FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Colheita de café na Colômbia enfrenta prejuízos por conta da pandemia

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 12/05/2020

0
0

Nas colinas e montanhas de Antioquia existem milhares de fazendas de café que permaneceram praticamente inalteradas por gerações, sendo, em sua maioria, propriedades familiares.

Embora as montanhas tenham abençoado a Colômbia com alguns dos solos vulcânicos mais ricos em nutrientes do mundo, o terreno extremo muitas vezes impossibilita a mecanização. É por esse motivo que a vida e os negócios do café continuaram da mesma forma ao longo do século passado.

No entanto, dadas as enormes quantidades de trabalho manual tradicionalmente necessárias, o impacto da covid-19 pode ser significativo, com ramificações para os consumidores em todo o mundo.

Uma colheita já atrasada

Antes das medidas de contenção da pandemia entrarem em vigor, os cafeicultores do país já lidavam com uma ameaça silenciosa. A mudança climática está afetando o clima tropical da Colômbia, adiando o início das estações chuvosas. Em vez de começar em março, foi adiado até abril deste ano. Isso significa que a colheita pode se tornar mais vulnerável a doenças como broca-do-café.

Fazendas maiores em escala industrial são capazes de responder com planos de contingência para gerenciar esse risco, graças aos seus recursos e acesso a dados meteorológicos precisos. Mas muitos dos pequenos proprietários, que são a espinha dorsal da indústria, ficam se perguntando por que seu conhecimento ancestral não é mais um bom indicador das estações.

“Algumas fazendas não perdem tempo colhendo esses lotes, pois terão mais defeitos, mas descobrimos que não colher as cerejas danificadas cria um risco aumentado o problema da broca, que ataca o restante da colheita”, comentou Manuel Londoño, terceira geração de produtor de café da Finca Las Brisas na Arábia, Pereira. Com riscos como este, alguns pequenos produtores podem perder até 15% de sua colheita, o que pode ser a diferença entre obter lucro ou não.

A indústria cafeeira colombiana obviamente não está sozinha em sua batalha contra as mudanças climáticas. Produtores vizinhos também estão sofrendo impactos semelhantes em suas colheitas.

O paradoxo do preço do café

O ano passado foi desafiador para os cafeicultores do condado. Enquanto a Colômbia exportou uma quantidade quase recorde de café, o mercado global de commodities resultou em alguns dos preços mais baixos pagos pelos cafés colombianos em anos.

Em abril de 2019, o preço por quilo atingiu sua terceira menor taxa em cinco anos no mercado de Nova York, com 8.428 pesos colombianos (US$ 2,6). Como a maioria das fazendas de café do país consiste em pequenas propriedades de 2 a 5 hectares, as quedas de preços podem afetar duramente os agricultores.

Após essa baixa, os preços vinham subindo lentamente desde abril do ano passado. No entanto, desde o início do bloqueio global da covid-19, os preços do café na Colômbia subiram para um nível quase histórico. A Federação Nacional de Cafeicultores da Colômbia (FNC), responsável por definir a taxa básica que pagam pelos grãos de seus membros, aumentou o preço em média 70% em relação ao mesmo período do ano passado.

À primeira vista, esse aumento de preço é um paradoxo, pois cafés, bares e restaurantes em todo o mundo permanecem fechados. No entanto, isso pode ser parcialmente explicado pelo estoque entre os principais torrefadores e fornecedores, o que está pressionando a oferta entre os produtores em escala industrial.

No entanto, produtores de pequena e média escala geralmente trabalham diretamente com distribuidores independentes menores, portanto são menos impactados pelas ações dos principais compradores. Mas esses agricultores agora estão sendo procurados pela FNC, que está preenchendo contratos futuros e, ao mesmo tempo, os protege contra possíveis escassezes de oferta no curto prazo.

Como o peso perdeu 20% de seu valor em relação ao dólar desde o início do ano, a FNC pode pagar preços mais altos para atrair esses pequenos produtores a vender para eles. Se esses altos preços puderem ser sustentados, os agricultores poderão receber um lucro inesperado na próxima colheita. No entanto, esse período de exportação também está sendo atendido por volatilidade e incerteza.

Uma questão simples de mão de obra

Dada a enorme dependência da indústria do trabalho manual, as medidas de contenção de coronavírus já estão causando impacto. Para muitas fazendas grandes, 50% a 60% de seus trabalhadores vêm da área local.

A maioria dos trabalhadores sazonais geralmente fica alojada em acomodações compartilhadas nas fazendas, no entanto, morar em locais próximos é considerado um risco potencial à saúde, uma vez que os governos buscam reduzir a disseminação do coronavírus. Além disso, restrições ao transporte público podem dificultar o transporte de e para fazendas para o trabalho.

Essa questão do trabalho cria um dilema para muitas fazendas. "Se os trabalhadores da saúde estão na linha de frente, os trabalhadores da agricultura estão na segunda", disse Samuel Roldan, proprietário do Cafe Roldan em Ciudad Bolivar, em Antioquia. “As indústrias agrícolas não podem parar ou a sociedade cairá no caos. Os efeitos ainda não foram alcançados, mas se os processos agrícolas forem impactados por causa desse vírus, a sociedade enfrentará muito mais que um problema de saúde”, completou.

