ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Embrapa e Epamig estudam metodologia que permite mapeamento automatizado de áreas de cafeicultura

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 21/10/2021

2 MIN DE LEITURA

0
0

Acaba de ser disponibilizada gratuitamente uma publicação on-line que mostra os resultados do estudo realizado pela Embrapa Café, em parceria com a Epamig, que avaliou a utilização de imagens do satélite Sentinel-2A, em associação com uma nova metodologia de análise de imagens para a obtenção de mapas de uso da terra com foco nas áreas ocupadas pela cafeicultura. Os resultados mostram que essa é uma alternativa para agilizar e baratear o acompanhamento da dinâmica do uso da terra e as trajetórias da ocupação da cafeicultura nas diferentes regiões produtoras do País. 

Com o título “Mapeamento automatizado de áreas de café em Minas Gerais”, a publicação apresenta a metodologia que utilizou imagens do satélite Sentinel-2A e classificação semiautomática, baseada na segmentação de imagens, metodologia conhecida como Geobia, sigla em inglês para a análise de imagem baseada em objeto geográfico. O resultado apresentou alta acurácia, mesmo em regiões montanhosas. “A cafeicultura é diversa e complexa o que traz dificuldades específicas para a realização de mapeamentos precisos”, diz Helena Alves, pesquisadora da Embrapa Café. 

Ela explica que o sensoriamento remoto e o processamento digital de imagens são geotecnologias importantes para o conhecimento da distribuição espacial da cafeicultura no ambiente e a quantificação das áreas de produção. “Essas tecnologias permitem que grandes áreas possam ser mapeadas e monitoradas, com a finalidade de fornecer subsídios para gerar inovações que proporcionem maior sustentabilidade à produção. A classificação visual, apesar de ser muito precisa, consome muito tempo, mão de obra e recursos”, afirma.

Conforme comenta Helena, mapeamentos baseados apenas em imagens de satélite se mostram menos precisos, havendo a necessidade da conferência em campo para um mapeamento de qualidade. “Contudo, com os avanços recentes dos produtos de sensoriamento remoto associados às novas metodologias para o processamento digital das imagens, abrem-se novas perspectivas para o mapeamento de áreas cafeeiras, que ainda precisam ser estudadas e validadas”, destaca. 

Para o estudo, foram selecionados municípios pertencentes às quatro macrorregiões produtoras de café de Minas Gerais: Sul de Minas, Cerrado de Minas, Matas de Minas e Chapadas de Minas. “Esperamos que a metodologia descrita na publicação possa ser utilizada em todas as regiões produtoras de café do país para a produção de mapas temáticos, gerados por classificação automatizada, possibilitando o levantamento mais rápido, preciso e a custos mais baixos”, finaliza a pesquisadora.

Acesse aqui a publicação.

Conheça o todo acervo de publicações da Embrapa Café e faça download dos arquivos aqui. Confira as Análises e notícias da cafeicultura divulgadas pelo Observatório do Café clicando aqui. Acesse também as publicações sobre café e portfólio de tecnologias do Consórcio Pesquisa Café aqui.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint