carregando...
Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Notícias > Mercado

Boletim Carvalhaes: Agitação na economia reflete nas cotações do café

Por Equipe CaféPoint (CaféPoint)
postado há 2 dias atrás

22 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Boletim semanal Escritório Carvalhaes - ano 84 - n° 50
Se quiser consultar boletins anteriores, clique aqui e confira o histórico no site*
Santos, sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

O mercado financeiro brasileiro teve mais uma semana difícil e agitada com os debates sobre a reforma da previdência, ontem oficialmente adiada para 2018, sendo que lideres de partidos da base aliada avaliam que o adiamento da votação para fevereiro de 2018 reduz ainda mais as chances de aprovação da proposta de reforma.

Ontem, quinta-feira, o dólar subiu 0,77%, atingindo R$ 3,3357, seu maior patamar desde 23 de junho. Toda essa agitação na economia do maior produtor e exportador de café do mundo acabou refletindo nas cotações do café em Nova Iorque, que depois de muita oscilação no dia a dia fechou a semana acumulando queda de 185 pontos nos contratos com vencimento em dezembro próximo. O mercado físico brasileiro continuou difícil, com ofertas consideradas baixas pela maioria dos produtores, mas já estamos em meados de dezembro e os cafeicultores que querem vender ainda em 2017 acabam fechando negócio nas bases oferecidas pelos compradores.

Foto: Café Editora

O CECAFÉ – Conselho dos Exportadores de Café do Brasil, divulgou esta semana as exportações brasileiras de café em novembro último. Confirmando as dificuldades enfrentadas pelo Brasil com o término dos estoques oficiais e três anos consecutivos de problemas climáticos, elas recuaram 3,2% na comparação com
outubro, totalizando 2 785 853 sacas embarcadas
.

De janeiro a novembro de 2017, o Brasil embarcou pouco mais de 27,7 milhões de sacas, o que representa queda de 10,7% quando comparado com o mesmo período de 2016. Esse total permite projetar que as exportações brasileiras de café em 2017 deverão ficar entre 30 e 31 milhões de sacas, bem abaixo das 34 milhões de sacas
embarcadas em 2016 e das 37 milhões de sacas exportadas em 2015.
Até dia 14, os embarques de dezembro estavam em 788.756 sacas de café arábica, 18.847 sacas de café conilon, mais 52.696 sacas de café solúvel, totalizando 860.299 sacas embarcadas, contra 800.018 sacas no mesmo dia de novembro. Até o mesmo dia 14, os pedidos de emissão de certificados de origem para embarque em dezembro totalizavam 1.462.325 sacas, contra 1.552.409 sacas no mesmo dia do mês anterior.

A bolsa de Nova Iorque – ICE, do fechamento do dia 8, sexta-feira, até o fechamento de hoje, sexta-feira, dia 15, caiu nos contratos para entrega em março próximo 185 pontos ou US$ 2,45 (R$ 8,10) por saca. Em reais, as cotações para entrega em março próximo na ICE fecharam no dia 8 a R$ 534,53 por saca, e hoje dia 8, a R$ 528,06 por saca. Hoje, sexta-feira, nos contratos para entrega em março a bolsa de Nova Iorque fechou com alta de 45 pontos. No mercado Estável de hoje, são as seguintes cotações nominais por saca, para os cafés verdes, do tipo 6
para melhor, safra 2017/2018, condição porta de armazém:

R$470/490,00 - CEREJA DESCASCADO – (CD), BEM PREPARADO.
R$440/460,00 - FINOS A EXTRA FINOS – MOGIANA E MINAS.
R$430/440,00 - BOA QUALIDADE – DUROS, BEM PREPARADOS.
R$420/430,00 - DUROS COM XÍCARAS MAIS FRACAS.
R$410/420,00 - RIADOS.

*
O Escritório Carvalhaes é parceiro do site CaféPoint. Para compartilhar este conteúdo, utilize as redes sociais abaixo, creditando a fonte.

 

Direitos reservados

Este artigo é de uso exclusivo do CaféPoint, não sendo permitida sua cópia e/ou réplica sem prévia autorização do portal e do(s) autor(es) do artigo.

Saiba mais sobre o autor desse conteúdo

Equipe CaféPoint    São Paulo - São Paulo

Mídia especializada/imprensa

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Antonio Fernando Baccetti

Guaxupé - Minas Gerais - CONSULTOR EM ARMAZENAGEM
postado em 30/09/2016

Prezado Nelson;
Uma consideração sobre armazéns cheios ao final da safra!
Ao longo dos últimos 5 anos o armazenamento de café deixou de ser exclusivamente em sacas de 60 quilos e passou a ser em big bags, em sua maioria, e ou a granel.
Este ano podemos dizer que a maioria dos armazéns utilizou big bags, cuja consequência imediata foi a redução de capacidade em aproximadamente 60%.
Esta redução foi em razão da falta de planejamento de todos os operadores, que substituíram pilhas de café que chegavam a ter 8 metros de altura, por pilhas de big bags que possuem no máximo 3,8 metros de altura.
Fica assim explicado a falta de espaço e os armazéns cheios!!
Grande abraço

Baccetti

Carlos Alberto de Carvalho Costa

Muqui - Espírito Santo - Produção de café
postado em 13/12/2016

Parabéns ao Escritório Carvalhaes, que está brigando junto com alguns outros grupos contra esse famigerado Drawback, parabéns também ao deputado Evair Melo, que junto com outros deputados e senadores lutam incansavelmente contra a indústria, que sem pensarem em um futuro próximo estão querendo matar a galinha de ovos deles

Tarcísio Americano Barcelos

OUTRA - OUTRO - OUTRA
postado em 25/04/2017

Para o mero especulador é altamente interessante a volatilidade dos preços

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2017 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade