ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Gestão, políticas públicas e prece a São Pedro

BRENO MESQUITA

EM 07/11/2014

4
0
Foto: Aislan Henrique da Silva/ Café Editora
Foto: Aislan Henrique da Silva/ Café Editora


Passada a colheita, e em reta final do beneficiamento, a quebra da safra brasileira de café é fato consolidado. Em alguns estados produtores, como o líder Minas Gerais, a seca tomou proporções tão significativas que mesmo os cafeicultores mais antigos disseram nunca terem visto situação semelhante.

Os reflexos da seca certamente influenciarão também a produção em 2015. Ainda é cedo para se falar em percentuais de volume ou da participação no mercado internacional, mas é preciso já lidar com a preocupação dos produtores em como manter fluxo e rentabilidade frente a cenários tão pouco otimistas. Outro questionamento: como não deixar que a seca afete a qualidade dos cafés especiais, pelos quais o Brasil vem se destacando em todo o mundo? São essas as grandes incógnitas para o setor nesse final de ano.

Tanto os cenários possíveis para 2015, quanto a urgente necessidade de alternativas para que o produtor tenha fôlego para passar a fase atual, demandam duas frentes de atenção e muito trabalho: políticas públicas e gestão.

Por políticas públicas, incluem-se velhas conhecidas do setor: renegociação de ativos e facilitação do acesso do produtor a linhas de crédito, seguro agrícola e opções de venda, que lhe permitam o controle sobre o escoamento da safra sem prejuízo ou endividamento. Bem além desses instrumentos emergenciais, é preciso que haja proposição de políticas de planejamento para reduzir a vulnerabilidade do setor frente às inúmeras variações climáticas e mercadológicas a que está submetido. O primeiro passo precisa ser o diagnóstico e georreferenciamento da cafeicultura brasileira; um estudo bastante completo do setor, capaz de subsidiar a proposição de soluções concretas e geração de renda para a atividade.

Também são políticas públicas de enorme importância as ações voltadas à abertura de mercado, ampliação do consumo e valorização do café brasileiro em todo o mundo. Sabemos bem o nível que alcançamos e, no entanto, não o alardeamos como deveríamos. É preciso investir em marketing, em posicionamento e comercialização internacional calcada na qualidade.

Ao mesmo tempo, precisamos dar ao cafeicultor condições para gerir seu negócio - com o controle de quem bem conhece os momentos de sufoco e o impulso empreendedor dos que perseguem dias muito melhores. Enquanto as políticas não se concretizam e as incertezas dão ainda a tônica das expectativas para a próxima safra, o segredo estará na gestão eficiente, na administração de custos e investimentos e na avaliação cautelosa sobre quando e como vender sua produção.

Produzir, sabemos bem. Nessa lição temos já um dez com louvor. É hora de o cafeicultor se tornar bem sucedido também na administração de seus negócios e na busca pelo reconhecimento público de sua enorme importância para a economia brasileira. No mais, é rezar pela chuva. 

BRENO MESQUITA

Cafeicultor, diretor da FAEMG e presidente das Comissões de Café da FAEMG e da CNA.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JANIO ZEFERINO DA SILVA

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 17/11/2014

Caro Breno,



A garantia de renda é o principal alicerce de qualquer atividade econômica.



As politicas de opções financeiras com proteção ao cafeicultor de todos os portes e que produz todo tipo de café é o primeiro passo, sem pensar em compras físicas de café.



Quanto ao marketing, a cadeia produtiva do frango e da carne bovina tem a receita pronta. O setor tem que investir em marketing interno e externo. O Governo pode dar apoio logístico e institucional, mas recursos financeiros é pouco provável.

Com apenas R$ 1,00 por saca/ano teríamos cerca de R$ 40 a 50 milhões/ano para investir em promoção do café brasileiro mundo a fora.

Dividindo esse valor entre cafeicultor, mercado interno e exportação muito pode ser feito.



Quanto ao georreferenciamento, concordo que é preciso redefinir as fronteiras da cafeicultura brasileira fortalecendo-a onde é mais viável sob os aspectos ambientais, sociais e econômicos e propiciando para as regiões de menor viabilidade oportunidades de se reposicionarem em outras culturas e atividades de forma a não incentivar o êxodo rural.

Para isso, é preciso determinação, coragem e liderança, atributos que Você tem!

Agora é começar!

Conte comigo           
MARCO ANTONIO JACOB

ESPÍRITO SANTO DO PINHAL - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 10/11/2014

Breno ,



quais as politicas públicas podemos esperar , ou que estão sendo desenhadas ?
MARIA ELIZABETH PÉRES VILELA JACOB

CARMO DO RIO CLARO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 10/11/2014

Breno contamos com sua dedicação e determinação junto ao nossos Ministerio da agricultura e Fazenda.

Temos feito o dever de casa em nossas lavouras e no mais como voce disse é rezar pela chuva que continuam muito escassas em minha região.
SILVIO GIOVANNI DE ALMEIDA

PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 09/11/2014

Meu caro Breno queira por favor voce que homem pubrico enviar a nosso companheiro cafeicultores essa noticia que nem todo cafe que produzimos o mundo vai consumir com isso devemos ser mais organizado e produzimos apenas o nessessario que aí vamos ter preço.Um lembrete a nossos companheiro cafeicultores uma safra de cafe  para garantir preço´tem que ser 30 milhões sacas e não 45 a 50 milhões.