quilos em 1985. Assim perceberam que o brasileiro estava deixando de lado o café por causa da baixíssima qualidade e do alto índice de fraudes.

Uma pesquisa de opinião feita pela Vox Populi, em 1987, mostrou que 67% dos entrevistados achavam que o café bom era exportado e o pior ficava para consumo interno.

Quando o Selo de Pureza foi implantado, mais de 30% das marcas analisadas e comercializadas em todo o País burlavam a legislação, ou com elevado percentual de impureza (cascas e paus que são colhidos junto o café na lavoura) ou com adição de outras substâncias.

Compromisso permanente
O cenário mudou ao longo dos anos e a ABIC afirma que as marcas fraudadas e impuras no mercado diminuíram significativamente. Os consumidores responderam as ações e hoje o Brasil é considerado o segundo mercado consumidor no mundo.

Em 2004, viriam a se juntar novas certificações ao Selo de Pureza, como o Programa de Qualidade do Café (PQC), que passou a trabalhar o mercado em categorias de produtos (Extraforte, Tradicional, Superior e Gourmet); e o Programa Cafés Sustentáveis do Brasil (PCS). A ABIC criou também um programa dirigido aos organismos públicos, o Nível Mínimo de Qualidade (NMQ), cujo objetivo é sensibilizar os órgãos governamentais para que, nas licitações, não se use apenas o critério de menor preço.

Todas essas  ações, iniciadas com o Selo de Pureza, primeiro programa setorial de certificação de qualidade de alimentos no Brasil, resultaram em um crescimento do mercado.

As informações são da ABIC.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

HALLYSON RAMOS

EM 02/09/2019

Parabéns pelo excelente trabalho realizado, jamais será um trabalho fácil de se fazer, porém é animador saber do comprometimento da empresa de se manter a qualidade dos nossos cafés. Embora eu entendo, que a maior responsabilidade é do consumidor, de saber que café não é nada igual um ao outro e de que precisamos conhecer mais sobre essa bebida tão consumida, seja em casa, no trabalho, nas padarias e cafeterias. As pessoas precisam entender mais sobre café, como consumir corretamente, como armazenar corretamente, como preservar o café com qualidade, se é certo ou não deixar o café na garrafa térmica o dia todo e as suas consequências, com base em cada detalhe desse citado, alcançaremos um consumo de café de melhor qualidade sempre.