FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

SCA compartilha pesquisa que busca solucionar crise de preços do café

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 19/05/2020

3 MIN DE LEITURA

0
0

A Specialty Coffee Association (SCA) publicou um resumo do trabalho da sua Iniciativa de Resposta à Crise de Preços (PCR), autorizada pela primeira vez em dezembro de 2018. Com o objetivo de entender e enfrentar a crise de preços que afeta os cafeicultores e ameaça a cadeia de suprimentos, o projeto focou na identificação de intervenções com maior potencial para mudanças sistêmicas de longo prazo, ao invés de uma correção de curto prazo.

Após a crise de preços em 2002, a SCA diz que o setor cafeeiro voltou-se para soluções focadas em agregar maior valor aos consumidores ou introduzir novos segmentos de mercado, mas, em retrospectiva, elas tiveram um impacto insignificante ao abordar o problema da renda estagnada dos produtores e que apenas uma pequena proporção do valor agregado é filtrada pelos produtores no modelo atual.

Identificando a distribuição desigual de valor como uma causa-chave, o resumo do trabalho da PCR apresenta oportunidades para trabalhar em direção a um setor de café especializado e justo. Para isso, emitiu cinco recomendações focadas em mudar o equilíbrio entre propriedade, finanças, distribuição de riscos, acesso a informações e governança.

Dois produtos principais para esta iniciativa são um mapa de sistemas e recomendações específicas para guiar o setor em direção à visão da iniciativa: ao distribuir o valor de maneira igualitária, resultará em uma cafeicultura economicamente próspera e produtores valorizados. 

Mapa de Sistemas

O setor de café especializado enfrenta muitos desafios complexos e inter-relacionados, e é claro que muitos dos sistemas fundamentais são a desigualdade arraigada e práticas insustentáveis.

O trabalho da Iniciativa PCR foi informado por metodologias e pensamento de mudança de sistemas. Uma abordagem de sistemas muda o foco das partes individuais de um sistema para a organização das partes, reconhecendo que as interações não são estáticas, mas dinâmicas e fluidas. Essa abordagem também reconhece que a mudança não é linear e ocorre em vários níveis - do nicho às alterações no nível da paisagem - em várias escalas de tempo.

Recomendações

Após a pesquisa de mesa, entrevistas com as partes interessadas, quatro convenções do setor, aprendizados com o processo de revisão por pares e inúmeras horas de discussão entre o grupo, o resumo do trabalho da PCR identificou uma série de recomendações, selecionadas por seu forte potencial de fomentar a longo prazo mudança no setor cafeeiro.

Cada recomendação abrange anos de trabalho pela frente, em vários projetos, organizações e plataformas.

1) Crie modelos de governança mais equitativos e distributivos (poder de decisão), perseguindo novos modelos, resistindo à hegemonia dos compradores, reimaginando políticas para proteger os pequenos proprietários e fortalecer as instituições produtoras.

2) Permita o compartilhamento de informações promovendo o acesso e apoiando novos modelos e ferramentas para práticas comerciais, melhorando o acesso dos produtores às informações de mercado e poder de barganha e desenvolvendo uma transparência bidirecional para apoiar a confiança entre produtores e consumidores.

3) Prossiga a distribuição equitativa de riscos, redistribuindo a carga de choques climáticos em toda a cadeia de valor, apoiando o desenvolvimento de ferramentas de gerenciamento de risco de preços e treinamentos direcionados aos produtores e apoiando a diversificação de opções para agricultores em comunidades produtoras de café não viáveis.

4) Produza uma mudança de mentalidade coletiva no setor de especialidade, interpretando o sistema de café como uma rede de valor complexa em vez de uma cadeia de suprimentos linear, definindo “café especial” para incluir sustentabilidade, além de sabor/qualidade, e apoiando a educação na criação e compartilhamento de valor.

5) Apoie a distribuição equitativa de financiamento e propriedade, estabelecendo novas normas de preços com base em rendas dignas, promovendo a "parcela do valor" obtida pelos produtores como um diferenciador e ponto de venda chave, reconhecendo a criação de valor dos agricultores por meio de serviços insubstituíveis de cultivar o material sobre o qual todo o setor depende e incentiva modelos de negócios nos quais os produtores mantêm os direitos de propriedade sobre o café em todas as etapas da cadeia de valor, para garantir que os produtores recebam recompensas proporcionais às dos proprietários das marcas.

O relatório detalha maneiras de implementar cada recomendação, além de identificar metas específicas, barreiras e estratégias para superá-las.

A SCA diz que abordar a criação e distribuição equitativa de valor exigirá desafiar o status quo, mudar as práticas de negócios e reconsiderar suposições - algo que a SCA como organização neutra está disposta e capaz de fazer com credibilidade - e socializar suas conclusões e recomendações.

O relatório completo está disponível aqui

As informações são do Global Coffee Report / Tradução Juliana Santin

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.