FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

CNA defende a importância do crédito rural

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 11/04/2019

0
0

Ontem (10), a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou de uma audiência pública na Comissão de Agricultura e Reforma Agrária (CRA), do Senado Federal, para debater sobre a importância do crédito rural e do seguro agrícola.

O superintendente técnico da CNA, Bruno Lucchi, propôs que haja mais alternativas de crédito rural para ampliar a concorrência e desburocratizar a tomada de recursos para o produtor. Segundo ele, a entidade tem discutido outras formas de captação de recursos para o setor agropecuário, como fundos de previdência privada e títulos verdes.

Destacou também a necessidade de participação de mais bancos no crédito rural, como os de cooperativas. “Precisamos buscar novas fontes para ampliar a concorrência, baratear o custo da burocracia, pulverizar o funding e oxigenar o crédito”, justificou.

Para Lucchi, o crédito oficial deve voltar a financiar a assistência técnica para os produtores rurais. Em relação ao seguro rural, o superintendente falou sobre a importância do aprimoramento dos instrumentos de mitigação de risco e criticou a falta de previsibilidade orçamentária para a subvenção.

Neste contexto, defendeu mais recursos para a subvenção ao seguro e a garantia dos mesmos para o produtor no orçamento, além de mecanismos como o seguro de faturamento e a concessão da subvenção diretamente ao produtor. “Com a concessão direta, ele vai ter maior poder de barganha por juros menores. O produtor também precisa de um incentivo por buscar a mitigação dos riscos”, ressaltou.

Lucchi também falou sobre uma agenda legislativa para o agro, com propostas que ajudem o produtor na desburocratização do acesso aos recursos, custos cartoriais, melhores condições para o seguro e um ambiente regulatório para os títulos do agronegócio.

O secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mpa), Eduardo Sampaio, afirmou que diante das restrições fiscais do Estado, o foco da política agrícola deve se voltar a quem tem mais dificuldade de acessar recursos no mercado, que, segundo ele, são os pequenos e médios produtores.

Para o subsecretário de Política Agrícola e Meio Ambiente do Ministério da Economia, Rogério Boueri, o direcionamento de crédito é um dos motivos para os altos spreads no Brasil. “A agricultura não é a vilã, mas é uma parte desse problema”. Para ele, a política agrícola nos moldes definidos até hoje foi concebida para um período em que o Brasil era importador de alimentos. “É necessário uma redução progressiva do direcionamento de crédito, focalização das subvenções e mecanismos de fortalecimento do produtor no mercado de crédito”, completou.

As informações são do CNA.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.