FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

24 de maio, Dia Nacional do Café

POR EQUIPE CAFÉPOINT

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 24/05/2019

0
0

Por Silas Brasileiro*

Nesta sexta-feira, 24 de maio, celebramos o Dia Nacional do Café, a bebida mais querida dos brasileiros e a segunda mais consumida no país, atrás apenas da água.

A importância histórica que o café tem para o Brasil é notória. O produto foi a principal fonte de riquezas ao longo de muitos anos, sendo responsável pelo processo de industrialização e modernização do país.

Os dias atuais têm sido desgostosos ao setor, principalmente aos produtores, diante dos baixos preços oferecidos no mercado e dos elevados custos de produção. Entretanto, temos motivo para celebrar a data.

O Brasil, por meio dos investimentos em pesquisa e tecnologia, realizando assistência técnica e extensão rural, mantém-se na liderança da produção mundial, tendo avançado de oito sacas para 33 sacas por hectare em produtividade.

Nosso país também encabeça o ranking da exportação, com um market share de aproximadamente 35%, e é o segundo maior consumidor da bebida, absorvendo 40% do que produz e situando-se logo após o líder Estados Unidos.

Somos o país mais sustentável na produção, dando exemplo de preservação ambiental, gerando milhões de empregos ao ano no aspecto social e, com a implantação de inovações e tecnologias, somos a nação mais competitiva no lado econômico.

Para preservarmos essa vanguarda, aprovamos, este ano, no Comitê Diretor de Pesquisa e Desenvolvimento do Café – CDPD/Café do Conselho Deliberativo da Política do Café (CDPC), 95 propostas, as quais estão distribuídas em 11 desafios de inovação tecnológica (saiba mais aqui) que foram orientados e aprovados pelo CNC e demais entidades da cadeia produtiva no final de 2017.

Os projetos serão desenvolvidos nos próximos quatro anos, envolvendo a aplicação de R$ 27,12 milhões do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé) nesse período.

Não obstante nosso empenho em pesquisas para a sustentabilidade do setor, também temos aprovado consecutivos orçamentos recordes do Funcafé, que, para a safra 2019, disponibilizará R$ 5,071 bilhões.

O orçamento atual do Fundo será importante para os cafeicultores escoarem sua produção ao longo de toda a safra, evitando comercializações nos momentos de preços mais aviltados.

As linhas de financiamento voltadas à produção totalizam aproximadamente R$ 3,5 bilhões e possibilitarão a entrada ordenada de cerca de 10 milhões de sacas no mercado, mitigando os impactos das baixas cotações aos produtores.

O CNC também tem realizado uma série de atividades que possibilitem a redução dos custos produtivos aos produtores, como o 1º Workshop Café com Tecnologia, oportunidade em que foram apresentadas as tecnologias desenvolvidas pelo Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café, avaliada a possibilidade de parcerias com as nossas cooperativas e elencadas as demandas tecnológicas consideradas prioritárias.

Constituímos um grupo com representantes cooperativistas e das instituições de pesquisa, que será responsável por direcionar os trabalhos voltados a atributos positivos de redução de custos, aumento de produtividade e melhoria da qualidade da bebida, tendo como foco prioritário a cafeicultura de montanha do Sul de Minas Gerais, região mais afetada pela queda dos preços em razão do seu elevado custo para o cultivo.

Também participamos da audiência pública da Frente Parlamentar do Café para discutir as atuais dificuldades enfrentadas pela cafeicultura nacional. As medidas emergenciais elencadas após o evento envolvem ações que garantam preços remuneradores aos produtores na safra 2019, que já teve os trabalhos de colheita iniciados.

Diante das baixas cotações, o setor privado está trabalhando junto com o Governo para o desenvolvimento de um mecanismo de mercado que apoie e permita a geração de renda. Solicitamos ao Ministério da Agricultura, ainda, o aporte de recursos para a Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2020, também com o intuito de apoio à comercialização, haja vista que a safra do ano que vem possivelmente será de ciclo alto.

Outra medida emergencial determinada se refere à repactuação do passivo dos produtores. Nesse sentido, reunimo-nos com o secretário executivo do Mapa, Marcos Montes, que informou que o governo deverá anunciar medidas para facilitar a renegociação em breve e que a ministra Tereza Cristina tem empenhado grande esforço para buscar soluções para a dívida de um setor que tem muita importância dos pontos de vista econômico e social ao Brasil.

Mesmo diante das adversidades que sempre enfrentamos, jamais deixaremos de trabalhar em prol de uma cafeicultura brasileira cada vez mais sustentável e, com os avanços e conquistas que alcançamos e alcançarmos, termos motivos para, ano a ano, celebrarmos o Dia Nacional do Café!

*Silas Brasileiro é presidente executivo do Conselho Nacional do Café (CNC).

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.