Com pouco apoio do governo para permitir que os trabalhadores viajem com segurança durante a quarentena, as grandes fazendas estão usando seus recursos e influência para contornar essas restrições. Alguns também se adaptaram rapidamente, contratando trabalhadores de varejo e hospitalidade sem trabalho de cidades vizinhas maiores. Por serem financeiramente mais estáveis, também estão oferecendo salários 10% a 20% mais altos do que o habitual, já que as fazendas agora estão competindo entre si pelos trabalhadores.

Já as menores fazendas familiares gerenciam suas colheitas usando seus membros da família. Isso está criando pressão para as fazendas de tamanho médio, que precisam desesperadamente de trabalhadores, mas estão se sentindo enganadas por seus concorrentes maiores. No entanto, mesmo essas grandes fazendas terão dificuldade em atender à expectativa de colheita.

As autoridades de saúde pública, preocupadas com o potencial dos trabalhadores que trazem o coronavírus para o interior, exigiram medidas rigorosas de distanciamento nos campos, o que reduzirá significativamente a capacidade de colheita.

Café especial pode sentir o aperto

Como muitos países produtores de café, os agricultores colombianos diversificaram-se em variedades de cafés especiais de alta qualidade nos últimos anos. Muitos cafeicultores acreditam nisso como uma maneira de aumentar seus lucros e estabilizar preços, à medida que a demanda por café especial continua crescendo. O governo colombiano reconheceu a ação com o lançamento do Fundo de Estabilização do Café, que visa investir em milhares de fazendas para adequá-las aos padrões especiais de café.

No entanto, se o preço do café permanecer alto, os agricultores que pensam em mudar para as culturas especializadas podem adiar isso indefinidamente, enquanto os produtores especializados podem voltar para as culturas comerciais. O incentivo para fazer isso é claro: poder vender café comercial a um preço fixo do governo traz muito menos riscos. Produtores de café especiais, voltando ao café convencional, podem impactar imediatamente a cadeia de suprimentos.

Como observou Cristian Raigosa, proprietário do Proyecto Renacer em La Sierra, Antioquia, “isso pode levar ao cancelamento de alguns acordos, o que poderia afetar seriamente o fornecimento a pequenos importadores de café artesanal que não têm anos de lealdade ou pré-pagamentos feito com os produtores".

Uma desaceleração ou reversão na taxa de fazendas comerciais que mudam para variedades especializadas também teria impactos mais amplos na indústria cafeeira colombiana. Os agricultores podem adiar ou sacrificar a sustentabilidade financeira de longo prazo em busca de lucros rápidos no curto e no médio prazo, pois não há sinal de reversão na preferência dos consumidores por café de alta qualidade. Enquanto isso, uma redução prolongada no suprimento de café especial seria sentida pelo consumidor em termos de preços mais altos.

Aumento de preços, mas por quanto tempo?

Infelizmente, para os agricultores, os recentes aumentos de preços não significam necessariamente maiores lucros. Parte dessa margem aumentada terá que ir para salários mais altos, necessários para atrair trabalhadores, enquanto aqueles que se encontram com uma força de trabalho reduzida terão inevitavelmente uma colheita menor.

Quanto tempo durará esse aumento de preços é outra questão. Tradicionalmente, os preços começam a cair assim que a colheita se inicia, à medida que o mercado fica inundado de suprimentos. Enquanto muitos grandes produtores esperam uma correção de preços em breve, há muita incerteza para apostar nisso.

Por um lado, o peso perdeu 20% de seu valor em relação ao dólar no início de março, devido em parte ao colapso dos preços do petróleo. Como é improvável que os preços do petróleo se recuperem tão cedo, uma queda de longo prazo resultante no valor do peso incentivará os compradores a continuar comprando café colombiano.

Além disso, o equilíbrio fundamental entre oferta e demanda pode ser inclinado a favor dos vendedores por algum tempo. Embora a compra de pânico tenha diminuído, não há dúvida de que as colheitas deste ano serão significativamente menores que nos anos anteriores, na Colômbia e em outras partes do mundo cafeicultor. E, apesar de muitos cafés estarem fechados ou limitados, os dados iniciais do setor de varejo sugerem que as vendas de café nos supermercados estão diminuindo o consumo.

Olhando para o futuro, também não está claro o que as dificuldades econômicas terão nas cadeias de suprimentos. O que está claro é que, para as centenas de milhares de agricultores espalhados pelos picos e planaltos andinos da Colômbia, o aumento dos preços pelo menos aliviou algumas das pressões sofridas. Se a demanda permanecer alta e os preços permanecerem nos níveis atuais ao longo de 2020, o equilíbrio de poder mudará para eles pela primeira vez em muitas décadas.

As informações são do Daily Coffee News / Tradução Juliana Santin

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.