FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

"Consumidores buscam mais por cafés especiais" é tema de Painel no Fórum

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 10/07/2019

0
0

Por Natália Camoleze, de Campinas (SP)

Campinas (SP) foi palco do primeiro dia do II Fórum Mundial de Produtores de Café 2019. O dia de palestras encerrou com o tema: Promover e aumentar o consumo, com a participação de Carlos Brando, engenheiro e sócio da P&A Marketing International; Phyllis Johson, co-fundadora e presidente da BD Imports; Nathan Herszkowicz,  presidente executivo do Sindicafé;  Fred Kawuma, secretário geral da Organização Interafricana do Café (OIAC); Moenardji Soedargo, diretor de operações e vice-presidente da Indústria de Café Solúvel PT ANeka Coffee Industry. 

Brando deu início ao último Painel do dia dizendo que segundo a Organização Internacional do Café (OIC), o consumo cresceu de maneira mais intensa que no passado, o que a longo prazo pode ser uma solução para melhorar a crise dos preços. O Brasil historicamente é o País que mais aumentou o consumo interno, já que incorporamos a bebida no nosso dia a dia e passamos a incentivar novos consumidores, como China e Indonésia. 

“Consuma mais café. Ao consumir mais café, você ajuda milhões de produtores a terem uma renda maior, vida melhor e preservar o meio ambiente. Será que isso é muito ingênuo ou deve ser explorado?”, foi a reflexão de Brando.

Herszkowicz trouxe um panorama sobre as razões do consumo de café no Brasil, que conta com 21 milhões de sacas de café, representando 40% da produção nacional, com 4,8% de crescimento de um ano para o outro. Números que mostram a evolução deste consumo e a qualidade dos grãos.


Nathan Herszkowicz - Foto: Mariana Proença/CaféPoint

A Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC) conta com um longo programa de certificação para garantir aos consumidores que o café era puro. Em 2004, passou a se falar da qualidade da bebida, então se criou o Programa de Qualidade do Café (PQC), que define em que categoria de “qualidade” o café está.

Com o aumento do consumo, a ABIC precisou criar um programa extenso para explicar aos consumidores várias coisas sobre o café e principalmente transmitir como é prazeroso o hábito de tomar a bebida. Segundo Herszkowicz, o brasileiro passou a consumir mais o café especial. A média de preços de café com Selo Gourmet da ABIC que foram consumidos no ano passado foi de R$ 56,45 kg. Os cafés tradicionais estão perdendo espaço para os especiais nos supermercados, o que demonstra essa diferença do consumidor.  “A preocupação da ABIC tem sido estimular a melhoria da qualidade e agregar valor aos produtos”, finalizou.

Moenardji Soedargo trouxe um panorama sobre o consumo da Indonésia que, segundo ele, não foi organizado. Tudo o que aconteceu foram os esforços esporádicos de instituições que promoviam o café. “Em algum momento chegamos a considerar adotar o guia de passo a passo da OIC, mas não estávamos prontos para implementar o programa e organizar o processo”, comentou.

Para ele, o país sempre teve a tradição de consumir chás bem doces e um café de péssima qualidade, com muito açúcar. Isso foi até os anos 90,quando uma empresa introduziu o 3 em 1, café pré-misturado, solúvel instantâneo e 2 g de café solúvel e o resto de açúcar ou leite em pó, uma forma revolucionária de servir a bebida. Assim começa  crescer o consumo e a entrada do grão na Indonésia. 

Foi nos anos 2000 que as bebidas com base de espresso ganharam notoriedade, como cappuccino e latte, não deixando de lado o solúvel, que marcou os hábitos do país. Hoje, a Indonésia conta com algumas cafeterias e passou a consumir e sair do papel de exportador para se tornar um mercado de consumo também. Em dez anos, a produção cresceu 17% e o consumo, 248%. 

Phyllis Johson começou sua palestra contando que trabalhou em uma fazenda de algodão nos Estados Unidos aos 8 anos de idade, o que a motivou a trabalhar com o café. Falando em Estados Unidos, o país consome muito café. Em 2019, grupos minoritários estão bebendo cafés especiais, ou seja, o consumidor também buscou por novos grãos. 

Os Estados Unidos gastam muito dinheiro protegendo a indústria, realizando pesquisas em empresa e no setor anualmente. As empresas que operam o café no país são pequenas. “Faça o que você puder com o que você tem e faça agora”, assim Phyllis finalizou sua apresentação.

Fred Kawuma abordou o consumo de café especial na África, uma tendência apresentada pela Organização Internacional do Café (OIC). Um desafio, segundo ele, pela falta de dados concretos do país. Com a visão geral de consumo de café local, percebe-se a melhora da qualidade do grão, mais processamento para o consumo doméstico e recentemente as marcas locais ganharam destaque no mercado global. 


Fred Kawuma - Foto: Mariana Proença/CaféPoint

São 25 países africanos produtores de café, sendo a Etiópia líder de consumo, com cerca de 51%. Camarões também aumentou o consumo e conta com um festival anual chamado de Festi Coffee, um lugar onde as pessoas se reúnem para promover o café e agora irão expandir para duas cidades ao ano. Assim, as novas gerações podem degustar os novos cafés e aprender mais sobre a produção, consumo e venda. 

Costa do Marfim é outro local em que o governo dedicou meio milhão de dólares para promover o consumo do café.  No Quênia, o consumo cresceu em cinco anos mais de 100%. Já a Uganda aumentou 13% em cinco anos, entre jovens de 18 e 30 anos. 

A última palestra do primeiro dia do Fórum contou, portanto, com a apresentação de representantes de quatro países. Todos afirmaram o aumento do consumo de cafés especiais, uma visão multicultural do que isso representa para cada país. Amanhã, o Fórum trará workshops sobre mercado, preços, aumento do consumo e análise do relatório apresentado por Jeffrey D. Sachs. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.