FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Epamig aponta a importância de mapear a lavoura

POR EQUIPE CAFÉPOINT

TÉCNICAS DE PRODUÇÃO

EM 06/04/2020

0
0

A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) divulgou uma circular com o tema Mapeamento da qualidade de cafés: preparo adequado de amostras em propriedades, com orientações para a estratificação dos talhões visando mapear a qualidade dos cafés produzidos.

Tendo em vista que grande parte das lavouras é composta por cultivares distintas, plantas com diferentes idades, condições de solo diversas, dentre outros fatores, recomenda-se a seleção de talhões com características semelhantes para a coleta das amostras. “O planejamento da colheita dos frutos de café é fundamental para o sucesso do mapeamento. Apenas os frutos maduros (cereja), devem ser selecionados, por serem os que apresentam maior potencial para a máxima qualidade do café”, ensina o engenheiro agrônomo Denis Henrique Silva Nadaleti.

Os frutos para a amostragem devem ser colhidos no início, meio e fim das ruas que compõem o talhão, incluindo topo e baixada. A coleta deve ser realizada nos dois lados da planta, devido à exposição ao sol e nos terços superior, médio e inferior.

Para a avaliação da qualidade são necessários cerca de sete litros de frutos cereja independente do processamento aplicado (via úmida ou via seca). Considerando-se os processos de lavagem e a eliminação dos frutos imaturos e boias, a coleta por talhão deve ser de 10 litros. “Após coletados, os frutos devem ser depositados em sacarias permeáveis e higienizadas. Não se recomenda o uso de sacos plásticos impermeáveis, ou de sacos já utilizados com ração ou produtos químicos que possam contaminar os frutos”, adverte Denis.

A secagem dos grãos deve ser ao sol em telas ou peneiras suspensas. A duração do processo de secagem do café exclusivamente no terreiro depende das condições climáticas e do tipo de processamento adotado. O tempo médio de secagem para os cafés naturais (via seca) é em torno de 30 dias, e cerca de 15 dias para o processamento via úmida. Para testar o ponto da secagem, recomenda-se a aferição da umidade em equipamento próprio. O ideal é que os grãos apresentem 11% de umidade.

É essencial que em todas as etapas as amostras sejam identificadas para que não haja risco de misturas. Após a secagem, devem ser acondicionadas em sacos de papel kraft ou similar, revestidas por um saco plástico, e permanecer em descanso por no mínimo 30 dias em ambiente limpo, arejado, fora do alcance de calor, luz e produtos que possam contaminá-las com odores indesejáveis.

Após o período de descanso, as amostras devem ser beneficiadas e enviadas para a avaliação da qualidade por um classificador credenciado e idôneo. O pesquisador da Epamig, Marcelo Ribeiro Malta, alerta que diversos fatores influenciam na qualidade final do café, entre eles o ambiente de cultivo da lavoura cafeeira, a escolha das cultivares e os processos de colheita e processamento adotados. “Os cafeicultores com conhecimento sobre a qualidade dos cafés de sua propriedade, podem atingir mercados distintos, participar de concursos de qualidade com seus melhores microlotes, e optar por formas de comercialização mais rentável, agregando valor ao café produzido”, sugere.

As informações são da Epamig.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe CaféPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.