ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Semana Internacional da Agricultura Tropical debate digitalização do campo e organização coletiva

POR EQUIPE CAFÉPOINT

AGENDA DO PRODUTOR

EM 26/03/2021

4 MIN DE LEITURA

0
0

Durante os dias 22 e 26 de março, vem sendo realizada a Semana Internacional da Agricultura Tropical – AgriTrop 2021. Na sessão da última quarta-feira (24), foram debatidos temas como: aumentar e regular o financiamento verde, incentivar sistemas nacionais de pesquisa agropecuária, promover a digitalização inclusiva do campo, investir em inovações para atender ao crescente aumento da demanda por proteínas e cooperar para adaptar as formas de produção para se preparar para os fortes impactos climáticos, sob o título Desafios e inovações institucionais para uma nova etapa do desenvolvimento da Agricultura Tropical no Mundo.

Desde segunda-feira (22), especialistas de vários países da Europa, África e América Latina estão reunidos para compartilhar expertises sobre sistemas alimentares, convergência das agendas agrícola e ambiental, além de desafios e inovações relacionados ao futuro da alimentação mundial. O evento, realizado pela Embrapa e pelo Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), vai até essa sexta-feira (26) e também tem o objetivo de colher contribuições para a Cúpula Mundial de Sistemas Alimentares, das Nações Unidas, marcada para setembro. 

Pedro Martel, chefe da divisão de Economia, Meio Ambiente e Desenvolvimento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), destacou dois avanços institucionais que considera importantes: melhorar os sistemas nacionais de pesquisas e a disponibilidade de marcos regulatórios para os financiamentos verdes.

“O Brasil, por exemplo, destina 1,82% do PIB agrícola, enquanto a Guatemala destina 0,14% e, na maior parte dos países, são destinados menos de 1%. Os investimentos em capacidades humanas, em doutores e pesquisadores, estão concentrados no Brasil, na Argentina e no México. Os demais países da região têm poucos pesquisadores. Este é o ponto central e mais importante com relação a mudanças institucionais”, pontuou.

De acordo com Pedro, os volumes de financiamento verde são pequenos em comparação com os financiamentos ordinários. “Austrália, Nova Zelândia e Canadá são exemplos positivos que têm mais 50% dos seus ativos financeiros nesta modalidade. A América Latina tem pouca participação do setor financeiro e poucos instrumentos de apoio, além de faltar definições claras sobre o que são fundos de financiamento verde”, disse, ressaltando que há, ainda, uma preocupação com fundos que passam por verdes, mas não são. “Este é um debate e um tema regulatório importantíssimo”, disse .

Desperdício

Para Gustavo Chianca, representante-adjunto da FAO no Brasil, a agricultura tropical é uma das chaves para reequilibrar a segurança alimentar no mundo e, para isso, a digitalização no campo deve ser priorizada. Ele também apontou a bioeconomia como parte da solução, especialmente no aproveitamento de resíduos de culturas agrícolas na alimentação. “Dessa forma, além de contribuir para a segurança alimentar, agregamos valor aos produtos agrícolas”, pontuou.  

Ele afirmou que, até o início dos anos 2000, houve crescimento da produção alimentar, mas a partir de 2014, o cenário mundial começou a piorar especialmente na região subsaariana, em grande parte devido a conflitos, mudanças climáticas e a pandemia de Covid-19, que agravou ainda mais a situação a partir de 2020.

No entanto, ele afirmou que um dos maiores problemas é o desperdício e as perdas de alimentos que ocorrem desde a colheita até a distribuição. “O total de alimentos perdidos e desperdiçados hoje no mundo é de 220 milhões de toneladas por ano, ou seja, 330 kg per capita. O impacto econômico no PIB global é de aproximadamente 150 bilhões de dólares”, revelou.  

Ele avalia que os países do cinturão tropical devem investir em novas culturas agrícolas e em proteínas alternativas, pois a produção mundial gira em torno de cinco commodities. “Precisamos diversificar essa gama de produtos para beneficiar especialmente a população à margem do desenvolvimento. Muito se fala no futuro, que precisaremos aumentar a produção de alimentos para atender ao aumento populacional, que deve chegar a 10 bilhões de pessoas em 2050. Mas, hoje, temos 800 milhões de pessoas com fome no mundo. Portanto, o problema é atual e premente”, frisou.

Clima, infraestrutura e desafio demográfico

Alguns dos desafios do continente africano, apresentados por John Purchase, do AgBiz, são semelhantes aos da Índia, como clima e infraestrutura.  Segundo ele, o continente é o mais afetado pelas mudanças climáticas. “Hoje já enfrentamos sérios problemas com secas e inundações em vários países”, ressaltou. É também o que apresenta o pior cenário em termos de insegurança alimentar.

Entre os fatores que levam a esse cenário, Purchase destacou o alto crescimento demográfico. A previsão é de que a população do continente chegue a dois bilhões em 2050 e dobre até 2100, alcançando quatro bilhões. Outro desafio é o crescimento das importações na África Subsaariana. “A África precisa melhorar sua produção agrícola para explorar seu potencial comercial”, afirmou Purchase, lembrando que o clima da região subsaariana é muito similar ao do Brasil.

Segundo ele, o continente tem enorme potencial de crescimento agrícola no que se refere a recursos naturais, subutilizados, especialmente em relação à terra e à água. Outras limitações apontadas por Purchase são de ordem logística de infraestrutura de transportes, que prejudicam embarques para a Europa e Oriente Médio, além da conquista de novos mercados. “A África tem produtos nativos importantes, como coco e café, entre outros, que poderiam ser mais exportados, além de ajudar a alimentar outros países que enfrentam problemas de aumento populacional, mas é premente investir em infraestrutura e logística”, ponderou.

Como soluções potenciais, ele ressalta a necessidade de uma política de gestão ambiental eficiente, incluindo questões ligadas à posse da terra, acesso a financiamento, tecnologia, capacitação, informação e mercados, fortalecimento de cadeias produtivas sustentáveis

Os links de transmissão estão disponíveis na programação no hotsite do evento

As informações são da Embrapa.

 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CaféPoint AgriPoint