ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

A moeda norte-americana e a cafeicultura

POR BRENO MESQUITA

AGRO DEBATE - BRENO MESQUITA

EM 02/04/2015

2
0
Foto ilustrativa: Café Editora
Foto ilustrativa: Café Editora

A cafeicultura começa a sentir o impacto da alta do dólar refletido diretamente no custo de produção. Os principais produtos, que voltam a onerar os gastos do produtor são os defensivos e os fertilizantes, pois cerca de 70% das substâncias que os compõem são importados e o preço varia conforme a cotação do dólar. Se a moeda continuar subindo, os insumos vão ficar mais caros, aumentando as despesas do cafeicultor.

Nas regiões mecanizadas (planas) a participação dos insumos no Custo Operacional Efetivo (COE) é de cerca de 50%, sendo 65% desse percentual gasto com fertilizantes. Nas lavouras montanhosas, os insumos têm participação menor no COE, de 20% em média, sendo que 75% desse valor são direcionados apenas aos fertilizantes. Assim, a alta do dólar impacta principalmente nas lavouras mecanizadas no país, diminuindo a margem de lucro do cafeicultor.

Na tentativa de amenizar o problema, o produtor deve se preparar com maior eficiência para reduzir os riscos decorrentes das oscilações de preço mediante uso de ferramentas para venda futura do café. Isso pode ser feito através do mercado futuro, mercado de opções ou junto às cooperativas, além das operações de troca com as indústrias de insumos.

Outra opção é orientar o produtor para que ele utilize técnicas adequadas de manejo, gerenciamento e monitoramento em todas as etapas dos processos de produção de café, visando à aplicação dos insumos (fertilizantes e defensivos) apenas nos talhões, onde realmente é necessário. Adotando-se medidas como estas, será possível otimizar o uso dos insumos e reduzir os custos de maneira significativa.

Um ponto que vale a pena de ser avaliado é sobre a importação do produto destinado ao combate da broca do café. Nos últimos dias também foi prorrogado o prazo de emergência fitossanitária em Minas Gerais, assim como havia sido em outros estados produtores, devido ao risco iminente de surto da praga. Porém, neste caso, a autorização é emergencial e temporária, destinada à importação do produto por uma única empresa.

Em um mercado competitivo e com custos altos, o produtor de café não pode ficar refém de uma empresa. É fundamental que o governo atente para as dificuldades que a cafeicultura enfrenta e possa, com agilidade, propiciar ao produtor mais opções de compra do produto, com o princípio ativo Ciantraniliprole para o combate da broca.

Esta praga não pode voltar às lavouras. Ela ataca os cafezais, impactando diretamente no grão que será comercializado. Para cada 5% dos frutos atacados pela praga, até 1% apresenta defeito, interferindo diretamente na qualidade da bebida e, consequentemente, no preço recebido pelos cafeicultores. Além disso, a broca pode causar perdas quantitativas, em casos graves de infestação máxima, atingindo 12 quilos em cada saca beneficiada de 60 quilos.

Para melhorar este cenário é necessária a articulação junto ao Mapa para que o Ciantraniliprole seja registrado definitivamente no país e acompanhar junto ao Ministério o andamento do processo de registro de outro produto, com o mesmo princípio ativo e adição de Abamectina. Neste caso, o processo de registro deveria ser mais simples, pois o produto já é registrado para outras culturas como abóbora, berinjela, meloeiro, melancia, pepino, pimenteiro, tomateiro, morangueiro, macieira e pereira. Sendo assim, a solicitação de uso pode ser estendida para o café. 

BRENO MESQUITA

Cafeicultor, diretor da FAEMG e presidente das Comissões de Café da FAEMG e da CNA.

2

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ANTONIO COSTA REIS

ITAMOGI - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 27/04/2015

pois é BRENO, voce acha que o produtor tem caixa para usar um produto de R$ 1200,00 / ha, voces deveriam sim, acabar com o monopólio da DUPONT neste produto e solicitar que se lance um genérico com a mesma molécula, tá ??  
AMAURI REZENDE PACHECO

BOA ESPERANÇA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 03/04/2015

Grande coisa , tratamento de broca pro R$ 1.200,00 ha,  faça me o favor Breno, tenha santa paciência , arruma uma coisa mais inteligente pra fazer!, larga a mão de politicagem , e tenha eficiência!!