ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

CNC pede agilidade na liberação dos recursos do Funcafé

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 11/05/2018

0
0

O Conselho Nacional do Café (CNC) solicitou ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) agilidade na liberação dos recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) para a safra 2018.

De acordo com o CNC, para evitar qualquer atraso na liberação dos recursos do Fundo, é vital que as minutas de resoluções que tratam dos juros e dos prazos de contratação das linhas de financiamento estejam aptas para serem deliberadas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) em sua reunião de 24 de maio.

O início do trâmite para a assinatura dos contratos para operação dos recursos do Funcafé pelos agentes financeiros depende desses votos do CMN e que sua aprovação até o final de maio é pré-requisito para que os recursos do Fundo estejam disponíveis aos produtores e suas cooperativas a partir do início de julho.

O CNC também solicitou a prorrogação do prazo de contratação da linha de Custeio do Funcafé com recursos remanescentes do orçamento de 2017 para 31 de julho deste ano. O prazo oficial se encerrou em 28 de fevereiro.

A ação se justifica porque essa medida é imprescindível para garantir fluxo contínuo de oferta de crédito para o financiamento da colheita até que os recursos do orçamento 2018 estejam oficialmente contratados pelos agentes financeiros.
 
Por ter ciência que a safra brasileira 2018 é de bienalidade positiva, o CNC entende que a disponibilização tempestiva dos recursos do Funcafé para o ordenamento da oferta é fundamental para evitar maiores aviltamentos de preços aos cafeicultores.

Segundo informações disponibilizadas pelo Mapa, o volume de recursos do Funcafé liberado aos agentes financeiros, com data de referência de 9 de maio, chegou a R$ 3,413 bilhões, representando 74,24% do total de R$ 4,598 bilhões solicitados na temporada 2017.

Do montante recebido pelas instituições, R$ 1,423 bilhão foi destinado para a linha de Estocagem; R$ 807,5 milhões para Custeio; R$ 683,9 milhões ao Financiamento para Aquisição de Café (FAC); e R$ 498,8 milhões para as linhas de Capital de Giro, sendo R$ 267,2 milhões para Cooperativas de Produção, R$ 156,6 milhões para Indústrias de Torrefação e R$ 75 milhões para o setor de Solúvel.

Os contratos futuros do café tiveram desempenho negativo no acumulado da semana, sendo influenciados pelo início dos trabalhos de colheita no Brasil e também pela força do dólar.

A moeda norte-americana subiu diante da cautela de investidores antes da definição dos Estados Unidos em relação ao acordo nuclear do Irã, o que elevou a demanda em nível mundial. Investidores também acreditam que o Federal Reserve (Banco Central dos EUA) deverá aumentar os juros quatro vezes até fechar 2018. Seguindo o ritmo externo, o dólar também se fortaleceu ante o real, encerrando a sessão de ontem a R$ 3,5467, alta de 0,6% na semana.
 
Na Bolsa de Nova York, o contrato "C" com vencimento em julho/2018 recuou 305 pontos na comparação com a sexta-feira passada, negociado a US$ 1,1955 por libra-peso. Na ICE Futures Europe, o vencimento julho do café robusta ficou cotado a US$ 1.743 por tonelada, declinando US$ 70 na semana.
 
Em relação ao clima, a Somar Meteorologia informa que o tempo será instável nesta sexta-feira em parte do Estado de São Paulo e se generaliza no fim de semana, em função da passagem de uma frente fria que está no oceano.

O Serviço Meteorológico alerta, ainda, que pancadas de chuva mais intensas ocorrem nas faixas oeste e sul, mas todas as áreas continuam com condições para ventos de intensidade moderada a forte. Devido ao aumento da nebulosidade, as temperaturas devem diminuir.

No Brasil, apesar do início dos trabalhos de colheita em algumas áreas, o mercado segue praticamente parado, à medida que os preços não agradam os vendedores e também por causa da alta incidência de verde nos primeiros frutos colhidos. Os indicadores calculados pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) para os cafés arábica e robusta ficaram em R$ 444,31/saca e a R$ 326,88/saca, respectivamente, com perdas de 1,5% e 1,1%.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.