FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Trapoeraba, erva de difícil controle em cafezais

POR JOSÉ BRAZ MATIELLO

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO

EM 30/05/2018

3
0

A trapoeraba tem se mostrado uma erva muito concorrente e de difícil controle em cafezais, exigindo tecnologias de controle diferenciadas. A erva daninha ocorre em diferentes espécies do gênero Commelina, sendo mais comum a espécie C. benghalensis.

No campo têm-se normalmente duas espécies: uma de folhas menores e de coloração verde escuro-arroxeadas, chamada de marianinha; e as de folhas mais largas e de cor verde claro. A primeira tem sido mais problemática, cobrindo as ruas do cafezal e, em casos de controle deficiente, cresce subindonas plantas de café, cobrindo sua lateral.

Pesquisa realizada com diferentes tipos de cobertura vegetal em ruas de café (ver quadro) evidenciou, surpreendentemente, que a presença de cobertura com trapoeraba foi a mais prejudicial ao desenvolvimento do cafeeiro, não se sabendo exatamente o porquê disso, o que exigiu pesquisas complementares.

A necessidade de controle da trapoeraba tem enfrentado dificuldades. Empregando roçadas, o controle não é muito efetivo devido ao hábito de crescimento mais rasteiro dessa erva e pela sua reprodução vegetativa, por pedaços dos caules, além das sementes. Com o uso de glifosato, herbicida mais usado na cafeicultura, o controle é ineficiente. Sobram extensas manchas de trapoeraba verde em contraste com o restante da vegetação ressecada, morta pelo herbicida, exigindo gasto operacional complementar. O uso de herbicidas à base de 2,4-D, muito eficientes e de rápida morte dessa planta daninha, tem encontrado restrições pelas certificadoras.

O controle indicado nessas condições seria o uso de Glifosato em combinação ou uso isolado, conforme a necessidade de herbicidas mais efetivos contra ervas de folhas largas, adicionando-se óleo ou espalhante siliconado para melhor eficiência. Vários herbicidas podem ser empregados nessa situação, destacando-se aqueles à base de Metsulfuron metilico (Ally, Zartan, outros), de Clorimuron, de Flumoxazina(Flumizin), de Canfentrazona etílica (Aurora) ou de Saflufenacil (Heat). Na prática, as dificuldades decorrem da ação lenta de alguns desses produtos e sua eficiência ligada ao controle sobre ervas mais jovens, alguns até permitindo rebrotas. Torna-se necessário observar cuidados nas aplicações, como bom molhamento, doses e épocas de aplicação adequadas, uso dos adjuvantes, aplicações dirigidas etc.



3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOSÉ BRAZ MATIELLO

MACAPA - AMAPÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 04/06/2018

Nós somos livres pra discordar, porem estou me baseando em dados de pesquisa, não de achometro. Como disse no artigo devemos pesquisar mais sobre o por que dessa maior concorrência. O fato da planta se manter úmida, como diz, parece nada ter a ver com a concorrência, pois é uma característica ligada à sobrevivência da erva.,Sobre o capim gengibre ou amargoso, de fato, também é um problema, porem já existem herbicidas específicos pra ele, como o Select e o Verdict. A trapoeraba, como escrevi, encontra problemas em herbicidas mais caros e, alguns, com falta de aceitação pelas certificadoras. Matiello
ROGER LAUVERS

EM 04/06/2018

Pois bem! Continue com suas pesquisas pois elas devem ser.o seu ganha pão ,acredito! Não sei qual o tamanho da área,região e ou por quanto tempo sua pesquisa teve duração,mas posso te afirmar que aqui no E.S depois de 04 anos seguidos com anormalidades nas chuvas, foi visivelmente perceptível que as plantas com maior cobertura de solo (principalmente trapoeiraba) sentiram muito menos o extresse hídrico e tiveram maior produtividade consequentemente,falo isso após trabalhar com café ha cerca de 20 anos.abraço
ROGER LAUVERS

EM 04/06/2018

Não concordo,uma vez que a trapoeiraba retem bastante líquido e faz uma boa cobertura verde no solo,deixando -o sombreado e úmido...aqui em minha região (LARANJA DA TERRA E.S) temos um problema muito maior com uma outra erva daninha,resistente ao glifosato e que esta tirando o nosso sono,conhecida aqui por CAPIM GENGIBRE (famoso rabo de burro) esse sim é um problema para o café conilon