ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

"Dados divulgados pelo Cecafé são preocupantes", diz Eduardo Carvalhaes

POR EQUIPE CAFÉPOINT

PRODUÇÃO

EM 11/10/2017

0
0
Por Camila Cechinel

As exportações de café verde pelo Brasil caíram 24,2% em setembro, para 2,04 milhões de sacas, de acordo com informações divulgadas pelo Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé), na última terça-feira (10). Para a surpresa de toda a cadeira produtiva, o volume ficou abaixo dos números embarcados em agosto e o ano deve encerrar com menos de 31 milhões de sacas exportadas. 

Foto: Gui Gomes/ Café Editora
                                       Foto: Gui Gomes/ Café Editora

Segundo Eduardo Carvalhaes, do Escritório Carvalhaes, em Santos (SP), os dados do Cecafé são preocupantes e acendem uma luz amarela no mercado, uma vez que todas as pessoas que trabalham, direta ou indiretamente com o grão, esperavam que as exportações em setembro fossem superar as sacas embarcadas em agosto: "sabíamos que os números não seriam gigantes, mas não imaginávamos uma queda tão significativa. Comparado com setembro de 2016, o volume caiu quase 25%", explica. 
Para o especialista, algumas questões evidenciam o cenário, entre elas, os preços praticados pelo café, que não refletem o custo de produção do cafeicultor e faz com que estes prefiram guardar a mercadoria, na espera de uma melhora nos valores comercializados. Segundo ele, é como se houvesse um certa resistência e os produtores vendessem um pouco por mês apenas para quitar algumas despesas. 

"As vendas estão devagar, o mercado está parado. Como os preços estão ruins, produtores aguardam que o mercado reaja: os defensivos e fertilizantes estão mais caros e menos eficientes; a energia elétrica e o combustível estão altos. E o que os produtores veem? O preço cair. É desanimador",  diz Carvalhaes. Para ele, em um momento onde o consumo interno da bebida está crescendo cada vez mais, os preços atuais não incentivam os cafeicultores a aumentarem a área plantada e investirem em qualidade para atender a demanda. 
Além do fator "dinheiro", outro ponto que pode justificar a queda do volume exportado em setembro é a quebra de safra em função da seca. De acordo com o entrevistado, armazéns e cooperativas afirmaram ter recebido menos café que o normal, diminuindo a oferta do produto, e agricultores chegaram até a comprar café dos vizinhos para atender as vendas futuras porque não têm café de qualidade disponível. 

Conforme Carvalhaes, em uma situação hipotética, mesmo que o Brasil exportasse 9 milhões de sacas de café de agora até o final de 2017, ainda assim não chegaríamos a 31 milhões de sacas embarcadas no ano civil. Para ele, os exportadores têm que vir com mais vontade ao mercado e contar cada vez menos com os cafés que compraram: "não adianta eles verem as floradas abrindo e pensarem que a safra 2018 será recorde e que conseguirão adquirir a mercadoria", finalizou. 

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do CaféPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.