ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Mudanças climáticas já afetam a cafeicultura familiar

POR ULISSES FERREIRA DE OLIVEIRA

ULISSES FERREIRA

EM 16/01/2019

0
2

Mudanças climáticas começam a afetar a agricultura familiar no Brasil, com impactos na produção, na qualidade do produto e consequentemente na saúde financeira, e a cafeicultura é uma das atividades mais afetadas.

Chuvas de pedra, períodos de seca intermináveis, calor excessivo, veranicos prolongados, nascentes secando, falta de água em propriedades e chuvas torrenciais, você vê algum desses acontecimentos em sua região? Mesmo que seja difícil se colocar no plano dos impactos e responsabilidade do aquecimento global, todos estamos observando no dia a dia que nosso clima mudou, e certamente nossa forma de produzir e consumir realmente tem contribuído para essas mudanças.

E mesmo que você seja cético quanto a este assunto é impossível não concordar que o desmatamento de áreas verdes, queimadas, contaminação de cursos d’água, manejo inadequado de lavouras e pastagens fazem com que o ambiente no qual a propriedade está inserida tenha a sua qualidade piorada.

Em minhas palestras e treinamentos sobre sustentabilidade no campo, mostro uma série de imagens do estado do Paraná com a evolução do desmatamento continente à dentro. Entre 1930 e 1990, a cobertura florestal no estado caiu de 64% para apenas 7,59% na década de 90.

Sempre digo a produtores e alunos que não estamos aqui hoje para condenar os desmatamentos do passado, as condições da época, as tecnologias, as políticas e os conhecimentos demonstravam que esse era o caminho a ser feito, desbravar e conquistar novas áreas. Porém chegamos a um limite perigoso.

Recuperar o que já foi desmatado não é possível e talvez nem seja necessário. Em muitas dessas áreas existem cidades, vilas, pessoas, famílias, lavouras, criações, empresas, escolas, pomares, ou seja, vida.

Porém, hoje, temos a informação de que algumas áreas de grande importância ambiental precisa de restauração e sabemos também que outras áreas precisam ser preservadas, que precisamos no “mato”, do verde, do habitat para a fauna silvestre. Hoje, temos o compromisso com a nossa geração e as gerações futuras e certamente seremos cobrados se não fizermos a nossa parte.

E já estamos sendo cobrados. Seja na cidade ou no campo, as mudanças climáticas já apresentam seus efeitos, trazendo prejuízos, transtornos e preocupações para consumidores e produtores.

No caso do café, as mudanças climáticas produzem efeitos negativos, como a perda da qualidade do grão devido ao mau enchimento do fruto, provocado por veranicos prolongados; a perda de produtividade devido às secas prolongadas; a perda de produção em consequência de chuvas de granizo e chuvas torrenciais; dificuldade para formação de novas lavouras em virtude de falta de chuva em épocas de plantios, e o não pegamento da florada devido a temperaturas elevadas, entre tantas outras consequências.

Para combater os efeitos das mudanças climáticas são necessários investimentos em técnicas e tecnologias que prometem mudar o manejo da lavoura e adequá-lo à nova realidade, porém essas mudanças exigem investimentos elevados.

Em 2018, o presidente da illycafé, Andrea Illy, destacou que serão necessários investimentos de US$ 1 bilhão por ano em nível global até 2050 para mitigar os efeitos do aquecimento global na cafeicultura.

Neste cenário, a cafeicultura familiar tem um grande desafio pela frente para se manter competitiva, pois com pouco capital para novos investimentos e pressionados pelos baixos preços praticados no mercado internacional, o produtor já começa a sentir os efeitos das mudanças climáticas e se vê incapaz de enfrentar esse desafio.

Técnicas como irrigação por gotejamento, colheita mais rápida, construção de terraços e bacias de contenção de águas da chuva, fertirrigação e arborização de cafezais, demandam conhecimento e investimentos.

Sem apoio técnico para o enfrentamento das mudanças climáticas e sem recursos, agricultores veem aumentar o risco da atividade e contabilizam perdas crescentes provocadas pelas condições climáticas.

Vale aqui ressaltar o importante trabalho desenvolvido por diversas organizações FairTrade no Brasil, que capacitaram seus produtores e estão investindo em ações mitigatórias, porém carecem de recursos e veem estagnada a demanda pelos cafés produzidos de forma sustentável.

Recentemente postei uma publicação no Facebook que mostrava a onda de imigrantes em direção à fronteira dos Estados Unidos. Um dos entrevistados da reportagem se apresentava como cafeicultor familiar que fugia da seca e dos baixos preços do café, que tornaram a vida na Guatemala insustentável.

Presidente Trump, ao invés de construir um muro, assine o acordo de Paris e incentive suas grandes corporações a comprar cafés sustentáveis da agricultura familiar. Certamente você terá muito menos dificuldade de aprovar um plano de apoio à agricultura em países em desenvolvimento e atingirá seu objetivo de reduzir a entrada de imigrantes em seu país.

ULISSES FERREIRA DE OLIVEIRA

Administrador, especialista em cafeicultura sustentável, Diretor do Departamento de Desenvolvimento e Meio Ambiente da Prefeitura Municipal de Botelhos e consultor de associações e certificações agrícolas.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.