FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Síntese agropecuária BM&F 31/10/2006

CELSO VEGRO

EM 03/11/2006

1
0
Com mercado físico calmo, futuros seguem a volatilidade das bolsas internacionais

Com a colheita de café finalizada, as atenções dos produtores se voltam para a próxima safra.

A colheita da safra 2006/07 terminou com safra abundante e de boa qualidade dos grãos. Agora, as atenções se voltam para a próxima safra, que, devido à bianualidade da cultura, tende a ter produção menor que a atual. Depois de longo período de déficit hídrico, houve melhora na situação climática, o que regularizou a florada nos cafezais e reduziu o risco de quebra de safra.

O volume exportado em setembro foi de 2,48 milhões de sacas, acréscimo de 32,2% se comparado com o mesmo período do ano anterior (1,8 milhão de sacas).

De janeiro a setembro de 2006, já foram exportados 16,1 milhões de sacas, representando declínio de 3,7% em relação ao acumulado do mesmo período de 2005, segundo o Conselho dos Exportadores de Café (Cecafe).

No mercado físico, o cenário encontra-se travado em relação às negociações, com a ausência de vendedores e a espera de melhora nos preços. A cotação média da saca de café arábica, bica corrida, tipo 6, na região do Cerrado Mineiro, até 25 de outubro, acumula elevação de 5%, cotado em R$ 242,41/saca, segundo o Centro de Estudos de Economia Aplicada (Cepea).

As cotações dos contratos futuros na BM&F (gráfico 1 e tabela 1) fecharam em 24 de outubro em US$ 126,60/saca para dezembro/06; US$ 131,75/saca para março/07; US$ 134,55/saca para maio/07; US$ 139,20/saca para setembro/07; e US$ 145,00/saca para dezembro/07.


Fonte:BM&F

Gráfico 1 - Evolução dos preços futuros de café arábica

Fonte:BM&F

Tabela 1 - cotações dos contratos futuros de café arábica na BM&F

Na Nybot, as cotações de fechamento ficaram em US$¢ 107,15/lp para dezembro/06; US$¢ 111,10/lp para março/07; US$¢ 113,75/lp para maio/07; US$¢ 116,20/lp para julho/07; US$¢ 118,60/lp para setembro/07; e US$¢ 121,60/lp para dezembro/07. As bolsas internacionais, Nybot e Liffe, tiveram comportamento de alta, principalmente devido à atuação dos fundos.

O retorno diário dos preços do contrato futuro de café arábica para vencimento dezembro/06 (Gráfico 2), negociado na BM&F em outubro, situou-se entre o máximo de 4,26% (no dia 23) e o mínimo de -3,25% (no dia 2). Esse período caracterizou-se pela alta volatilidade, seguindo o comportamento dos mercados internacionais.


Fonte:BM&F

Gráfico 2 - Retorno diário do contrato futuro de café arábica (vencimento dezembro/06).

O diferencial de preços entre BM&F e Nybot demonstra trajetória relativamente constante no último mês (Gráfico 3), resultante de um mercado tranqüilo, sem grandes novidades na estrutura de oferta e demanda.


Fonte:BM&F

Gráfico 3 - Diferencial de preços entre BM&F e Nybot (2004-2006).

Na BM&F, o mercado futuro de café arábica negociou 35.988 contratos em setembro de 2006, queda de 37,3% comparado com o mês anterior (57.363). Em outubro, até o dia 24 inclusive, foram transacionados 29.278 contratos - média diária de 1.830.

Em 20 de outubro, o número de contratos em aberto de café arábica na BM&F atingiu o recorde histórico de 29.109 contratos, evidenciando maior participação dos agentes nas negociações dessa mercadoria.

A presença de pessoa jurídica não-financeira na posição comprada no mercado de café na BM&F era de 47,5% em 24 de outubro, similar à posição vendida, com 44%.

No Departamento de Classificação da BM&F, foram certificadas, até 24 de outubro, 415.000 sacas de café, significando incremento de 22% em relação ao mesmo período do mês passado.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ARNALDO REIS CALDEIRA JÚNIOR

CARMO DA CACHOEIRA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 03/11/2006

Prezados senhores,

Gostaria de comentar algumas informações que não me parecem verídicas, pois aqui no campo a realidade é outra.

No segundo parágrafo, encontram-se informações no mínimo distorcidas, espero que não tendenciosas:

1. A safra não foi abundante assim e não existe tanto café de qualidade como está sendo referido.

2. As chuvas não regularizaram o déficit hídrico, portanto as conseqüências da seca ainda predominam no cenário produtivo. As primeiras floradas não foram grande coisa. Além disso, as gemas originaram novas folhas e não frutos.

Concluindo, podem ter certeza de que a quebra de safra existirá, sim!
Só nos resta saber quanto: 25, 30, 35 ou até 40 %?

Saudações.