FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

A força do agronegócio de Guaxupé e a luta de seus produtores

POR ULISSES FERREIRA DE OLIVEIRA

ULISSES FERREIRA

EM 06/04/2020

3 MIN DE LEITURA

1
0

Por Ulisses Ferreira

Guaxupé é um dos municípios mais relevantes do agronegócio brasileiro, conhecido nacional e internacionalmente por sediar uma das maiores cooperativas agrícolas do mundo, a Cooxupé. Guaxupé tem números expressivos que demonstram a pujante economia baseada na exportação do Café.

Para se ter uma ideia, segundo dados do Ministério do Comércio Exterior e Serviços, de janeiro a novembro de 2019 Guaxupé já havia exportado mais de US$ 725 milhões, o que coloca o município de pouco mais de 52.000 habitantes na 8° colocação do estado e 61° do país no ranking de exportações. O café representa 100% dessas exportações.

Tais exportações estão intimamente ligadas à Cooperativa Cooxupé, porém outras importantes empresas do setor como a Exportadora Guaxupé e o Grupo Ribeiro do Valle também atuam no município, que possui porto seco destinado ao desembaraço aduaneiro para a exportação do Café.

Este é o que a maioria das pessoas que não vivem em Guaxupé conhecem da cidade, porém um trabalho recente me levou ao polo da cafeicultura do Sul de Minas e pude conhecer de perto um pouco mais do agronegócio do município, e uma das primeiras perguntas que fiz àqueles que vivem o dia a dia do produtor guaxupeano foi, “Bom Guaxupé é uma potência do agronegócio, mas como está o produtor de Guaxupé?

A resposta é complexa e está sendo tema de um trabalho realizado com participação de diferentes atores e deve ser respondida através de levantamento de dados e entrevistas com produtores, além de reuniões de pessoas ligadas ao setor. Graças ao Guaxupé 2050, projeto adquirido pela prefeitura municipal com a consultoria da Agência de Desenvolvimento do Leste Paulista e Sul de Minas, a cidade está envolvida na busca dessa resposta e ainda na criação de propostas para os próximos 30 anos. Como Guaxupé espera estar em 2050. O projeto é suprapartidário, tem a participação popular e solidária nas análises e propostas de melhoria.

Um dos eixos desse projeto é relativo ao setor de agronegócios, porém o projeto prevê estudos na área de turismo, saúde, educação, comércio, indústria, etc... Como consultor do projeto na área de agronegócio, coletamos dados que mostram algumas realidades do produtor do município.

A maioria absoluta, 90%, são homens, o que demonstra a importância de ações voltadas a valorização e o reconhecimento das mulheres no campo. Mais de 60% dos produtores não possui ensino médio completo, ainda em termos de escolaridade um dado curioso é que mais de 17% dos produtores relatam ter curso técnico, o que mostra a importância do Instituto Federal do Sul de Minas para a formação técnica da produtores da região. Mais de 50% relata não receber assistência técnica. Apenas 26% dos produtores informam ter acesso a crédito rural.

O café certamente é o maior produto agropecuário do município, porém produção de leite, soja, milho, feijão, banana e macadâmia, além da produção de Frutas, Legumes e verduras está crescendo com a recém criada Associação dos Produtores da Agricultura Familiar de Guaxupé (APRAF). O que mostra que muito mais do que um polo em exportação de café o município também tem potencialidades em vários seguimentos.

Para desenhar o futuro o conhecimento da realidade atual é fundamental e o município sabe agora quais são seus pontos fortes e fracos, ameaças e oportunidades e espera criar um plano que possa fazer com que Guaxupé continue sendo uma potência do agronegócio, gerando emprego e renda para sua população. Neste sentido algumas propostas já estão surgindo como a necessidade de investimento em diversificação da produção, a busca por estar na vanguarda das transformações digitais pela qual passa o campo, além de aproveitar o potencial turístico do município que já possui constante fluxo de visitantes de negócios, mas que espera criar condições para que o turista possa permanecer por mais tempo no município.

Ou seja, embora Guaxupé já seja uma referência em agronegócio o município não quer dormir em berço esplendido e pretende melhorar ainda mais o ambiente de negócios para se tornais ainda mais dinâmico e competitivo.

O projeto Município 2050 executado pela Agência de Desenvolvimento do Leste Paulista de Sul de Minas, também está realizando ações voltadas para o agronegócio e São José do Rio Pardo, Tambaú, Mococa e Lambari, sendo uma grande oportunidade para lideranças do agronegócio dos municípios buscar maiores resultados e direcionar os esforços na busca pelo desenvolvimento sustentável no meio rural.

ULISSES FERREIRA DE OLIVEIRA

Administrador, especialista em cafeicultura sustentável, Diretor do Departamento de Desenvolvimento e Meio Ambiente da Prefeitura Municipal de Botelhos e consultor de associações e certificações agrícolas.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ISABEL APARECIDA DE OLIVEIRA

LAMBARI - MINAS GERAIS - PROVA/ESPECIALISTA EM QUALIDADE DE CAFÉ

EM 08/04/2020

Estou cada vez gostando mais desse progeto.
CaféPoint AgriPoint