carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Notícias > Produção

Presidente da Cocapec diz que safra 2018 na Alta Mogiana é incerta

postado em 10/11/2017

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Por Camila Cechinel

Nas principais regiões produtoras do país, a florada está permitindo belas fotografias para os agricultores. No entanto, quem tem um pouco mais de experiência na cafeicultura sabe que uma grande quantidade de flores na lavoura indica que ela possui menos folhas, o que é prejudicial para a produção final. 

Foto: Produtor Claudio Barbosa
                                         Foto: Produtor Claudio Barbosa

Segundo o presidente da Cooperativa de Cafeicultores e Agropecuaristas (Cocapec), Mauricio Miarelli, a região da Alta Mogiana, em São Paulo, teve uma florada exuberante esse ano, indicando condições adversas na lavoura e uma produção incerta para a safra de 2018: "não temos capacidade hoje de fazer uma avaliação da safra. O que eu posso dizer é que ela será menor do que pensávamos", disse em entrevista ao portal Notícias Agrícolas. 
A visão do especialista está relacionada ao fato de, no município brasileiro, ter chovido muito abaixo da média, com temperaturas  altas em agosto e setembro que ocasionaram o estresse hídrico da planta: "tenho grandes incertezas com relação a safra na Alta Mogiana no ano que vem. Que vai ter queda de produção eu não tenho dúvida, difícil é calcular o prejuízo. Acho que só será possível ter uma visão mais precisa do ciclo no mês de fevereiro", explicou Miarelli. 
Neste momento as temperaturas estão agradáveis na região da Alta Mogiana, mas as chuvas continuam irregulares, deixando toda a cadeia produtiva do café apreensiva. Segundo o presidente, o que está complicando agora são as infestações das pragas nas lavouras, especialmente o bicho-mineiro, que se desenvolve justamente na seca.

"Para essa época do ano isso não é normal e piora a perspectiva para a produção de café do ano que vem. Antes acreditávamos em algo em torno de 3 milhões de sacas, o que era uma previsão muito boa, mas agora talvez a gente chegue em 2,5 milhões", disse.

Comercialização do café

Muitos produtores que visitaram a Semana Internacional do Café (SIC), que aconteceu em outubro deste ano, no Expominas, em Belo Horizonte, Minas Gerais,  relataram suas incertezas sobre vender ou não vender o café pelos preços sugeridos no mercado. Outros tantos cafeicultores afirmaram, também, que estão comercializando o produto apenas para cumprir com o necessário. 
Para o presidente da Cocapec, a tomada de decisão é mesmo difícil, ainda mais com os preços muito aquém dos praticados em 2016: "se tivéssemos com a perspectiva de colher uma bela safra em 2018 talvez a situação fosse outra, mesmo com os preços mais reprimidos", disse ele, concluindo: "o clima faz parte do nosso negócio. Essas incertezas sempre tiveram conosco e é por isso que é tão difícil decidir sobre a comercialização do café". 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade