FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Especialistas debatem sobre o mercado de café pós Covid-19 em Encontro do Cerrado Mineiro

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 22/05/2020

0
0

Nos dias 20 e 21 de maio a Federação dos Cafeicultores do Cerrado, por meio da Fundaccer e em parceria com a Epamig realizou a quinta edição do Encontro de Inovação e Tecnologia para a Cafeicultura do Cerrado Mineiro.

Neste ano, por conta da pandemia da Covid-19, o evento aconteceu on-line e a transmissão foi através do Fala Café, projeto criado em conjunto pela Revista Espresso e pelo portal de notícias CaféPoint, que busca apresentar conteúdos e debates relevantes para ajudar na tomada de decisão dos profissionais do mercado com a atual pandemia.

O segundo dia contou com o tema Perspectivas de Mercado do Café Pós Covid-19 e contou com a participação de Nelson Carvalhaes, do Cecafé; Guilherme Morya, do Rabobank; Pedro Malta, da Nestlé e Georgia Franco, do Lucca Cafés Especiais.

O Superintendente da Federação dos Cafeicultores do Cerrado iniciou o debate comentando sobre as práticas no Cerrado e o avanço com o selo de origem e qualidade, o que promoveu um crescimento de 40% no volume de café. “Hoje vejo produtores com perfil empreendedor, boa gestão e buscando cada vez mais se captar no meio digital”, aponta.

O primeiro a apresentar seu ponto de vista sobre o momento atual em que o café passa foi o presidente do Conselho dos Exportadores do Café do Brasil (Cecafé), Nelson Carvalhaes. O tema foi Panorama das Exportações. Segundo ele estamos em um momento que não pensamos em vivenciar e surpreendeu o mundo todo.

Nelson aponta que até o momento a exportação do café brasileiro ainda não foi prejudicado, com a pandemia, como ocorreu com outros produtos. No mês de abril o país exportou 3,3 milhões de sacas de café, considerando a soma do café verde, solúvel, torrado e moído.

O presidente do Cecafé acredita em bom ano, já que o Brasil segue em um ritmo forte nas exportações, mesmo com a safra baixa do ano passado, “contamos com estoques remanescentes e uma boa performance”.

A expectativa de exportação ainda é alta para a Ásia e são os primeiros locais a reabrirem no momento, o Brasil é responsável por cerca de 10% do café que a China importa. Então o foco é se atentar para os países que estão retornando com suas atividades e que provavelmente consumirão cada vez mais café.

Outro ponto apresentado por Nelson é o processo que o café passa até chegar ao consumidor, com qualidade e segurança, respeitando todas as regras da Organização Mundial da Saúde (OMS). “Hoje temos pessoas mais interessadas em consumir produtos sustentáveis e vão querer entender como o café é produzido. Por isso o Cecafé conta com programas com o intuito de melhorar o trabalho dos produtos, responsabilidade social e questão ambiental”, completa Nelson.

Guilherme Morya da Rabobank, foi o segundo a se apresentar com o tema: Panorama geral do mercado. Ele trouxe dados de mercado em que apresentava o aumento das pequenas marcas, o que levou a uma leve queda dos grandes players.

Segundo a pesquisa o Brasil aumentou cada vez mais o nível de consumo de cafés especiais fora do lar, assim como em países como Japão e Coreia do Sul. Dentre as inovações o consumidor passou a levar a experiência em cafeterias para dentro de casa, com a compra de equipamentos.

Segundo Guilherme de repente a pandemia chegou, causando um grande impacto, com o fechamento de food service, cafeterias, restaurantes e a mudança para o lar, o que aumento a compra no varejo, pela busca de opções mais baratas e acessíveis. E a dúvida que ele afirma existir é como será a retomada, como o consumidor irá reagir? Seguirá no e-commerce, cafeterias devem investir no take away, delivery?

A Rabobank traz uma visão positiva para a safra brasileira de 2020/2021, de 67,5 milhões, o que será bom para a exportação dos grãos e consumo interno. Uma possível quebra da América Central, como por exemplo queda nas exportações da Colômbia neste ano; Honduras com queda nas exportações desde outubro do ano passado, pontos que são favoráveis para o Brasil.

Guilherme encerrou sua apresentação com os seguintes pontos:

? Demanda ainda é incerta, importante monitorar a recuperação dos países consumidores segunda linha e solúvel ganharam espaço;

? Grandes empresas ganham Market share e o varejo e e-commerce cresce cada vez mais;

? Cafeterias independentes podem perder espaço;

? Estoque menor e incertezas na oferta dão suporte aos preços do café

? A depreciação do real favorece as cotações do café em moeda local, o que pode travar custos e vendas futuras, gerando maior previsibilidade ao negócio.

A terceira apresentação ficou por conta de Pedro Malta Campos, da Nestlé, que tratou o tema: Demanda do mercado interno. Segundo ele a Nestlé realizou uma pesquisa interna em que 90% das pessoas declararam que o café não pode faltar. 50% aumentaram o consumo; 80% querem experimentar novas marcas e 50% estão dispostos a pagar mais.

Pedro apresentou que as buscas no Google aumentaram muito por assuntos como meditação, exercícios, saúde, receita de pão e café. O que mostra que a bebida está na rotina das pessoas e ganha cada vez mais relevância neste momento desafiador e o solúvel ganhou destaque.

Segundo ele a Nestlé segue as tendências de consumo e exigências do mercado e se conecta cada vez mais ao produtor, através do programa Cultivado com Respeito. Assim leva ao consumidor a origem e rastreabilidade de cada produto.

A última a se apresentar foi Georgia Franco, proprietária do Lucca Cafés Especiais, cafeteria localizada em Curitiba (PR) e de maneira emocionante apresentou sua história e como a cafeteria e torrefação foi impactada com o novo coronavírus.

Georgia apresentou sua trajetória no café e como após sanar suas dívidas e ter um ano positivo em 2019, chegar a um plano de sobrevivência para 2020, com férias para grupo de risco; fechamento do atendimento em 20 de março; férias para 70% dos colaboradores; delivery de café e pão; negociação dos aluguéis; e reforço do e-commerce; cursos à distância. Ela aponta que a cafeteria é o elo mais frágil da cadeia, “é difícil sobreviver 30 dias com a porta fechada”.

Ela reforça a importância do elo da cadeia, apoio aos produtores, a Covid-19 não pode abalar a sustentabilidade da cadeia!

 “Ninguém sabe o que vem pela frente, mas quem sabe o Brasil não possa ser o precursor da 4ª onda do café. Criamos um projeto junto com a equipe do Mundo Café, que fica em Uberlândia (MG), para a adoção de uma microtorrefação, uma ação para unir cada vez mais a cadeia e seguirmos com o compromisso de servir cafés especiais do Brasil, para os brasileiros”, finalizou.

O Encontro completo, com as discussões sobre o futuro do café pós pandemia, está disponível no Youtube. Clique aqui para assistir o Fala Café #4. A apresentação completa do primeiro dia, em que especialistas apresentaram suas pesquisas para o melhoramento da produção do café, também está no Youtube. Clique aqui para assistir o Fala Café #3.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.