ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Florada: "O que aconteceu até agora é irreversível", diz técnico da Procafé

POR EQUIPE CAFÉPOINT

PRODUÇÃO

EM 13/09/2017

2
0
Por Camila Cechinel

Nas lavouras de café, a chegada do mês de setembro marca o início da florada no país. No entanto, em regiões como Sul de Minas, Cerrado Mineiro e Alta Mogiana, o menor volume de chuvas desde junho começa a preocupar os agricultores, uma vez que a produção dos frutos para a safra de 2018 pode ser severamente afetada com as reservas hídricas das plantas começando a se esgotar.

Foto: Café Editora
                                              Foto: Café Editora

O engenheiro agrônomo da Fundação Procafé, André Luiz Alvarenga Garcia, explica que um déficit hídrico de 120 milímetros, além de ser esperado pelos cafeicultores, é importante para igualar a florada, fazendo com que as gemas permaneçam em dormência e despertem, todas juntas, quando caírem as primeiras precipitações. O que está ocorrendo neste momento é que o estresse hídrico já passou de 150 milímetros, desfolhando os pés de café. 

"A folha é a fonte de energia da planta. Quanto mais desfolha, mais perda haverá em cima do potencial produtivo. Estamos atravessando uma situação de seca muito próxima a de 2014", disse Garcia. Ele afirmou, ainda, que 50% da área plantada de café nas regiões afetadas já está bastante prejudicada, o que certamente influenciará no rendimento da safra 2018/2019.

De olho nos problemas climáticos pelos quais as lavouras do Brasil estão passando, o mercado internacional parece estar se conscientizando da gravidade da seca durante a época da florada. O café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Future US) subiu mais de 300 pontos na última terça-feira (12), preocupando tanto os operadores quanto os produtores do grão, que têm compromissos com a entrega da mercadoria. "O mercado de café está entendendo que a oferta do produto vai diminuir. Com quebra de oferta, o preço sobe mesmo", explica o engenheiro. 

Meteorologistas apostam em chuvas entre o final do mês de setembro e começo de outubro, porém, a cada dia de seca, mais problemas surgem nas plantações. O jeito agora é torcer para o clima mudar o quanto antes. "Esperamos que chova antes do previsto para parar esse aumento de dano ao potencial produtivo. O que aconteceu até agora é irreversível: as folhas não vão mais produzir o que tinham potencial de produzir, muitas folhas já caíram e os botões foram afetados", finalizou. 

ARTIGO EXCLUSIVO | Este artigo é de uso exclusivo do CaféPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSÉ AILTON JUNQUEIRA DE CARVALHO

CAMBUQUIRA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 19/09/2017

Essa seca está realmente preocupante. Certamente teremos um efeito muito ruim na próxima safra.

Na minha região, Cambuquira, Sul de Minas, está faltando água até para o consumo na zona rural.Várias minas de água secaram.O efeito da seca já está instalado e será devastador.

Posteriormente contaremos os prejuizos.
PAULO GONÇALVES

ALTEROSA - MINAS GERAIS

EM 15/09/2017

Bom dia!

É preocupante, com a escassez de chuva e o preço baixo do café, o produtor encontra-se desmotivado  a continuar os cuidados com a lavoura, o que só piora as coisas.