FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Grau Brix é tema de curso para produtores de Monte Santo de Minas (MG)

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 16/06/2020

2 MIN DE LEITURA

0
0

O Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG), do Sistema Faemg/Senar, orienta os produtores sobre a qualidade do seu café, bem como ações que o afetam e refletem no preço do mercado.

Em Monte Santo de Minas (MG), a técnica de campo e engenheira agrônoma Brisa Moreira Calsoni aposta em levar mais conhecimento sobre as características do grão, como, por exemplo, informações sobre o grau brix (escala utilizada para medir a quantidade de compostos solúveis) nos frutos e o quanto esse índice afeta a qualidade dos grãos.

“Muitos deles não sabiam que o brix é formado pela soma dos teores de glicose, frutose e sacarose extraídos na hora que se espreme o grão maduro. Muitos fatores internos e externos podem influenciar o grau de brix de cada lavoura, variando entre cultivares, clima, nutrição, altitude, entre outros”, explica Brisa.

Com a medição do grau de brix é possível determinar o momento ideal de iniciar a colheita em cada talhão. “O uso do refratômetro (brixômetro) tem ajudado na escolha do talhão e momento mais certeiro para iniciar a colheita, medindo com frequência grãos aleatórios de cada talhão separadamente”, afirma a engenheira agronôma.

De forma geral, os valores de brix para o café variam de 15 a 30 graus. Entretanto, os valores de referência para a qualidade ainda não estão devidamente definidos. São inúmeros os fatores de influência nas características químicas, físicas e sensoriais do café. Uma pesquisa da Embrapa Rondônia aponta que, para cafés especiais, tem se observado valores acima de 22 graus brix.

“Vale lembrar que essa característica não é primordial para obter a qualidade final do café. Observo que muitos produtores perdem qualidade no pós-colheita devido à dificuldade ou até falta de conhecimento para manejar esses lotes quando chegam no terreiro”, ressalta Brisa. Muitas vezes por não terem terreiro suficiente, safra elevada e, também, a dúvida sobre o momento certo de levar o café para o secador e clima, entre outros quesitos que podem condenar o lote que teve o maior grau de brix da propriedade.

“Diante deste cenário, optei por orientá-los este ano a cuidar melhor e com mais cuidado dos talhões que tem a tendência de ter um brix diferenciado, mostrando que é possível sim ter uma qualidade melhor, com uma gestão técnica de qualidade. O produtor está comprometido em se dedicar a essas orientações”, acrescenta Brisa.

Com essa proposta a técnica espera não só melhores resultados, mas também que o produtor, com o conhecimento adquirido, possa aplicá-lo em toda a sua lavoura nos próximos anos, garantindo dessa forma um produto de qualidade diferenciada, o que resulta em melhores rendimentos para o produtor.

As informações são da Assessoria de Comunicação Senar Minas – Regional Passos.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.